A "Vasta Máquina" do Atlântico

o iate Rolha na costa fluminense em 1850

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i66.47369

Palavras-chave:

Tráfico ilegal de africanos, Século XIX, Navios negreiros, Rio de Janeiro, Sujeitos e lugares

Resumo

Este artigo pretende explorar o apresamento do navio negreiro, iate Rolha, no porto de Macaé, no litoral norte da província do Rio de Janeiro, a partir do processo instaurado pela Auditoria Geral de Marinha. Em tempos de ilegalidade, a complexidade e a trama que envolvem a operação de um navio negreiro podem ser percebidas ao tornar-se presa a embarcação. Em primeiro plano, os africanos, o navio e seu porão. Depois, o porto, os lugares de partida e de chegada, a cidade, os múltiplos sujeitos e as estruturas de recepção. Em seguida, aqueles que atuam na repressão, os crimes e as penas. Por fim, entre recompensas oficiais, reencontramos os africanos envoltos entre a improvável liberdade e a disputa pela propriedade. No roteiro, a máquina atlântica emerge repleta de códigos muito próprios das atividades clandestinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Walter Luiz Carneiro de Mattos Pereira, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense, Brasil (2009). Professor Associado da Universidade Federal Fluminense , Brasil.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

PEREIRA, W. L. C. de M. A "Vasta Máquina" do Atlântico: o iate Rolha na costa fluminense em 1850. Afro-Ásia, Salvador, n. 66, p. 165–207, 2022. DOI: 10.9771/aa.v0i66.47369. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/47369. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos