“Combinaram de nos matar, combinamos de ficar vivos”

racismo e resistência negra no rap brasileiro contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i65.45173

Palavras-chave:

Raça, Política, Rap, Resistência negra, Cultura afro-brasileira

Resumo

Desde seu surgimento e ao longo de sua penetração no contexto racializado brasileiro, o rap mantém-se como uma estratégia de resistência cultural negra. O objetivo deste trabalho é analisar como o rap articula dimensões culturais, históricas e sociais do debate racial brasileiro em suas composições. Para tanto, propomos um debate teórico sobre a constituição do rap como instrumento de crítica e as especificidades da questão racial brasileira. Em seguida, apresentamos uma análise temática reflexiva de 49 músicas de rap. A partir desta análise, discute-se a utilização da religiosidade afro-brasileira como um dispositivo da resistência cultural; a releitura da história do Brasil a partir do ponto de vista da população negra; e a crítica da realidade racial contemporânea, na qual são apontadas estratégias de resistência. Concluímos que o rap se constitui como uma importante ferramenta contra-hegemônica, centrando-se na valorização da cultura negra e na promoção da autoestima e da consciência racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Da Rosa Müller, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrando em Sociologia no Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pesquisa nas áreas de: Sociologia Brasileira, Estudos Étnicos Raciais, Desigualdades Raciais, Sociologia do Trabalho.

Lucas Lazzarotto Vasconcelos Costa, Universidade Federal de Santa Maria

Estudante de graduação no curso de Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

Abdias do Nascimento, O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Achile Mbembe, “Necropolítica”, Arte & Ensaios, n. 32 (2016), p. 123‑151, https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993.

Afrika Bambaataa, “Interview w/ Afrika Bambaataa, Hip Hop’s Ambassador, by Davey D”, http://www.daveyd.com/interviewbambaataa96.html.

Aislan Vieira De Melo, “Reafricanização e dessincretização do candomblé: Movimentos de um mesmo processo”, Anthropológicas, v. 19, n. 2 (2008), p. 157‑182, https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaanthropologicas/article/view/23674.

Alberto T. Ikeda, “Música, Política e ideologia: algumas considerações”, https://docplayer.com.br/9521861-Musica-politica-e-ideologia-algumas-consideracoes.html.

Alexandre Magalhães, “A guerra como modo de governo em favelas do Rio de Janeiro”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 36, n. 106 (2021), p. 8, https://doi.org/10.1590/3610600/2021.

Ana Cristina de Souza Mandarino, (Não) deu na primeira página: macumba, loucura e criminalidade, São Cristóvão: Editora da UFS, 2007.

Antonio Gramsci, Cadernos do cárcere: introdução ao estudo da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

Brasil, “Código Penal dos Estados Unidos do Brazil”, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/D847.htm.

Bruno Zeni, “O negro drama do rap: entre a lei do cão e a lei da selva”, Estudos Avançados, v. 18, n. 50 (2004), p. 225‑241, p. 230, https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100020.

Carlos Hasenbalg, “A pesquisa sobre desigualdades raciais no Brasil” in Carlos Hasenbalg e Nelson do Valle Silva (orgs.), Relações raciais no Brasil contemporâneo (Rio de Janeiro: Rio Fundo/IUPERJ, 1992), p. 9‑16.

Carlos Hasenbalg, Discriminação e desigualdades no Brasil, 2a, São Paulo: Humanitas, 2005.

Cheryl L. Keyes, “At the Crossroads: Rap Music and Its African Nexus”, Ethnomusicology, v. 40, n. 2 (1996), p. 223, https://doi.org/10.2307/852060.

Clara Velasco et al, “No de pessoas mortas pela polícia cresce no Brasil no 1o semestre em plena pandemia; assassinatos de policiais também sobem”, https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2020/09/03/no-de-pessoas-mortas-pela-policia-cresce-no-brasil-no-1o-semestre-em-plena-pandemia-assassinatos-de-policiais-tambem-sobem.ghtml.

Clóvis Moura, Dialética radical do Brasil negro, São Paulo: Anita, 1994.

Clóvis Moura, Escravismo, Colonialismo, Imperialismo e Racismo, São Paulo: IBEA, 1983.

Clóvis Moura, Sociologia do negro brasileiro, São Paulo: Ática, 1988.

Derek Pardue, “‘Writing in the Margins’: Brazilian Hip-Hop as an Educational Project”, Anthropology & Education Quarterly, v. 35, n. 4 (2004), p. 411‑432, https://doi.org/https://doi.org/10.1525/aeq.2004.35.4.411.

Derek Pardue, “Hip hop as pedagogy: A look into ‘heaven’ and ‘soul’ in São Paulo, Brazil”, Anthropological Quarterly, v. 80, n. 3 (2007), p. 673‑709, https://doi.org/10.1353/anq.2007.0044.

Florestan Fernandes, A integração do Negro na sociedade de classes, volume 1: ensaio de interpretação sociolóica, São Paulo: Editora Globo, 2008.

Florestan Fernandes, Significado do protesto negro, São Paulo: Cortez, 1989;

Fórum Brasileiro de Segurança Pública, “Anuário brasileiro de segurança pública” , 2020, https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2020/10/anuario-14-2020-v1-interativo.pdf.

Gabriel Delphino Fernandes de Souza, Thiago Campos da Silva e Fernando Rodrigues da Silva, “Cultura popular negra: decolonialidade no rap e em produções audiovisuais”, Tropos, v. 9, n. 2 (2020), p. 1‑24, https://periodicos.ufac.br/index.php/tropos/article/view/3890.

Galeria de Racistas, https://galeriaderacistas.com.br/.

Joseli Aparecida Fernandes e Elaine De Souza Pinto Rodrigues, “Rap: Instrumento De Libertação E Reconhecimento Da Identidade Negra”, Revista (Entre Parênteses), v. 1, n. 7 (2018), https://doi.org/10.32988/785;

Juliana Dutra, “RAP: identidade local e resistência global”, Universidade Estadual Paulista, 2007, https://repositorio.unesp.br/handle/11449/95121.

Lélia Gonzales, “Racismo E Sexismo Na Cultura Brasileira”, Ciências Sociais Hoje, (1984), p. 223‑243.

Leslie Colima e Diego Cabezas, “Análise do rap social como discurso político de resistência”, Bakhtiana, v. 2, n. 12 (2017), https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/2176-457327406.

Lorran Douglas Silva, “A política por trás do som: uma análise do rap como narrativa política do movimento de resistência negro”, Revista do Instituto de Ciências Humanas, v. 16, n. 25 (2020), p. 37‑64, http://periodicos.pucminas.br/index.php/revistaich/article/view/23787.

Manuel Castells, O poder da Identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

Marcelo Paixão, “Antropofagia e Racismo. Uma crítica ao modelo brasileiro de relações raciais” in Sílvia Ramos e Leonarda Musumeci (orgs.), Elemento suspeito: Abordagem Policial e Discriminação na Cidade do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005), p. 283‑322.

Marcelo Weishaupt Proni e Darcilene Claudio Gomes, “Precariedade ocupacional: uma questão de gênero e raça”, Estudos Avançados, v. 29, n. 85 (2015), p. 137‑151, https://doi.org/10.1590/S0103-40142015008500010.

Mário Heodoro, “A formação do mercado de trabalho e a questão racial no Brasil” in Mário Theodoro (org.), As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição (Brasília: Ipea, 2008).

Octavio Ianni, “Escravidão e Racismo”, Revista de Antropologia, v. 23, n. 0 (1980), p. 197‑201, https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.1980.110883.

Petrônio Domingues, “Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos”, Tempo, v. 12, n. 23 (2007), p. 100‑122, https://doi.org/10.1590/s1413-77042007000200007.

Raquel Turetti Scotton e Sônia Regina Corrêa Lages, “Ogum, a voz do gueto: o orixá do Rap e da rima nas letras de Criolo e Emicida”, PLURA, v. 11, n. 1 (2020), p. 169‑186, https://revistaplura.emnuvens.com.br/plura/article/view/1688.

Raymundo Nina Rodrigues, Epidémie de folie religieuse au Brésil, Paris: L. Maretheux, 1898.

Reginaldo Prandi, Mitologia dos orixás, São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 21.

Rhuann Fernandes, “O rap nacional e o caso Djonga: Por uma sociologia das ausências e das emergências”, RELACult, v. 5, n. 3 (2019), p. 1‑25, p. 2, https://doi.org/10.23899/relacult.v5i3.1657.

Ricardo Indig Teperman, “O rap radical e a ‘nova classe média’”, Psicologia USP, v. 26, n. 1 (2015), p. 37‑42, https://doi.org/10.1590/0103-6564d20140010.

Rita Amaral e Vagner Gonçalves da Silva, “Foi conta para todo canto: as religiões afro-brasileiras nas letras do repertório musical popular brasileiro”, Afro-Ásia, v. 34, n. 34 (2006), p. 189‑235, https://doi.org/10.9771/aa.v0i34.21117.

Roger Bastide, As Religiões Africanas no Brasil: contribuição a uma sociologia das interpretações de civilizações, São Paulo: Editora da USP, 1971.

Rosana Martins, “Hip hop, arte e cultura política: expressões culturais e representações da diáspora africana”, Em Questão, v. 19, n. 2 (2013), p. 260‑282, p. 261, https://brapci.inf.br/index.php/res/v/8644.

Sales Augusto dos Santos, “Os rappers e o ‘rap consciência’: novos agentes e instrumentos na luta anti-racismo no Brasil na década de 1990”, Sociedade e Cultura, v. 11, n. 2 (2008), p. 169‑182, https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5254.

Sérgio Adorno, “Exclusão socioeconômica e violência urbana”, Sociologias, n. 8 (2002), p. 84‑135, https://doi.org/10.1590/S1517-45222002000200005.

Sílvio Almeida, O que é racismo estrutural, Belo Horizonte: Letramento, 2018.

Stuart Hall, Da diáspora: identidades e mediações culturais, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

Talíria Petrone, “Projeto de Lei PL 5923/2019” , Brasília, 2019, https://www.camara.leg.br/propostas-legislativas/2229089.

Theo de Sá Guimarães Cancello, “RAP: insistência, resistência e (re)existência: Relatos de Rappers da Baixada Santista”, Universidade Católica de Santos, 2019, http://biblioteca.unisantos.br:8181/handle/tede/5381.

Virginia Braun e Victoria Clarke, “Reflecting on reflexive thematic analysis”, Qualitative Research in Sport, Exercise and Health, v. 11, n. 4 (2019), p. 589‑597, https://doi.org/https://doi.org/10.1080/2159676X.2019.1628806.

Virginia Braun e Victoria Clarke, “Using thematic analysis in psychology”, Qualitative Research in Psychology, v. 3, n. 2 (2006), p. 77‑101, https://doi.org/https://doi.org/10.1191/1478088706qp063oa.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

MÜLLER, H. D. R.; COSTA, L. L. V. “Combinaram de nos matar, combinamos de ficar vivos”: racismo e resistência negra no rap brasileiro contemporâneo. Afro-Ásia, Salvador, n. 65, p. 607–647, 2022. DOI: 10.9771/aa.v0i65.45173. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/45173. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos