Por conta do desassossego que tem causado na praça da Bahia

tráfico, ultimatos e apreensões no Atlântico (1810-1815)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i65.44950

Palavras-chave:

Apreensões, Bahia, Comércio negreiro, Atlântico, Costa da Mina

Resumo

Este artigo discute as primeiras interferências de cruzadores ingleses no comércio transatlântico de escravizados realizado por negociantes baianos entre 1811 e 1815. Entre outros aspectos,  analisa-se as tensões geradas e os prejuízos causados ao comércio da Bahia em virtude de apreensões, julgamentos e condenações de embarcações negreiras na rota Salvador-Costa da Mina. Tais ações foram realizadas pelos britânicos sob a alegação de defesa do compromisso firmado no artigo X do Tratado de Aliança e Amizade, assinado 1810 entre Portugal e Inglaterra, no qual o governo português assumiu o compromisso de, gradualmente, pôr fim ao comércio de escravizados em seus domínios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do Império: questão nacional e questão colonial na crise do Antigo Regime Português, Porto: Afrontamento, 1993.

BETHELL, Leslie. A abolição do comércio brasileiro de escravos: a Grã-Bretanha, o Brasil e a Questão do Comércio de Escravos. 1807-1869, Brasília, Editora do Senado Federal, 2002.

BONAVIDES, Paulo e Amaral, Roberto. Textos políticos da História do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2002, vol. I, p. 410.

CANDIDO, Mariana P. Negociantes baianos no porto de Benguela: redes comerciais unindo o Atlântico setecentista. In: GUEDES, Roberto (org.). África, brasileiros e portugueses – séculos XVI-XIX. Rio de Janeiro: Mauad, 2013.

CARVALHO, Marcus J. M. Estimativa do tráfico ilegal de escravos para Pernambuco. CLIO – Revista de Pesquisa Histórica, Recife, n. 12, p. 43-54, 1989.

CARVALHO, Marcus J. M. O cálculo dos traficantes: o tráfico atlântico de escravos para Pernambuco (1831-1850), RIHGB, Rio de Janeiro, vol. 158, n. 396, p. 907-942, jul.-set. 1997.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CONRAD, Robert E. Tumbeiros: o tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

COSTA, Emilia Viotti da. Da senzala à colônia. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CURTIN, Philip D. The Atlantic slave trade. A census. Madison: University of Wisconsin

Press, 1969.

ELTIS, David; BEHRENDT Stephen D.; RICHARDSON, David P.; KLEIN, Herbert S. The

Transatlantic Slave Trade: A Database on CD-ROM. Nova York, 1999.

FERREIRA, Roquinaldo. Biografia, mobilidade e cultura Atlântica: a micro-escala do tráfico de escravos em benguela, séculos XVIII-XIX. Tempo, Niterói, vol. 10, n. 20 (Dossiê África), p. 33-59, jan. 2006.

FERREIRA, Roquinaldo. Brasil e Angola no tráfico Ilegal de Escravos, 1830-1860. In: PANTOJA, Selma; SARAIVA, José Flávio S. (orgs). Angola e Brasil nas Rotas do Atlântico Sul. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999, p. 143-224.

FERREIRA, Roquinaldo. Dos Sertões ao Atlântico: Tráfico Ilegal de Escravos e Comércio Lícito em Angola, 1830-1860. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOULART, Maurício. A escravidão africana no Brasil: das origens à extinção do tráfico. São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1975.

KLEIN, Herbert S. O tráfico de escravos africanos para o porto do Rio de Janeiro, 1825-1830. Anais de História. São Paulo, ano 5, p. 85-101, 1973.

MALHEIRO, Agostinho Marques Perdigão. A escravidão no Brasil: ensaio histórico- jurídico-social. São Paulo: Cultural, 1944.

MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. A proibição do tráfico atlântico e a manutenção da escravidão. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs). O Brasil imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 207-233.

MARQUES, João Pedro. Os Sons do Silêncio: o Portugal de Oitocentos e a Abolição do

Tráfico de Escravos. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 1999.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

REDIKER, Marcus. The slave ship: a human history. New York: Penguin, 2008. REIS, João José. Identidade e diversidade étnica nas irmandades negras no tempo da escravidão. Tempo, Niterói, vol. 2, n. 3, p. 199-242, 1997.

REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos; CARVALHO, Marcus J. M. de. O alufá Rufino: escravidão, tráfico e liberdade no atlântico negro (1822 a 1853). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

REIS, João José. Há duzentos anos: a revolta escrava de 1814 na Bahia. Topoi. Rio de Janeiro, vol. 15, n. 28, p. 68-115, 2014.

RIBEIRO, Alexandre Vieira. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador. 1680-1830. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

RIBEIRO, Alexandre Vieira. A cidade de Salvador: estrutura econômica, comércio de escravos, grupo mercantil (1750-1800). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Unicamp, 2000.

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

RODRIGUES, José Honório. Brasil e África: outro horizonte. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

SILVA, Alberto Costa e. Francisco Félix de Souza: mercador de escravos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. A primeira gazeta da Bahia: Idade d’Ouro do Brazil. Salvador: Edufba, 2011.

TAVARES, Luís Henrique Dias. Comércio proibido de escravos. São Paulo: Ática,1988.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o golfo do Benim e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII a XIX. São Paulo: Corrupio, 2003. VERGER, Pierre. Notícias da Bahia - 1850. Salvador: Corrupio, 1981.

XIMENES, Cristiana Ferreira. Joaquim Pereira Marinho: perfil de um contrabandista de Escravos na Bahia, 1827-1887. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1988.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

JESUS, P. C. O. de . Por conta do desassossego que tem causado na praça da Bahia: tráfico, ultimatos e apreensões no Atlântico (1810-1815). Afro-Ásia, Salvador, n. 65, p. 42–90, 2022. DOI: 10.9771/aa.v0i65.44950. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/44950. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê