Tecendo redes imperiais: uma dimensão asiática do comércio britânico de escravos no Atlântico no século XVIII

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i63.38307

Palavras-chave:

Comércio de escravos no Atlântico | Tecidos indianos de algodão | Companhia Britânica das Índias Orientai

Resumo

O século XVIII assistiu ao desenvolvimento da economia escravista atlântica, sustentada pela constante oferta de mão de obra do continente africano. Para comprar cativos africanos na costa do Atlântico, os mercadores estrangeiros tinham que atender às demandas expressas dos africanos, notadamente os tecidos indianos de algodão, que se tornaram o “carro-chefe” das mercadorias. Nesse período, o comércio anglo-asiático, conduzido pela Companhia Britânica das Índias Orientais, desempenhou um papel central no fornecimento de têxteis indianos para os comerciantes de escravos britânicos. Este artigo aborda como comerciantes britânicos adquiriam têxteis na Índia para a África Atlântica. Ao examinar essa questão, o artigo ilustra o comércio global de algodão, das áreas de produção de têxteis indianos para a África Atlântica, e, em última análise, argumenta que a narrativa
do chamado “comércio triangular” precisa ser substituída por outra perspectiva,
que destaque o protagonismo de consumidores africanos e de tecelões sul-asiáticos.

 

Weaving Imperial Networks: An Asian Dimension of the British Atlantic Slave Trade in the 18th Century

The eighteenth century saw the development of the Atlantic slave-based economy,
sustained by a constant supply of labor from the African continent. On the Atlantic
coast, in order to purchase captives foreign merchants had to meet local demands
for trade commodities, notably Indian cotton textiles, which became a crucial
product. During this period, the Anglo-Asian trade, conducted by the English East
India Company, played a central role in the supply of Indian textiles for British
slave traders. This paper addresses how British merchants procured textiles in
India for Atlantic Africa. By examining this question, the paper illustrates a global
cotton trade that extended between the areas where Indian textiles were produced
and Atlantic Africa. Finally, the paper argues that the so-called “triangular trade”
narrative should be replaced by another perspective that emphasizes the agency of
African consumers and South Asian weavers.

Atlantic slave trade | Indian cotton textiles | English East India Company

Biografia do Autor

Kazuo Kobayashi, Universidade Waseda, Japão

Estudos sobre ligações econômicas entre os oceanos Atlântico e Índico nos séculos XVIII e XIX, com referência especial à demanda da África Ocidental por tecidos de algodão indianos e suas repercussões globais

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

KOBAYASHI, K. Tecendo redes imperiais: uma dimensão asiática do comércio britânico de escravos no Atlântico no século XVIII. Afro-Ásia, [S. l.], n. 63, 2021. DOI: 10.9771/aa.v0i63.38307. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/38307. Acesso em: 22 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos