Batismos, família e escravidão no Maranhão colonial

Autores

  • Antonia da Silva Mota

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i55.24129

Palavras-chave:

Batismo, Família escrava, Maranhão.

Resumo

Fundamentados na demografia histórica, analisamos os assentos de batismo da freguesia de N. S. das Dores do Itapecuru-MA, no período áureo da exportação de algodão e arroz. A partir dos registros, em especial do “auto de desobriga” dos anos de 1813/14, verificamos uma grande concentração de cativos de origem africana e pouca presença de populações livres, pois 92% dos 367 batismos realizados eram de crianças em situação de cativeiro. Mais significativo ainda foi constatarmos que 40% delas nasceram em lares legítimos, demonstrando a proliferação dos preceitos católicos na região e a possibilidade de ascensão social vislumbrada pelos escravizados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-03-10

Como Citar

MOTA, A. da S. Batismos, família e escravidão no Maranhão colonial. Afro-Ásia, Salvador, n. 55, 2017. DOI: 10.9771/aa.v0i55.24129. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/24129. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos