Memória e imaginação histórica na narração da origem brasileira e escrava em Luanda contemporânea

Autores

  • Federica Toldo

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i54.23616

Palavras-chave:

escravidão - memória - genealogia - imaginação histórica - ritual.

Resumo

Neste ensaio, analisamos algumas narrações genealógicas coletadas em Luanda (Angola) em que um “negro” brasileiro, que teria vindo a Angola na qualidade de escravo ou depois de ter sido escravo no Brasil, é lembrado como fundador da família. Apresentando elementos tanto de plausibilidade como de imaginação histórica, esses contos são expressivos e ricos de concepções locais no plano tanto social como religioso. Na imaginação cosmológica local, a volta da escravidão por mar de almas que se simpatizam com as pessoas é uma imagem que aparece em práticas rituais. Na economia local do prestígio, se dizer descendentes de um negro brasileiro é a única maneira de assumir uma origem escrava. A origem brasileira enobrece a condição escrava e, ao mesmo tempo, é uma estratégia para negar outras origens estrangeiras, nomeadamente a origem portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-08-17

Como Citar

TOLDO, F. Memória e imaginação histórica na narração da origem brasileira e escrava em Luanda contemporânea. Afro-Ásia, Salvador, n. 54, 2016. DOI: 10.9771/aa.v0i54.23616. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/23616. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos