Avanços e limites da Comissão Milton Santos de memória e verdade da UFBA: análise arquivística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rfd.v2i0.57496

Palavras-chave:

Arquivologia, Comissão Milton Santos de Memória e Verdade, Análise arquivística, Memória - Direito, Justiça de transição, Universidade Federal da Bahia

Resumo

A ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) instaurou no país um Estado de exceção. Nesse período, as violações aos direitos humanos e o cerceamento das liberdades individuais foram institucionalizadas no Brasil. No contexto universitário, espaço de tradicional efervescência política, o Estado autoritário atuou no sentido de reprimir e silenciar as vozes destoantes do novo governo. Antes mesmo do término da ditadura, um conjunto de ações começam a ser executadas com a finalidade de consolidar a justiça de transição no Brasil – a exemplo da criação das Comissões da Verdade. O objetivo do presente artigo é apresentar os avanços e limites da Comissão Milton Santos de Memória e Verdade (CMSMV), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), assim como produzir uma análise arquivística no sentido de compreender a contribuição que a arquivologia proporcionou aos trabalhos do colegiado. Acerca dos procedimentos metodológicos, esta investigação, com um enfoque descritivo e de abordagem qualitativa, caracteriza-se enquanto um estudo de caso, utilizando como procedimento de coleta de dados a pesquisa bibliográfica. Conclui-se que, apesar das limitações impostas à referida comissão, foi possível perceber – a partir de uma análise arquivística – a contribuição da Arquivologia nos achados documentais e informacionais acerca do tema em tela, por meio de documentação selecionada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Coutinho Silva, Universidade Federal da Bahia

Mestrando em Ciência da Informação (PPGCI/UFBA). Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Membro do Grupo de Pesquisa G-Acervos/UFBA.

Zeny Duarte de Miranda, Universidade Federal da Bahia

Professora do Instituto de Ciência da Informação (ICI/UFBA). Vice Coordenadora do Programa de Pós-
Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFBA). Líder do Grupo de Pesquisa G-Acervos/UFBA.

Referências

ALMEIDA, João de Assis. Memória, universidade, cidadania e constituição na era das comissões da verdade: elucubrações comparativas a partir da vida e obra da família Kucinski. In: Simpósio Nacional de História, 29, 2017, Brasília. Anais eletrônico... Brasília, 2017, 15p. Disponível em: http://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1489624814_ARQUIVO_STANPUH2017.pdf Acesso em: 03 mar. 2018.

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: nunca mais. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985. 312 p.

SÂO PAULO. Arquivo Público. A ditadura revisitada. Revista do Arquivo. São Paulo, nº 02, 45 p. 2016. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/revista_do_arquivo/02/interpretes_do_acervo_03.php. Acesso em: 23 mar. 2018.

ATA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DE 09 DE ABR. 1964. In: BRITO, Antônio Maurício Freitas. O golpe de 1964, o movimento estudantil na UFBA e a resistência a ditadura militar (1964-1968). 2008. 243 f. Tese (Doutorado em História) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2008.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. Série como fazer vol. 8. São Paulo, SP: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado. 2002. Disponível em: http://www.arqsp.org.br/arquivos/oficinas_colecao_como_fazer/cf8.pdf Acesso em: 06 mar. 2018.

BRASIL. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014. 976 p. Disponível em: http://www.cnv.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=571 Acesso em 04 ago. 2018.

BRASIL, Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Direto à Memória e à Verdade: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos / Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007, 500 p.

BRITO, Antonio Maurício Freitas. Capítulos de uma história do movimento estudantil na UFBA (1964-1969). 2003. 133 p. Dissertação (Mestrado em História Social) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2003.

BRITO, Antonio Maurício Freitas. O golpe de 1964, o movimento estudantil na UFBA e a resistência a ditadura militar (1964-1968). 2008. 243 f. Tese (Doutorado em História) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2008

BRITO, Antonio Maurício Freitas. O golpe de 1964 e a Universidade Federal da Bahia. OPSIS, Catalão-GO, v. 14, n. 1, p. 303-320, jan./jun. 2014.

COMISSÃO MILTON SANTOS DE MEMÓRIA E VERDADE DA UFBA. Relatório Final. Salvador: Comissão Milton Santos de Memória e Verdade da UFBA, 2014.

DUARTE, Zeny. Arquivo e arquivista: conceituação e perfil profissional. Revista da Faculdade de Letras: Ciências e Técnicas do Patrimônio. Porto, I Série, vol. V-VI, p. 141-151. 2006-2007.

SILVA FILHO, José Carlos Moreira da. O anjo da memória e a memória das vítimas: o caso da ditadura militar no Brasil. Veritas, Porto Alegre, v. 53, n. 2, p. 150-178, abr./jun. 2008.

FONSECA, Maria Odila. Informação e direitos humanos: acesso às informações arquivísticas. Ciência da Informação, v. 28, n. 2, p. 146-154, 1999

GASPARI, Elio. A ditadura derrotada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. 538p.

JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, v. 25, n. 2, 1995.

JOSÉ, Emiliano. Intervenção da imprensa na política brasileira (1954-2014). São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015. 184 p.

MAGALHÃES, Mário. Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 732 p.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2014. 429 p.

OLIVEIRA, Louise Anunciação Fonseca de et. al. Ações arquivísticas no acesso à informação junto à Comissão da Verdade da UFBA: Resgate Histórico do período da ditadura civil militar. In: Congresso Nacional de Arquivologia, 6, 2014, Santa Maria. Anais eletrônico... Santa Maria, 2014. Disponível em: http://pt.slideshare.net/dfloresbr/arquivologia-sustentabilidade-e-inovao-vi-congresso-nacional-de-arquivologia-anais-do-vi-cna-2014. Acesso em: 06 mar. 2018.

SANTOS, Claiz Maria Pereira Gunça dos. O reconhecimento do direito à verdade e à memória como um direito fundamental implícito no ordenamento jurídico brasileiro. In.: LEAL, Rogério Gesta. EILBAUM, Lucia. MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. Justiça de transição: verdade, memória e justiça. Ed: FUNJAB. CONPEDI. 2014.

SEIXAS, Ivan Akselrud de; SOUZA, Silvana Aparecida de. Comissão Nacional da Verdade e a rede de comissões estaduais, municipais e setoriais: a trajetória do Brasil. Estud. Sociol. Araraquara-SP, v. 20, n. 39, p. 347-364, jul./dez. 2015.

TOLEDO, Caio Navarro de. O governo Goulart e o Golpe de 64. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982. 123 p.

TOLMASQUIM, Alfredo Tiomno; PIMENTA, Ricardo Medeiros; OLINTO, Gilda. Entre a memória e a informação: cientistas perseguidos na ditadura militar. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 15, 2014, Belo Horizonte. Anais eletrônico... Belo Horizonte, 2014. p. 5037-5049. Disponível em: http://enancib2014.eci.ufmg.br/documentos/anais/anais-gt10 Acesso em: 09 nov. 2017.

TOSI, Giuseppe; SILVA, Jair Pessoa de Albuquerque e. A justiça de transição no Brasil e o processo de democratização. In: TOSI, Giuseppe et al. (Org) Justiça de transição: direito à justiça, à memória e à verdade. João Pessoa: Editora de UFPB, 2014. 348 p.

WEICHERT, Marlon Alberto. Crimes contra a humanidade perpetrados no Brasil. Lei de anistia e prescrição penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n. 74, p. 183-184, 2008,

Downloads

Publicado

2023-11-25

Como Citar

SILVA, L. C.; MIRANDA, Z. D. de. Avanços e limites da Comissão Milton Santos de memória e verdade da UFBA: análise arquivística. Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 4–23, 2023. DOI: 10.9771/rfd.v2i0.57496. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57496. Acesso em: 22 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>