A prancheta, o canteiro e a durabilidade do construído

Autores

  • Mário Mendonça Oliveira

Resumo

O envelhecimento precoce da arquitetura moderna deve-se, basicamente, ao desconhecimento da ciência e tecnologia dos materiais de construção, à formação superficial dos arquitetos e engenheiros na universidade de massa, à cisão projeto-obra e à insignificância dos investimentos em pesquisa no nosso País. Estudos mais recentes de conservação/restauração têm conduzido a uma maior preocupação sobre os problemas da durabilidade dos materiais de construção, de maneira geral, representando una imensa contribuição para aumentar a longevidade do moderno construído. Apresentam-se alguns fenômenos de degradação muito estudados na conservação/restauração, que podem levar-nos a uma reflexão mais aprofundada do uso de materiais no momento da decisão de utilizá-los judiciosamente, quer no projeto, quer na obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-09-17

Como Citar

Oliveira, M. M. (2008). A prancheta, o canteiro e a durabilidade do construído. RUA: Revista De Arquitetura E Urbanismo, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/rua/article/view/3096

Edição

Seção

Artigos