Por que eu tenho que vir ao médico para ele ver minha genitália? As descobertas de um jovem potiguar

Autores

  • Mikelly Gomes da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Resumo

Este artigo trata de um estudo de caso voltado às lembranças da infância de Johny, garoto potiguar, e aos questionamentos que o levaram a descoberta da intersexualidade, ao lugar de autonomia e resistência que têm guiado suas relações. O trabalho possibilitou através de entrevistas semiestruturadas apresentar detalhes da trajetória do jovem, uma vez que ao refletir os caminhos percorridos por ele, proponho um diálogo com algumas categorias que nos oportunizam ponderar sobre a condição de segredo, medicalização, estigma, autonomia e luta por reconhecimento incorporados tanto nas produções acadêmicas quanto na produção do movimento intersexo. Questionar: “quando e por que se dizer intersexo?”, permite-nos explorar os limites discursivos que apreendem a intersexualidade na condição de um corpo não revelado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mikelly Gomes da Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Pesquisas nas áreas de reconhecimento, gênero, corpo e sexualidade.

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Silva, M. G. da. (2021). Por que eu tenho que vir ao médico para ele ver minha genitália? As descobertas de um jovem potiguar. Revista Periódicus, 1(16), 163–189. Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/43133

Edição

Seção

DOSSIÊ 16 - Intersexualidade: desafios de gênero