TERRITÓRIO, SUBJETIVIDADE E RECEPÇÃO: A Festa do Coco criando espaço incorporado

Autores

  • Peticia Carvalho de Moraes USP

Palavras-chave:

Brincadeira, Coco de Roda, Dança, Espaço, Recepção.

Resumo

Este artigo é parte integrante de minha dissertação de mestrado realizada na Universidade de São Paulo (USP), no programa de Estudos Culturais na área da Filosofia. Ao longo do texto, discuto as negociações realizadas durante a Festa do Coco das comunidades quilombolas paraibanas Ipiranga e Gurugi que evidenciam maneiras de como ocorre a construção do espaço subjetivo da festa através das inter-relações entre as trajetórias humanas e não humanas e suas subjetividades. Chamo de construção do espaço subjetivo as outras linhas de vida estabelecidas no local da festa e que também organizam a construção de seu território, como o círculo, evidenciado na formação da roda de coco, e as pequenas linhas retas, produzidas pela ligação entre as duplas brincantes no centro da roda. Esta construção do espaço subjetivo da festa se dá juntamente com a linha retangular da arquitetura do local: o formato do barracão. Os estudos da Estética da Recepção me ajudaram a discutir a relação entre o público das festas, seus horizontes de expectativa e suas produções de subjetividade, ou seja, os processos de criação de subjetividades que ocorrem durante a festa e a brincadeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Peticia Carvalho de Moraes, USP

Mestre em Filosofia com área de concentração em Estudos
Culturais pela USP. Especialista em Dança pela ESEF e em Filosofia e Autoconhecimento pela PUCRS. Licenciada em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas
pela UNESP.

Downloads

Publicado

2020-12-31