Prospecção sobre Armadilhas para Mosquitos Aedes Aegypti e Tecnologias Relacionadas

Autores

  • Antonio Wanderson Vieira Gois Universidade Federal da Bahia
  • Angela Machado Rocha Universidade Federal da Bahia
  • Alan Nascimento Lopes Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.39299

Palavras-chave:

Controle de Mosquitos, Vigilância Entomológica, Saúde Pública.

Resumo

O mosquito Aedes aegypti gera diversos malefícios à humanidade há séculos, essencialmente por ser vetor de muitas doenças. Devido às transformações socioambientais que o planeta vem sofrendo, os prejuízos por ele causados têm se agravado bastante. Nesse aspecto, a análise prospectiva pode mapear o cenário das inovações e nortear as estratégias de desenvolvimento tecnológico para controle do mosquito. Destarte, este estudo descritivo baseia-se em pesquisa exploratória patentária realizada por meio da base Derwent Innovation Index, com abordagens qualiquantitativas sobre armadilhas e tecnologias correlatas para controle do mosquito Aedes aegypti publicadas entre 2000 e 2020. As tecnologias analisadas apontam, sobretudo, estratégias para eliminar esses insetos, ao passo que, para monitorá-los, é necessário aplicar mais investimentos no desenvolvimento de ovitrampas e atrativos mais potentes e menos nocivos ambientalmente. Foram identificadas 57 famílias de patentes sobre as tecnologias estudadas, com tendência estável e ligeiramente decrescente no número de depósitos, sendo o Brasil o maior depositante, e os EUA o principal foco dos depósitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Wanderson Vieira Gois, Universidade Federal da Bahia

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia (FMB/UFBA). Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI/UFBA-CNPq). Técnico em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA). Foi acadêmico da Faculdade de Farmárica da UFBA (FACFAR/UFBA).

Angela Machado Rocha, Universidade Federal da Bahia

Professora do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (ICS/UFBA) e do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (ProfNIT) Ponto Focal UFBA, e Professora Colaboradora do Programa de Pós-graduação em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas-(PIOS) UFBA. Lidera o Grupo de Pesquisa IES -Inovação e Empreendedorismo Sustentável. É Professora Orientadora da Eleva Empresa Júnior de Biotecnologia da UFBA. Doutorado em Energia e Ambiente pela Universidade Federal da Bahia. Pós-Graduada (Lato Sensu) em nível de Especialização MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas Pós-Graduada (Lato Sensu) em nível de Especialização em Engenharia de Processamento Petroquímico pela Universidade Federal da Bahia.

Alan Nascimento Lopes, Universidade Federal da Bahia

Acadêmico do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bolsista pelo Instituto de Ciências da Saúde da UFBA (ICS/UFBA). Foi bolsista vinculado ao Laboratório de Bromatologia da Faculdade de Farmácia da UFBA (FACFAR/UFBA). Foi pesquisador voluntário do Laboratório de Genética de Populações e Evolução Molecular (GENEV/UFBA).

Referências

BOECHAT, Breno. As ovitrampas, armadilhas pouco conhecidas, também ajudam no combate ao mosquito da dengue. Rio de Janeiro: Globo, [s.l.], 26 set. 2015. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/dengue/as-ovitrampas-armadilhas-pouco-conhecidas-tambem-ajudam-no-combate-ao-mosquito-da-dengue-11609672.html. Acesso em: 18 set. 2020.

BRAGA, I. A. et al. Comparação entre pesquisa larvária e armadilha de oviposição, para detecção de Aedes aegypti. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, [s.l.], v. 33, n. 4, p. 347-353, ago. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v33n4/2486.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. 1. ed. Brasília, DF: Editora MS, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Rev. Saúde Pública, Brasília, DF, v. 44, n. 1, p. 200-202, fev. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico, [s.l.], Secretaria de Vigilância em Saúde, v. 47, n. 3, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico, [s.l.], Secretaria de Vigilância em Saúde, v. 51. n. 2, 16 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2015/2016: uma análise da situação de saúde e da epidemia pelo vírus Zika e por outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

CLARIVATE. DERWENT. [Base de dados – Internet]. 2020. Disponível em: https://clarivate.com/derwent/. Acesso em: 15 set. 2020.

CONSOLI, R. A. G. B.; OLIVEIRA, R. L. de. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1994.

DATASUS. [Base de dados – Internet]. 2021. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=6926. Acesso em: 22 mar. 2021.

DOMINGUES, C. M. A. S. Programa Nacional de Imunizações – Queda nos índices das coberturas vacinais no Brasil. Conselho Federal de Medicina, [s.l.], 2018.

DVORSKY, G. Mosquitos geneticamente modificados estão se reproduzindo em uma cidade na Bahia. São Paulo: UOL, [s.l.], 17 set. 2019. Disponível em: https://gizmodo.uol.com.br/mosquistos-geneticamente-modificados-reproduzindo/#:~:text=Mosquitos%20geneticamente%20modificados%20est%C3%A3o%20se%20reproduzindo%20em%20uma%20cidade%20na%20Bahia&text=A%20libera%C3%A7%C3%A3o%20deliberada%20de%20450.000,semana%20passada%20na%20Scientific%20Reports. Acesso em: 25 set. 2020.

EPO – EUROPEAN PATENT OFFICE. Família de patentes. Espacenet, [s.l.], 21 nov. 2017. Disponível em: https://lp.espacenet.com/help?locale=pt_LP&method=handleHelpTopic&topic=patentfamily. Acesso em: 30 set. 2020.

FIOCRUZ – FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Como é o ciclo de vida do mosquito 'Aedes aegypti'? FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 19 dez. 2019. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/pergunta/como-e-o-ciclo-de-vida-do-mosquito-aedes-aegypti. Acesso em: 16 set. 2020.

FORATTINI, O. P. Culicidologia médica. 1. ed. São Paulo: EDUSP, 2002. v. 2.

FUNASA – FUNDAÇÃO NACIONAL DA SAÚDE. Dengue, instruções para pessoal de combate ao vetor. 3. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOIS, A. W. V. et al. Mapeamento do desenvolvimento de vacinas contra Zika em fase de teste clínico com foco nas vacinas gênicas. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON TECHNOLOGICAL INNOVATION, Aracaju, v. 11, n. 1, p. 1689-1698, abr. 2021. Anais [...]. Aracaju, 2021. Disponível em: http://www.api.org.br/conferences/index.php/ISTI2021/ISTI2020/paper/viewFile/1386/752. Acesso em: 20 jul. 2021.

GOIS, A. W. V.; ROCHA, A. M. Potencialização de armadilhas de Aedes aegypti a partir de glicerina bruta residual. In: CONGRESSO VIRTUAL UFBA 2021, TV UFBA, Salvador, 22 fev. 2021. Disponível em: https://youtu.be/kVMwwcz50KM. Acesso em: 10 abr. 2021.

GUIMARÃES, C.; MATHIAS, M. Entrevista: pesquisadora defende a utilização de armadilhas para o controle do Aedes aegypti. Rio de Janeiro: Fiocruz, [s.l.], 19 fev. 2016. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/entrevista-pesquisadora-defende-utilizacao-de-armadilhas-para-o-controle-do-aedes-aegypti. Acesso em: 18 set. 2020.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Patentes. Brasília, DF: Governo Federal, 29 set. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/perguntas-frequentes/patentes. Acesso em: 25 set. 2020.

IOC – INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Aedes aegypti – Introdução aos Aspectos Científicos do Vetor. Anais eletrônicos [...]. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013. Disponível em: http://157.86.113.53/?page_id=310. Acesso em: 25 set. 2020.

IOC – INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Nota Técnica n. 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA. Fiocruz, [s.l.], versão 1, p. 1-16. 22 maio 2014.

KASPRZYKOWSKI, J. I. et al. A recursive sub-typing screening surveillance system detects the appearance of the ZIKV African lineage in Brazil: is there a risk of a new epidemic? International Journal of Infectious Diseases, [s.l.], v. 96, p. 259-581, 1º jul. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ijid.2020.05.090. Acesso em: 20 fev. 2021.

KINCHO. Research & Development. Dainihon Jochugiku Co. Ltd. [entre 2002 e 2020]. Disponível em: https://www.kincho.co.jp/en/corporate/kenkyu/index.html. Acesso em: 10 abr. 2021.

LORENZ, C. et al. O fantástico mundo dos mosquitos. 1. ed. São Paulo: Livronovo, 2018.

LOUISE, C. et al. Microevolution of Aedes aegypti. PLOS ONE, [s.l.], 11 set. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0137851. Acesso em: 10 abr. 2021.

MUSTAFA, M. S. et al. Discovery of fifth serotype of dengue vírus (DENV-5): a new public health dilemma in dengue control. Medical Journal Armed Forces India, [s.l.], v. 7, n. 1, p. 67-70, jan. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.mjafi.2014.09.011. Acesso em: 28 fev. 2021.

NUNES, P. C. G. et al. 30 years of fatal dengue cases in Brazil: a review. BMC Public Health, [s.l.], v. 19, n. 329, p. 1-11, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12889-019-6641-4. Acesso em: 10 abr. 2021.

POZZO, P.; WILSON, L. Dive não recomenda armadilhas caseiras para combater o Aedes aegypti. Florianópolis: Governo de Santa Catarina, 24 fev. 2016. Disponível em: https://www.sc.gov.br/index.php/noticias/temas/saude/dive-nao-recomenda-armadilhas-caseiras-para-combater-o-aedes-aegypti. Acesso em: 26 set. 2020.

SANTOS, M. A. V. de M. Aedes aegypti (Diptera: Culicidae): estudos populacionais e estratégias integradas para controle vetorial em municípios da Região metropolitana do Recife, no período de 2001 a 2007. 2008. 220p. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Recife, 2008.

SANTOS, S. C. dos; ROCHA, A. M. Análise dos domínios biotecnológicos empregados em patentes para combate ao mosquito Aedes aegypti, sob enfoque patentário. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, [s.l.], v. 17, n. 1, p. 20-26, jan.-abr. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9771/cmbio.v17i1.22358. Acesso em: 20 set. 2020.

SOUSA, T. C. M. de. et al. Climate-sensitive diseases in Brazil and the world: systematic review. Revista Panamericana de Salud Publica, [s.l.], v. 42, n. 1, abr. 2018. Disponível em: http://dx-doi.ez10.periodicos.capes.gov.br/10.26633/RPSP.2018.85. Acesso em: 8 abr. 2021.

ZARA, A. L. de S. A. et al. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, DF, v. 25, n. 2, p. 391-404, abr.-jun. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5123/S1679-49742016000200017. Acesso em: 10 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Gois, A. W. V., Rocha, A. M. ., & Lopes, A. N. (2021). Prospecção sobre Armadilhas para Mosquitos Aedes Aegypti e Tecnologias Relacionadas. Cadernos De Prospecção, 14(4), 1343–1359. https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.39299

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos