Um Ano do Retorno ao Sistema de Madri

Autores

  • Vanessa Pereira Oliveira Soares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil http://orcid.org/0000-0001-9416-0790
  • Ricardo Sant’Anna Ramalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
  • Genizia Islabão de Islabão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i3.33119

Palavras-chave:

Marcas Internacionais, Registro Internacional, Protocolo de Madri.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apontar as dificuldades apresentadas pelo Acordo de Madri, as soluções trazidas pelo Protocolo de Madri e a diferença entre ambos, formadores do Sistema de Madri, que rege o registro internacional de marcas. Além disso, pretende-se expor as adequações pelas quais o Instituto Nacional da Propriedade Industrial necessitou passar para a adesão do país ao Protocolo de Madri com relação ao registro de marcas internacionais.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Pereira Oliveira Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Ritter dos Reis - Uniritter (2008); Advogada inscrita na OAB/RS sob nº 76.113 (2009); Pós Graduada em Direito Empresarial pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural - IDC (2011); Sócia da Cesar Peres Assessoria e Consultoria em Propriedade Intelectual (2012); Sócia da Cesar Peres Advocacia Empresarial (2013); Pós Graduada em Direito de Propriedade Intelectual pela Faculdade de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul - FADERGS rede Laureate International Universities (2015); Coordenadora da área de Propriedade Intelectual da Cesar Peres Advocacia Empresarial (2018), Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação - IFRS (2019).

Ricardo Sant’Anna Ramalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Possui graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2009). É Diretor Jurídico do escritório Paulo Afonso Pereira Propriedade Intelectual, e Juiz Leigo no 3º Juizado Especial Cível de Porto Alegre. Diretor da Associação Comercial de Porto Alegre e moderador do Grupo de Estudos em Propriedade Intelectual da ESA/OABRS; ricardo@pap.com.br.

Genizia Islabão de Islabão, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Possui Doutorado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME/2011), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005) e graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003) . Tem experiência como engenheira de automação - Braskem S.A., como laboratorista do Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas-UNED-Sapucaia do Sul/RS e como professora de nível técnico e graduação tecnológica no Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas-UNED-Sapucaia do Sul/RS . Atualmente trabalha como pesquisadora no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) - Rio de Janeiro/RJ. Tem experiência na área de Engenharia Química, com ênfase em Automação Industrial de Processos Petroquímicos e Polímeros, atuando principalmente nos seguintes temas: simulação e modelagem de polimerizações em Phoenics e Ansys, sinterização, UHMWPE, polietileno, processamento de polímeros, reciclagem, qualidade de processos, pesquisa tecnológica, inovação e tecnologia; genizia.islabao@gmail.com.

Referências

ARRABAL, Alejandro Knaesel; COLOMBO, Ana Paula. A marca e sua Registrabilidade no Direito Brasileiro. In: SANTOS, Wagna Piler Carvalho dos (org.). Conceitos e aplicações de propriedade intelectual. Salvador: IFBA, 2018. v.1, p. 147-194.

BARBOSA, Pedro Marcos Nunes. Internalização do Protocolo de Madri e as vicissitudes jurídicas perante o ordenamento nacional. Revista da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual, Rio de Janeiro, n. 156, set.-out. 2018.

BRASIL. Decreto n. 5.685, de 30 de julho de 1929. Approva a Convenção de Paris e os Accordos de Madrid. Rio de Janeiro: Presidência da República. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-5685-30-julho-1929-561787-publicacaooriginal-85514-pl.html. Acesso em: 8 jun. 2019.

BRASIL. Decreto n. 196, de 1 de dezembro de 1934. Promulga a denuncia do accôrdo relativo ao registro internacional das marcas de fabrica ou de commercio, assignado em Madrid, a 14 de abril, de 1891, e revisio, pela última vez, na Haya, a 6 de novembro de 1925. Rio de Janeiro: Presidência da República. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-196-31-dezembro-1934-556740-republicacao-77000-pe.html. Acesso em: 9 jun. 2019.

BRASIL. Decreto n. 10.033, de 1º de outubro de 2019. Promulga o Protocolo referente ao Acordo de Madri sobre o Registro Internacional de Marcas, firmado em Madri, Espanha, em 27 de junho de 1989, o Regulamento Comum do Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas e do Protocolo referente ao Acordo e a formulação das declarações e notificações que especifica. Brasília: Presidência da República, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D10033.htm. Acesso em: 15 mar. 2021.

BRUCH, Kelly Lissandra; COPETTI, Michele. Evolução das indicações geográficas no direito brasileiro. Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, Bento Gonçalves, ano 2, n. 2, p. 15-24, 2010. Disponível em: https://www.enologia.org.br/default/uploads/revista/revista-34.pdf?34093029a768b7fd809a0d3db86e7b74. Acesso em: 9 jun. 2019.

BRUCH, Kelly Lissandra; AREAS, Patrícia de Oliveira; VIEIRA, Adriana Carvalho Pinto.Acordos internacionais relacionados à propriedade intelectual. In: SANTOS, Wagna Piler Carvalho dos (org.). Conceitos e aplicações de propriedade intelectual. Salvador: IFBA, 2019. v. 2, p. 59-208.

COPPETI, Michele. Direito de Marcas: a afinidade como exceção ao princípio da especialidade. 2008. 196p. Dissertação (Mestrado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91938. Acesso em: 11 jun. 2019.

DI BLASI, Gabriel. A propriedade industrial: os sistemas de marcas, patentes, desenhos industriais e transferência de tecnologia. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

FLETCHER, Patricia K. Joint Registration of Trademarks and the Economic Value of a Trademark System. University of Miami Law Review, Miami, v. 36, n. 2, p. 297-335, 1982. Disponível em: https://repository.law.miami.edu/umlr/vol36/iss2/5. Acesso em: 11 jun. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Ato Normativo n. 150, de 9 de setembro de 1999. Dispõe sobre a adoção da Classificação Internacional de Produtos e Serviços e dá outras providências. Rio de Janeiro: INPI, 1999. Disponível em: https://www.wipo.int/edocs/lexdocs/laws/pt/br/br124pt.pdf. Acesso em: 6 jun. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Resolução n. 247, de 9 de setembro de 2019. Dispõe sobre o registro de marca no âmbito do Protocolo de Madri. Rio de Janeiro: INPI, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/backup/centrais-de-conteudo/legislacao/Resoluo2472019.pdf. Acesso em: 6 jun. 2019.

MESQUITA, Paula Andrea Roese. Análise da aplicação do protocolo de Madri para proteção internacional de marcas no Brasil. 2016. 40p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/150953. Acesso em: 14 jun. 2019.

OMPI – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL. O Acordo de Madrid relativo ao registro internacional de marcas e o Protocolo referente a este Acordo: objetivos, principais características, vantagens. 2018. Disponível em: http://www.wipo.int/edocs/pubdocs/pt/marks/418/wipo_pub_418.pdf>. Acesso em: 8 jun. 2019.

OMPI – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL. Madrid: The International Trademark System. 2021. Disponível em: https://www.wipo.int/madrid/en/. Acesso em: 20 mar. 2021.

TEIXEIRA, Cassiano Golos. Proteção Internacional de Marcas. Revista Brasileira de Direito Internacional, Curitiba, v. 4, n. 4, p. 278-294, jul.-dez. 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/rbdi.v4i4.7335. Acesso em: 9 jun. 2019.

WIPO – WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. Madrid Yearly Review 2019: International Registration of Marks. Genebra: WIPO, 2019. Disponível em: https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_940_2019.pdf. Acesso em: 16 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

Pereira Oliveira Soares, V., Sant’Anna Ramalho, R., & Islabão de Islabão, G. (2021). Um Ano do Retorno ao Sistema de Madri. Cadernos De Prospecção, 14(3), 750. https://doi.org/10.9771/cp.v14i3.33119

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento