Indicadores de Inovação no Plano de Desenvolvimento Institucional do IF Goiano

Autores

  • Bruna de Oliveira Santos IF Goiano
  • Paulo Gustavo Barboni Dantas Nascimento UnB

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v13i4.32437

Palavras-chave:

, Indicadores de Inovação. Planejamento Estratégico. Propriedade Intelectual.

Resumo

Este artigo tem como objetivo criar indicadores de inovação no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) que atenda ao propósito de estruturar e dar competências suficientes para sensibilizar, disseminar e implementar uma cultura inovadora no IF Goiano, aprimorando a proteção do capital intangível e a transferência de tecnologia. A pesquisa foi norteada pelos fundamentos do método da pesquisa-ação, pesquisa documental e uso da ferramenta de benchmarking para identificar estratégias utilizadas por outras instituições e técnicas de bibliometria para elaborar indicadores personalizados. O IF Goiano tem potencial inovador, o aproveitamento desse potencial, aliado a ações de gestão da inovação, como inserção de indicadores de inovação no PDI, uso de roadmap para definir linhas de pesquisa, formulação de editais com critérios de produtividade tecnológica e inovadora, e a atividades similares, tende a fortalecer a cultura de inovação para que a instituição atinja maior maturidade de inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Strategic Management and Competitive Advantage: Concepts and Cases. Pearson: Harlow, 2006.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Indicadores de programas: Guia Metodológico. Brasília: MP, 2010.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016.

BRASIL. Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-SIC). [2018]. Disponível em: https://esic.cgu.gov.br/sistema/Pedido/DetalhePedido.aspx?id=35U7+Ly1URk=. Acesso em 20 dez. 2018.

BRASIL. Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-SIC). [2019]. Disponível em: https://esic.cgu.gov.br/sistema/Pedido/DetalhePedido.aspx?id=Pr25xDd9uog=>. Acesso em 25 fev. 2019.

CAMILLO, E. V. et al. Indicadores de Resultado Aplicados à Indústria: um exercício a partir dos Dados do Índice Brasil de Inovação. In: XII SEMINARIO LATINO - IBEROAMERICANO DE GESTIÓN TECNOLÓGICA, ALTEC, 26-28 setembro de 2007. Anais [...], setembro de 2007.

CARAYANNIS, E. G.; CAMPBELL, D. F. J. Triple Helix, Quadruple Helix and Quintuple Helix and How do Knowledge, Innovation and the Environment Relate to Each Other? A Proposed Framework for a Trans-disciplinary Analysis of Sustainable Development and Social Ecology. International Journal of Social Ecology and Sustainable Development, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 41-69, 2010.

CGEE – CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Indicadores de resultado da inovação. Brasília: CGEE, 2015.

CORNELL UNIVERSITY; INSEAD; WIPO. The Global Innovation Index 2018: Energizing the World with Innovation. Ithac, Fontainebleau and Geneva, 2018.

DRUCKER, P. F. Fator humano e desempenho: o melhor de Peter Drucker sobre administração. São Paulo: Pioneira, 1981.

EMBRAPII – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL. Manual de Operação das Unidades EMBRAPII. Brasília: EMBRAPII, 2017.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The Triple Helix as a model for innovation studies. Science and Public Policy, v. 25, n. 3, p. 195-203, 1998.

FRANCISCHINI, A. S. N.; FRANCISCHINI, P. G. Indicadores de Desempenho: dos objetivos à ação – métodos para elabora KPIs e obter resultados. Rio de Janeiro: Alta Books, 2018.

FREEMAN, C.; SOETE, L. Developing science, technology and innovation indicators: What we can learn from the past. Research Policy, [S.l.], v. 38, n. 4, p. 583-589, 2009.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Organizadores: Lenita Maria Turchi, José Mauro de Morais. Brasília: IPEA, 2017.

IFCE – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2018. Pró-Reitoria de Administração e Planejamento. 2014. Disponível em: <https://ifce.edu.br/camocim/eventos/arquivos/pdi-instituto-federal-do-ceara.pdf/view>. Acesso em: 15 maio 2018.

IFES – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2018. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional. 2014. Disponível em: <https://www.ifes.edu.br/images/stories/files/documentos_institucionais/pdi_2-08-16.pdf>. Acesso em: 29 maio 2018.

IF GOIANO – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2018. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional. 2014. Disponível em: <https://www.ifgoiano.edu.br/home/images/RV/Direcao-Geral/PDI_IFGoiano-2014-2018_12-05-2015.pdf>. Acesso em: 1º mar. 2018.

IF GOIANO – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. Plano de Desenvolvimento Institucional 2019-2023. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional. 2019. Disponível em: <https://www.ifgoiano.edu.br/home/index.php/pdi-2019-2023.html>. Acesso em: 10 abr. 2018.

IFMG – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2018. Pró-Reitoria de Administração e Planejamento. 2014. Disponível em: <https://www.ifmg.edu.br/portal/downloads/resolucao-019-2014-anexo-pdi-2014-2018_versao-final_revisado_02_07_2014.pdf>. Acesso em: 15 maio 2018.

IFPB – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Interiorização 2014. Disponível em: <https://www.ifpb.edu.br/praf/assuntos/documentos-praf/area6/plano-de-desenvolvimento-institucional-pdi-2015-2019.pdf>. Acesso em: 17 maio 2018.

IFSC – INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional. 2017. Disponível em: <http://pdi.ifsc.edu.br/files/2017/04/Plano-de-Desenvolvimento-Institucional-PDI-2015-2019_REVISADO.compressed.pdf>. Acesso em: 16 maio 2018.

OCDE – ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Frascati Manual: Proposed Standard Practice for Surveys on Research and Experimental Development. Paris, 2002.

OCDE – ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Manual de Oslo. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. Rio de Janeiro: Finep, 2006.

PIRES, E. A. Mapeamento das estratégias para intensificar a proteção da propriedade intelectual e a transferência de tecnologia: um estudo de caso da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. 2014. 131 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

ROSINI, A. M.; PALMISANO, Â. Administração de sistema de informação e a gestão do conhecimento. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

SCHUMPETER, J. A. The theory of economic development. Cambridge: Harvard University Press, 1934.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SILVA, F. G.; HARTMAN, A.; REIS, D. R. Avaliação do nível de inovação tecnológica nas organizações: desenvolvimento e teste de uma metodologia. Revista Produção Online, [S.l.], v. 8, n. 4, 2008. Disponível em: <http://producaoonline.org.br/index.php/rpo/article/viewFile/139/221>. Acesso em: 10 jul. 2018.

SPERONI, R. M. et al. Estado da arte da produção científica sobre indicadores e índices de Inovação. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 4 p. 49-75, out.-dez. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rai/article/view/101360>. Acesso em: 13 ago. 2018.

STAL, E.; CAMPANÁRIO, M. A. Empresas multinacionais de países emergentes: o crescimento das multilatinas. Economia Global e Gestão, [S.l.], v. 15, n. 1, p. 55-73, 2010.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TOIVONEN, M.; TUOMINEN, T. Emergence of innovations in services. Service Industries Journal, [S.l.], v. 29, n. 7, p. 887-902, 2009.

VAN DE VEN, A. H. et al. The innovation journey. New York: Oxford University Press, 1999.

VELHO, L. M. S. Estratégias para um sistema de indicadores em C&T no Brasil. Parcerias Estratégicas, [S.l.], n. 13, 2001.

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

Santos, B. de O., & Nascimento, P. G. B. D. (2020). Indicadores de Inovação no Plano de Desenvolvimento Institucional do IF Goiano. Cadernos De Prospecção, 13(4), 938. https://doi.org/10.9771/cp.v13i4.32437

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento