Análise do Potencial de Indicação Geográfica: o caso do Polo Moveleiro de Marco (CE)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.30671

Palavras-chave:

Indicação Geográfica, Indústria Moveleira, Propriedade Intelectual

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar o potencial do Polo Moveleiro de Marco (CE) para registro por indicação de procedência com base na norma brasileira (NBR 16536) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) publicada em 2016. A metodologia da pesquisa pautou-se em uma revisão bibliográfica e levantamento de dados junto ao banco de marcas e indicações geográficas brasileiro. Os resultados evidenciaram as características e o potencial do Polo Moveleiro de Marco em função da reputação e notoriedade, delimitação geográfica, signo, alianças, parcerias, análise do produto e cadeia produtiva e estrutura de gestão. Com base nos fatores analisados, percebeu-se que o polo moveleiro possui potencial para obter o registro de Indicação Geográfica (IG), mas ainda é necessário disseminar a cultura de propriedade intelectual entre os empreendedores da região. Sugerem-se recomendações para pesquisas futuras e os atores envolvidos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Nannini da Silva Florêncio, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil

Doutorando em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), e bacharel em Administração pela Universidade Estadual do Vale do Acaraú (UVA).

Maraiza Santana dos Santos, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil

Doutoranda em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Francisco Sandro Rodrigues Holanda, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Propriedade Intelectual (PPGPI/UFS) Nível Mestrado e Doutorado.

Antonio Martins de Oliveira Junior, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Propriedade Intelectual (PPGPI/UFS) Nível Mestrado e Doutorado.

Referências

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16536: Indicação Geográfica – Orientação para estruturação de Indicação Geográfica para produto. Rio de Janeiro: ABNT, 2016. p. 17.

ALVARENGA, R. A. M. et al. Arranjo Produtivo Local e Desenvolvimento Sustentável: uma Relação Sinérgica no Município de Marco (CE). Revista de Administração Mackenzie, [s.l.], v. 14, n. 5, p. 15-43, set.-out. 2013.

AMMA – ASSOCIAÇÃO DOS MOVELEIROS DE MARCO. Plano de Desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local de Móveis do Marco – Ceará. [S.l.]: Núcleo Estadual de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais, 2008.

AVENI, A. et al. O Potencial de Indicação Geográfica do Mel da Ride. Cadernos de Prospecção, [s.l.], v. 11, n. 5, Edição Especial, VIII ProspeCT&I, p. 1.792-1.804, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v11i5.27064.

BACELAR, A. C. B. et al. Análise do potencial de indicação geográfica para o café do planalto de Vitória da Conquista/BA. Revista INGI – Indicação Geográfica e Inovação, [s.l.], v. 4, n. 3, p. 875-888, 2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior. Instituto Nacional da Propriedade Intelectual – MIDIC/INPI. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996 – Lei da Propriedade Industrial. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Mapa Interativo - Signos Distintivos Registrados e Produtos Potenciais. 2019. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica/mapa-interativo. Acessado em: 16 dez. 2018.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Relação Anual de Informações Sociais. 2015. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/portal-mte/. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.279, 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade Industrial. [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm. Acesso em: 27 dez. 2018.

CAMPOS, L. H. Polo moveleiro de Marco é reconhecido como um dos maiores do Norte e Nordeste. 2010. Disponível em: https://www.logicainfo.com.br/noticias/111/polo-moveleiro-de-marco-e-reconhecido-como-um-dos-maiores-do-norte-e-nordeste./. Acesso em: 16 dez. 2018.

CARVALHO, R. S.; RIBEIRO, M. J. B.; SANTOS, M. J. C. Potencialidade para concessão da indicação geográfica do bordado boa-noite na ilha do Ferro/AL. Revista GEITEC – Gestão, Inovação e Tecnologias, [s.l.], v. 8, n. 1, p. 4.283-4.291, 2018. D.O.I.: 10.7198/geintec.v8i1.1261

DIÁRIO DO NORDESTE. SDE destaca potencial do Polo Moveleiro de Marco. Fortaleza, 24 nov. 2017. Disponível em: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/sde-destaca-potencial-do-polo-moveleiro-de-marco-1.1855521. Acesso em: 16 dez. 2018.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Madeira para móveis no semiárido. 2014. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2218356/madeira-para-moveis-no-semiarido. Acesso em: 19 dez. 2018.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Teste e seleção de espécies arbóreas para a Indústria do Polo Moveleiro de Marco, CE. 2017. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/171350/1/FFC17004.pdf. Acesso em: 19 dez. 2018.

FERRAZ, S. F. S.; GOBB, R. L.; LIMA, T. C. B. Teoria do Capital Social: Um Estudo no Cluster Moveleiro de Marco (CE). Contextus, [s.l.], v. 9, n. 2, p. 79-85, jul.-dez. 2011.

GOBB, R. L. Arranjos Produtivos Locais na Perspectiva da Teoria do Capital Social: Um Estudo no APL Moveleiro de Marco/CE. 2008. 180f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008.

IPECE – INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Anuário estatístico do Ceará. 2015. Disponível em: http://www.ipece. CE.gov.br/publicações/anuário/anuário2015/. Acesso em: 26 ago. 2018.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 25, 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o registro das indicações geográficas. 2013. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/legislacao-1/in_25_21_de_agosto_de_2013.pdf. Acesso em: 27 jan. 2019.

KAKUTA, S. M. et al. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2006.

LIMA, F. M. C. Móveis de Marco: Um sonho que ultrapassou fronteiras. In: SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PREQUENAS EMPRESAS. Histórias de Sucesso. Fortaleza: Sebrae, 2007.

LINHARES, F. J. M. Capacidade Absortiva e Capacidade de Inovação: o caso do Arranjo Produtivo Local de Móveis no Interior do Ceará. 2017. 112 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2017.

MAIORKI, G. J.; DALLABRIDA, V. R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/151870122015101

MARQUES, B. N. et al. Artefatos de Couro de Ipirá: potencial de Indicação Geográfica no território da Bacia do Jacuípe – Bahia. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 12, n. 5, Edição Especial, IX ProspeCT&I, p. 1.598-1.611, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cp.v12i5%20Especial.31018

MEDEIROS, M. L.; PASSADOR, J. L. Indicações geográficas e turismo: possibilidades no contexto brasileiro. Revista Perspectivas Contemporâneas, [s.l.], v. 10, n. 3, p. 56-79, set.-dez. 2015.

NIEDERLE, P. A. Desenvolvimento, instituições e mercados alimentares: os usos das indicações geográficas. Desenvolvimento Regional em Debate, [s.l.], v. 4, p. 21-43, 2014.

NOGUEIRA FILHO, F. P. et al. Viabilidade econômica da produção de eucalipto no polo moveleiro de Marco – Ceará. Revista Pecege, [s.l.], v. 3, n. 4, p. 22-34, 2017.

PELLIN, V. P. Indicações Geográficas e desenvolvimento regional no Brasil: a atuação dos principais atores e suas metodologias de trabalho. Interações (Campo Grande), [s.l.], v. 20, n. 1, p. 63-78, 2019. DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v20i1.1792.

PIMENTEL, L. O. Os desafios dos aspectos legais na prática de estruturação das Indicações Geográficas. In: DALLABRIDA, V. R. (org.). Território, identidade territorial e desenvolvimento regional: reflexões sobre Indicação Geográfica e novas possibilidades de desenvolvimento com base em ativos com especificidade territorial. São Paulo: LiberArs, 2013. p. 135-143.

PIRES, P. B. S.; SANTOS, V. M. L. Potencial de indicação geográfica do acarajé baiano. Revista INGI – Indicação Geográfica e Inovação, [s.l.], v. 3, n. 3, p. 432-435, 2019.

REZENDE, A. A.; SILVA, M. S.; DANIEL, L. P. Indicação Geográfica: uma via para o crescimento econômico para Nazaré das Farinhas e Maragogipinho, Bahia. Revista Paranaense de Desenvolvimento, [s.l.], v. 38, n. 132, p. 55-76, 2017.

SAMPAIO, G. et al. Farinha de mandioca de Buerarema, Bahia: potencialidades para registro como indicação geográfica. Revista INGI – Indicação Geográfica e Inovação, [s.l.], v. 4, n. 3, p. 889-902, 2020.

SCIPIÃO, T. T. Política Industrial para Promoção de Arranjos Produtivos Locais: Um Estudo de Caso em Marco – Ceará. 2004. 116f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade do Estado do Ceará, Fortaleza, 2004.

SNA – SOCIEDADE NACIONAL DA AGRICULTURA. A Lavoura, [s.l.], v. 117, n. 705, 2014.

SOUZA, J. M. L. et al. Potencial de IG da farinha de mandioca de Cruzeiro do Sul. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 1, p. 182-191, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/s.cprosp.2015.001.020

TAHIM, E. F.; ARAÚJO JÚNIOR, I. F. Mecanismos de aprendizagem, cooperação e inovação em aglomerações produtivas: o caso da indústria de móveis de Marco. Ensaios FEE, [s.l.], v. 36, n. 2, p. 541-568, 2015.

VALENTE, M. E. R. et al. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, [s.l.], v. 43, n. 7, p. 1.330-1.336, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782013005000076

VIEIRA, A. C. P. et al. A Indicação Geográfica como instrumento para o desenvolvimento de uma região: caso Indicação de Procedência do “Vales da Uva Goethe” - SC. Revista de Propriedade Intelectual – Direito Contemporâneo e Constituição PIDCC, [s.l.], v. 3, n. 5, p. 407-425, 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

da Silva Florêncio, M. N., Santana dos Santos, M., Rodrigues Holanda, F. S., & de Oliveira Junior, A. M. (2021). Análise do Potencial de Indicação Geográfica: o caso do Polo Moveleiro de Marco (CE). Cadernos De Prospecção, 14(2), 664. https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.30671

Edição

Seção

Indicações Geográficas