Práticas de Transferência de Tecnologia: uma análise multicasos

Autores

  • Renata Farias Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil http://orcid.org/0000-0001-8328-4923
  • Mariana Chaves Antenor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8892-2389
  • Juliana Santos Andrade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil http://orcid.org/0000-0003-4697-4452
  • Martônio Mendes Leitão Barros Filho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8866-157X
  • André Luiz Carneiro de Araújo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i5.27316

Palavras-chave:

Núcleos de Inovação Tecnologia, Transferência de Tecnologia, Gestão da Inovação.

Resumo

As Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTs) são importantes entes para o desenvolvimento da economia devido à sua capacidade de geração de conhecimentos e tecnologias. O objetivo deste estudo foi analisar três instituições com experiências em gestão de transferência de tecnologia, são elas: a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); a Universidade Estadual de São Paulo (USP); e a Universidade de Brasília (UnB). Assim, foi realizado um levantamento bibliográfico na base de dados do Portal de Periódicos da CAPES e Google Scholar.  Apesar dessas universidades já atuarem no âmbito da Transferência de Tecnologia há mais de dez anos, elas ainda enfrentam dificuldades no que se refere à seleção das criações com potencial de comercialização que serão protegidas e, também, à falta de metodologias de valoração das tecnologias. Entretanto, mesmo diante dessas dificuldades, percebe-se um amadurecimento das ações realizadas pelas Agências e Núcleos de Inovação Tecnologia (NITs), que vêm trabalhando para atender o aumento da demanda de proteções e transferências e se adequarem ao novo marco regulatório de inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGELI, R.; DIAS, S.; FILGUEIRAS, R. Difusão da propriedade intelectual na Universidade Federal do Rio de Janeiro: disciplina de propriedade industrial e inovação em biotecnologia. Revista GEINTEC, São Cristóvão, SE, v. 3, n. 5, p. 261–272, 2013. Disponível em: <http://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/304/354>. Acesso em: 6 jun. 2018.

BARRAL, W.; PIMENTEL, L. O. Direito de propriedade intelectual e desenvolvimento. In: ______. Propriedade intelectual e desenvolvimento. Florianópolis: Boiteux, 2007.

BEKKERS, R.; FREITAS, I. M. B. Analysing knowledge transfer channels between universities and industry: To what degree do sectors also matter? Research Policy, v. 37, p. 1837–1853, 2008.

BRASIL. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm#art2>. Acesso em: 6 jun. 2018.

BURGELMAN, R. A. Gestão estratégica da tecnologia e da inovação: conceitos e soluções. 5. ed. Porto Alegre: AMGH, 2012.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Gestão de Transferência de Tecnologia na Inova Unicamp. RAC, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, art. 1, p. 263–284, maio/jun. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rac/v17n3/a02v17n3.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2018.

DIAS, Alexandre Aparecido; PORTO, Geciane Silva. Como a USP transfere tecnologia? Revista O&S, Salvador, v. 21, n. 70, p. 489–508, jul. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/osoc/v21n70/a08v21n70.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2018.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK (EEN). Transferência de tecnologia. Portugal, 2015. Disponível em:

<https://www.een-portugal.pt/info/investigacao/Paginas/transftec.aspx>. Acesso em: 5 jan. 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

GODOI, C. K.; MELO, R. B. de; DA SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em Estudos Organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Contratos de Transferência de Tecnologia: mais informações. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/transferencia/transferencia-de-tecnologia-mais-informacoes>. Acesso em: 5 jan. 2018.

LEVIN, R. et al. Appropriating the returns from industrial research and development. Brookings Papers on Economic Activity, n. 3, Special Issue On Microeconomics, p. 783–831, 1987. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2018.

LEY, L. L. G. Direito de inventor: a licença compulsória em análise. In: AVANCINI, H. B.; BARCELLOS, M. L. L. Perspectivas atuais do Direito de Propriedade Intelectual. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

MATOS, L. B. de S. Conceitos fundamentais concernentes à Propriedade Intelectual. In: TAVARES, L. E. dos S. (Org.). Prospecção, proteção & transferência de tecnologia: um manual de propriedade intelectual. Fortaleza: REDENIT-CE, 2011.

NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE DE LAVRAS (NINTEC/UFLA). Transferência de tecnologia. Lavras/MG, 2017. Disponível em: <http://www.nintec.ufla.br/transferencia-de-tecnologia/>. Acesso em: 5 jan. 2018.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO (OCDE). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Tradução Flávia Gouveia da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). 2006. Disponível em: <http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf>. Acesso em: 26 maio 2018.

PÓVOA, L. M. C. Patentes de universidades e institutos públicos de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil. 2008. 153 f. Tese (Doutorado em Economia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional. Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/AMSA-7FBNZ5>. Acesso em: 20 ago. 2017.

RAPINI, M. S. Interação universidade-empresa no Brasil: evidências do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 211–233, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612007000100008>. Acesso em: 2 fev. 2018.

ROSENBERG, N. Schumpeter and the endogeneity of technology: some American perspectives. Londres: Routledge Library Binding, 2000.

Downloads

Publicado

2018-12-10

Como Citar

Fernandes, R. F., Antenor, M. C., Andrade, J. S., Barros Filho, M. M. L., & Araújo, A. L. C. de. (2018). Práticas de Transferência de Tecnologia: uma análise multicasos. Cadernos De Prospecção, 11(5), 1342. https://doi.org/10.9771/cp.v12i5.27316

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento