Tecnologias para a Produção de Biofertilizantes: tendências e oportunidades

Autores

  • Eduardo Cardoso Garrido SEBRAE/BA; UFBA; SENAI CIMATEC, Salvador, BA, Brasil.
  • Angela Machado Rocha Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.
  • Douglas Alves Santos Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, Salvador, BA, Brasil.
  • Jose Miguel Vicente Gomila Universitat Politècnica de València, Espanha

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i3.27298

Palavras-chave:

Patentes, Biofertilizantes, Vantage Point.

Resumo

Biofertilizante é aquele fertilizante que dispõe de microrganismos vivos, dentre elas bactérias e fungos, que contribuem para a fertilidade do solo. O objetivo do artigo é o de analisar os dados históricos de patentes de modo a determinar quais as principais instituições mundiais que investem em pesquisa e desenvolvimento tecnológico relacionados aos biofertilizantes. A Metodologia desenvolve o tratamento e análise dos resultados de patentes relacionadas à biofertilizantes por meio do Vantage Point, software de mineração de textos que se utiliza de um dicionário de palavras afins para agrupar autores, instituições e termos. Japão, Europa, Estados Unidos, Coréia, Índia e Brasil encontram-se entre os países com proeminência no âmbito de publicações de patentes. Dentre os dados levantados, destacam-se nos resultados as seguintes instituições japonesas: Hitachi Ltd; Sanyo Electric Co Ltd; Mitsubishi Electric Corp. Do total de titulares de patentes, 95,53% respondem por Empresas Privadas e 3,17% por Institutos de Pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Cardoso Garrido, SEBRAE/BA; UFBA; SENAI CIMATEC, Salvador, BA, Brasil.

Eduardo Cardoso Garrido é Analista Técnico II da Unidade de Gestão do Portfólio (antiga Unidade de Acesso a Inovação e Tecnologia) do SEBRAE/BA desde Julho/2014, com atuação nas áreas de Indicações Geográficas, Startups, Programa Agentes Locais de Inovação e SEBRAETEC. Possui Mestrado Stricto Sensu em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pela Universidade Federal da Bahia (Defesa realizada em 07/03/2018). É Mestrando Stricto Sensu em Gestão da Inovação e Desenvolvimento Industrial pela Faculdade SENAI CIMATEC (Defesa prevista para 2018.2). É Especialista em Gestão Ambiental com Tecnologias Limpas pela Faculdade Área 1/ DeVry Brasil (em nível de Pós-Graduação). É Engenheiro de Segurança do Trabalho pela Universidade Estácio de Sá (em nível de Pós-Graduação). É Engenheiro Sanitarista graduado pela Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia. É Engenheiro Ambiental graduado pela Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia. É Graduando em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (Previsão para Colação 2019.2).

Angela Machado Rocha, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Possui graduação em Engenharia Química (UFBA), Especialização em Engenharia de Processamento Petroquímico (UFBA), MBA em Marketing (FGV) e Doutorado em Energia e Ambiente (UFBA). Chefe do Núcleo de Propriedade Intelectual (NIT-UFBA) , é professora do Instituto de Ciências da Saúde (ICS-UFBA) , do ProfNIT-Mestrado Profissional em Rede Nacional em PI&T do Ponto Focal UFBA e Professora Colaboradora do Programa de Pós-graduação em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas- PIOS (UFBA). Lidera o Grupo de Pesquisa IES -Inovação e Empreendedorismo Sustentável, sendo também coordenadora da Disciplina Empreendedorismo em Setoores Tecnológicos, do Ponto Focal UFBA do ProfNIT. Participante também dos grupos NEPPE-Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos em Energia e do Centro de Pesquisa em Epidemiologia, Asma e Alergia.É Professora Orientadora da Eleva Empresa Júnior de Biotecnologia.Tem experiência nos seguintes temas:inovação, propriedade intelectual,prospecção tecnológica, transferência de tecnologia, empreendedorismo tecnológico, incubadora de empresas,open innovation, interação universidade-empresa, bioenergia, sustentabilidade, biotecnologia, poluição do ar e indicação geográfica.

Douglas Alves Santos, Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, Salvador, BA, Brasil.

Sendo egresso em 1994, do curso de Química Industrial da antiga Escola Técnica Federal de Pernambuco (hoje: IFPE), o pesquisador foi servidor público estadual no Instituto Tecnológico de Pernambuco (ITEP) durante o período de 1998-2000, onde trabalhou como químico industrial em nível técnico em vários laboratórios, tais como: (a) análise toxicológica; (b) análise de cerâmicas; e, (c) análise água e efluentes. Ingressou na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em 1995, no curso de Engenharia Quimica, realizando iniciação científica na UFPE em produção de xantinas (precursoras de broncodilatadores) de 1996 a 1997 nos laboratórios do Departamento de Química Fundamental. Em 1999, graduou-se engenheiro químico pela UFPE e, em 2002, obteve o título de mestre em Engenharia de Processamento Químico de Petróleo e Gás Natural pela mesma UFPE, como ex-aluno bolsista do Programa de Recursos Humanos da Agência Nacional do Petróleo (PRH-ANP). De 2002 a 2003 foi pesquisador CNPq em nível de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DTI). Entre os anos de 2004 a 2006, foi professor substituto no Departamento de Engenharia Química da UFPE. Em 2006, o pesquisador foi aprovado em Concurso Público Federal no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), onde hoje atua como Pesquisador em Propriedade Industrial e Professor convidado do Doutorado da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do INPI. Na sede do INPI, desde 2006, o pesquisador divide-se entre o trabalho de examinador de patentes e disseminador da cultura patentária em ICTs brasileiras. Ainda pelo INPI, durante 05 anos - de 2011 a 2016 -desenvolveu a função gerencial na gestão do Programa Piloto de Patentes Verdes do INPI-BR. Em 2009 iniciou um doutorado no Programa de Pós-Graduação em Tecnologias de Processos Químicos e Bioquímicos da Escola de Química (EQ) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o qual foi concluído em 2014. No mesmo período (2009-2014), exerceu atividades de colaborador eventual nas disciplinas da Professora Emérita Dra. Adelaide Antunes, bem como da Professora Dra. Suzana Borschiver. Em seu portfólio de expertises se destacam as experiências na área de pesquisa acadêmica e divulgação científica, com ênfase na interface com a Propriedade Intelectual/Industrial, atuando em linhas de pesquisas relacionadas às patentes, inovação e informação tecnológica, também em linhas relacionadas às tecnologias verdes, tais como: gaseificação, combustão, pirólise, geração de energia eólica e solar; além da tecnologia de leito fluidizado, via modelagem, simulação e otimização por redes neuronais (neurais). Mais recentemente, o pesquisador tem incorporado ao escopo de suas pesquisas, a tecnologia e os processos de produção cervejeira.

Jose Miguel Vicente Gomila, Universitat Politècnica de València, Espanha

Specialties: Innovation, Conceptual Innovation, TRIZ, Technology Intelligence, patents, R&D portfoliomanagement, R&D project management, Techmining, GoldFire Innovator, Ideal Matrix SW, TriSolver,Function Oriented Trends

Referências

ASN – Agência Sebrae de Notícias. Biotecnologia exige análise laboratorial dos resíduos, antes de transformá-los em adubo orgânico. ASN: Minas Gerais, 2012. Disponível em: <http://www.mg.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/MG/biotecnologia-exige-analise-laboratorial-dos-residuos-antes-de-transforma-los-em-adubo-organico,0ceb0101df816410VgnVCM1000003b74010aRCRD>. Acesso em: 03 dez. 2017.

BARMAN, Manashi; PAUL, Srijita; CHOUDHURY, Aditi Guha; ROY, Pinaki; SEN, Jahnavi. Biofertilizer as Prospective Input for Sustainable Agriculture in India. International Journal of Current Microbiology and Applied Sciences, v. 6, n. 11, p. 1.177-1.186, 2017. Disponível em: <https://www.ijcmas.com/6-11-2017/Manashi%20Barman,%20et%20al.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2018.

BASF. Conversion of BASF Aktiengesellschaft into a European Company (Societas Europaea, SE) with the company name BASF SE. 2007, 141 p. Disponível em: <https://www.basf.com/documents/corp/en/about-us/publications/reports/2007/Conversion_BASF_AG_to_SE.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2018.

BUSINESS WIRE. Global Biofertilizer Market 2016-2020 – Main Growth Driver is Affordable Cost of Bio Fertilizers – Research and Markets. Disponível em: <https://www.businesswire.com/news/home/20160426005882/en/Global-Biofertilizer-Market-2016-2020---Main-Growth>. Acesso em: 13 jan. 2018.

DA COSTA, Leticia Magalhães; E SILVA, Martim Francisco de Oliveira. A indústria química e o setor de fertilizantes. BNDES 60 Anos – Perspectivas Setoriais. Rio de Janeiro: BNDES, 2012.Disponível em: <https://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/livro60anos_perspectivas_setoriais/Setorial60anos_VOL2Quimica.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2017.

FAPES. Fapes apoia projeto que busca o reaproveitamento em resíduo industrial. 2015. Disponível: <https://fapes.es.gov.br/fapes-apoia-projeto-que-busca-o-reaproveitame>. Acesso em: 15 jan. 2017.

GLOBAL MARKET INSIGHTS. Biofertilizers market size to reach $1.66 billion by 2022: Global Market Insights, Inc. Disponível em: <https://www.gminsights.com/>. Acesso em: 13 jan. 2018.

HERHOF GMBH. Composting System. Disponível em: <http://www.herhof.com/en/products/composting-system.html>. Acesso em: 13 jan. 2018.

HITACHI. HITACHI – Inspire the next. Disponível em: <http://www.hitachi.com/>. Acesso em: 14 jan. 2018.

IAEA. Biofertilizer Technology in Pakistan. Lab to Field: A success story of Biofertilizer Technology for crop nutrients in Pakistan. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2018.

INPI. Inventando o futuro: uma introdução às patentes para as pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro: INPI, 2013.

_______. Classificação de Patentes. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/patente/classificacao-de-patentes>. Acesso em: 13 jan. 2018.

NETTO, A. G.; DIAS, J. M. C. S. Política energética para a agricultura. In: Simpósio sobre energia na agricultura, tecnologias poupadoras de insumos, integração de sistemas energéticos e produção de alimentos, 1., 1984, Jaboticabal. FCAV/UNESP, 1984. p. 3-22.

NGUMAH, Chima; OGBULIE, Jude; ORJI, Justina; AMADI, Ekpewerechi. Potential of Organic Waste for Biogas and Biofertilizer Production in Nigeria. Environmental Research, Engineering and Management, n. 1(63), p.. 60-66, 2013. Disponível em: <http://erem.ktu.lt/index.php/erem/article/viewFile/2912/2415>. Acesso em: 13 jan. 2018.

O PROGRESSO. Empretec faz empresário investir em negócio sustentável no Estado. O Progresso: Dourados, 2013. 3 p. Disponível em: <http://www.progresso.com.br/caderno-a/meio-ambiente/empretec-faz-empresario-investir-em-negocio-sustentavel>. Acesso em: 04 dez. 2017.

SEBRAE. Casos de Sucesso: Organoeste Campo Grande. Disponível em: <http://sustentabilidade.sebrae.com.br/sites/Sustentabilidade/Para%E2%80%93sua%E2%80%93Empresa/Casos%E2%80%93de%E2%80%93sucesso/Organoeste-Campo-Grande>. Acesso em: 02 dez. 2017.

TUDEIA, Tacisio Nunes. Lodo de curtume como alternativa na produção de mudas do porto-enxerto limoeiro “Cravo”. 2016. 66 p. Disponível em: < http://uenf.br/posgraduacao/producao-vegetal/wp-content/uploads/sites/10/2016/06/DISSERTA%C3%87%C3%83O.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2018.

WIPO. C – Chemistry; Metallurgy. Disponível em: <http://www.wipo.int/classifications/ipc//en/ITsupport/Version20170101/transformations/ipc/20170101/en/htm/C05F.htm>. Acesso em: 15 abr. 2017.

Downloads

Publicado

2019-09-13

Como Citar

Garrido, E. C., Rocha, A. M., Santos, D. A., & Gomila, J. M. V. (2019). Tecnologias para a Produção de Biofertilizantes: tendências e oportunidades. Cadernos De Prospecção, 12(3), 665. https://doi.org/10.9771/cp.v12i3.27298

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos