Transferência de Tecnologia como Estratégia de Transição das Pesquisas Universitárias para o Mercado - Indústria Cimenteira

Autores

  • Alysson Ferreira da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.
  • Lenise Souza Cardoso de Andrade Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.
  • Sthefania Fernandes Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.
  • Carlos Alexandre Camargo de Abreu Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27294

Palavras-chave:

Hélice Tríplice, Transferência de Tecnologia, Indústria cimenteira.

Resumo

A regulamentação do Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação, através do Decreto nº 9.283/2018, incentiva a inovação e o desenvolvimento visando a um ambiente mais favorável à pesquisa. Frente a esse quadro, o presente artigo propõe a Transferência de Tecnologia como estratégia de transição das pesquisas universitárias para o mercado. Particularmente, a investigação é centrada nas pesquisas que estão na área da indústria cimenteira. A análise baseia-se em pesquisa exploratória qualitativa, fundamentada pelo caso de sucesso da universidade de Harvard. Procedendo do conceito “Hélice Tríplice”, debate-se o efeito de leis de incentivo à inovação na relação público-privada. O estudo dos dados destaca que políticas públicas relacionadas à inovação aproximam a parceria público-privada, o que resulta no aumento dos indicadores de Transferências de Tecnologia e possivelmente a elege como estratégia de transição adequada.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, A. R. UFMG vai sediar centro de P&D em nanotubos de carbono financiado por parceria público-privada. 2013. Disponível em: <https://www.ufmg.br/online/ndc/noticias/ufmg-vai-sediar-centro-de-pd-em-nanotubos-de-carbono-financiado-por-parceria-publico-privada/>. Acesso em: 02 jul. 2018.

ARQUINO, Y. Governo regulamenta Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação. 2018. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2018-02/governo-regulamenta-marco-legal-da-ciencia-tecnologia-e-inovacao>. Acesso em: 03 jul. 2018.

ASLAN, J. F. Segurança: Aspectos de Segurança na Cimentação de Poços de Petróleo. 2015. Disponível em: <https://www.petroleoenergia.com.br/6041/>. Acesso em: 31 maio 2018.

BASTOS, P. O. B. Análise da influência de aditivos químicos superplastificantes no comportamento de pastas de Cimento Portland com e sem adição de filer calcário. S. 1.: Artigo, 2016. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/159631/001019348.pdf?sequence=1> Acesso em: 29 maio 2018.

BASTOS, R. M. P. Nanotecnologia: uma revolução no desenvolvimento de novos produtos. S.1.: Artigo, 2006. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ep/files/2014/07/2006_1_Ricardo.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2018.

BATTAGIN, A. F. Uma breve história do cimento Portland. 2009. Disponível em: <http://www.abcp.org.br/cms/basico-sobre-cimento/historia/uma-breve-historia-do-cimento-portland/>. Acesso em: 29 maio 2018.

BENEDETTI, M. H.; TORKOMIAN, A. L. V. Cooperação Universidade-Empresa: uma relação direcionada à Inovação Aberta. In: Anais do XXXIII ENCONTRO DA ANPAD, 2009, São Paulo. p. 1-16. Disponível em: <http://www.anpad.org.br/admin/pdf/GCT1775.pdf>. Acesso em: 03 set. 2018.

BORBA, G. M. Empreendedorismo por meio de startup: um estudo de caso em uma startup na cidade de Criciúma/SC. 2017. 49 f. TCC (Bacharel em Ciências Contábeis). CCC, Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, 2017. Disponível em:

http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/5808/1/Gabriela%20Machado%20Borba.pdf>. Acesso em: 03 set. 2018.

CIMENTO.ORG. O Mundo do cimento em 2016 e as perspectivas para 2017. 2017. Disponível em: <https://cimento.org/o-mundo-do-cimento-2016-e-2017/>. Acesso em: 02 set. 2018.

CHESBROUGH, H. W.; APPLEYARD, M. M. Open Innovation and Strategy. California Management Review, California/USA, v. 50, n. 1, p. 1-63, nov. 2007. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/f098/41b08addb3c4a66fd6277c73402ba644c08f.pdf>. Acesso em: 10 set. 2018.

DAUSCHA, R. O que é esta tal de Inovação Aberta? 2012. Disponível em: <https://endeavor.org.br/inovacao/o-que-e-esta-tal-de-inovacao-aberta/?gclid=EAIaIQobChMIhfnq7d-X3QIVFlmGCh1LFg6oEAAYASAAEgI0cvD_BwE>. Acesso em: 4 set. 2018.

ETZKOWITZ, H.; CHUNYAN, Z. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. S. l.: Artigo, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v31n90/0103-4014-ea-31-90-0023.pdf>. Acesso em: 09 jun. 2018.

FONTANELA, C.; CARLS, S. Inovação aberta: uma ponte entre universidades e empresas. 2014. 18 f. S.1.: Artigo, 2014. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=272a535143aa1381>. Acesso em: 05 set. 2018.

FREITAS, C. O. Desenvolvimento de sistemas de aditivos químicos para aplicação em cimentações de poços de petróleo. S. 1.: Artigo, 2010. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/12920/1/JulioCOF_Tese.pdf>. Acesso em: 05 set. 2018.

FUNDAÇÃO DOM CABRAL - FDC. Sem as reformas necessárias, Brasil se mantém entre os países menos competitivos do mundo. 2018. Disponível em: <https://www.fdc.org.br/conhecimento-site/nucleos-de-pesquisa-site/Materiais/Relatório_Analise_Competitividade_2018_FDC_IMD.pdf>. Acesso em: 29 maio 2018.

GIRARDI, B. A et al. O Desenvolvimento de Inovações através da Interação Universidade-indústria e os Resultados Positivos Dessa Parceria. In: XI SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 2014, Rio de Janeiro. Anais.... Rio de Janeiro: 2014. p. 1-13. Disponível em: <https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/21620211.pdf>. Acesso em: 04 set. 2014.

INPI. Cgcom. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Ed.). Guia básico de transferência de tecnologia. 2018a. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/transferencia>. Acesso em: 28 maio 2018.

______. Tipos de contratos. 2018b. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/transferencia/tipos-de-contratos>. Acesso em: 28 maio 2018.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS (ICEX) (Minas Gerais). Centro de Tecnologia em Nanotubos é instalado no BH-TEC. 2016. Disponível em: <http://www.icex.ufmg.br/index.php/noticias/noticias-do-icex/80-noticias-do-icex/centro-de-tecnologia-em-nanotubos-e-instalado-no-bh-tec>. Acesso em: 02 jul. 2018.

ISAIA, G. C. Concreto: Ciência e Tecnologia. São Paulo: Editora Arte Interativa, 2011. v. 1.

JESUS; F. S. Os ciclos de Kondratiev. Geografia Opinativa, Brasil, 17 jul. 2016. Disponível em: <http://www.geografiaopinativa.com.br/2016/07/os-ciclos-de-kondratiev.html>. Acesso em: 09 jun. 2018.

MARQUES, F. Muito além das patentes. Revista Pesquisa FAPESP, São Paulo, v. 197, p. 20-23, jul. 2012.

MATOS, H. T.; RAMOS, H. As motivações e as barreiras para as universidades públicas contribuírem com o desenvolvimento da inovação tecnológica nas empresas: a visão dos gestores universitários. In: VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, 2017, São Paulo. Anais.... São Paulo: 2017. p. 1 - 17.

MCTI - MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (Brasília). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015. Disponível em: <http://livroaberto.ibict.br/218981.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2018.

MELO, P. A. A cooperação universidade/empresa nas universidades públicas brasileiras. 2002. 331 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/84179/189147.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 4 set. 2018.

MIKOSZ, V. M. A relação universidade-empresa-governo no contexto do sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação brasileiro: um estudo de caso dos mecanismos de cooperação e seus intervenientes em uma universidade pública. 2017. 174 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Planejamento e Governança Pública, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2017. Disponível em: <http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2749/1/CT_PPGPGP_M_Mikosz%2C%20Vinicius%20Machado_%202017.pdf>. Acesso em: 04 set. 2018.

MOURÃO, A. Inovação: A Destruição Criadora de Schumpeter. Linkedin, Estados Unidos, 28 nov. 2016. Disponível em: <https://pt.linkedin.com/pulse/inovação-destruição-criadora-de-schumpeter-mourão-dos-santos>. Acesso em: 09 jun. 2018.

NAKAMURA, J. Aditivos e adições. 2009. Disponível em: <http://techne17.pini.com.br/engenharia-civil/150/artigo286634-1.aspx>. Acesso em: 29 maio 2018.

NELSON, E. B.; GUILLOT, D. Well cementing. 2. ed. Sugar Land: Schlumberger, 2006.

OLI. Produção e Consumo de Cimento no Brasil. 2016. Disponível em: <http://www.cimentoverdedobrasil.com.br/producao-e-consumo-de-cimento-no-brasil/>. Acesso em: 31 maio 2018.

QUEIROZ JÚNIOR, M. I. Avaliação da adição de Nanosílica e silicato de sódio em pastas de cimento para poços de petróleo com baixo gradiente de fratura. S. 1.: Artigo, 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/12791/1/ManoelIQJ_DISSERT.pdf>. Acesso em: 29 maio 2018.

RAINER, S. História do Cimento. 2009. Disponível em: <https://historiadomundo.uol.com.br/curiosidades/historia-do-cimento.htm>. Acesso em: 29 maio 2018.

ROCHA, J. M. S. Estudo da migração de gases em pastas de cimento para uso em poços de petróleo. S. 1.: Artigo, 2010. Disponível em: <http://186.202.79.107/download/migracao-de-gases-em-pastas-de-cimento.pdf>. Acesso em: 30 maio 2018.

ROCHA, R. Lucro da fabricante de cimento LafargeHolcim quase dobra no trimestre. 2017. Disponível em: <https://www.valor.com.br/empresas/5054346/lucro-da-fabricante-de-cimento-lafargeholcim-quase-dobra-no-trimestre>. Acesso em: 31 maio 2018.

RODRIGO. Brasil pode aumentar consumo de aditivos de concreto. 2015. Disponível em: <http://www.rco.ind.br/blog/?p=2565>. Acesso em: 30 maio 2018.

SANTOS, A. Aditivos de concreto entram na era da nanotecnologia. 2012. Disponível em: <http://www.cimentoitambe.com.br/aditivos-de-concreto-entram-na-era-da-nanotecnologia/>. Acesso em: 03 jun. 2018.

______. Copa do Mundo impulsiona consumo de cimento na Rússia. 2018. Disponível em: <http://www.cimentoitambe.com.br/copa-do-mundo-impulsiona-consumo-de-cimento-na-russia/>. Acesso em: 31 maio 2018.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Devefopment. 46. ed. Oxford: Oxford University Press; Massachusetts: Harvard University Press, 1934.

SEBRAE. O Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação. 2018. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-novo-marco-legal-de-ciencia-tecnologia-e-inovacao,8603f03e7f484610VgnVCM1000004c00210aRCRD>. Acesso em: 03 set. 2018.

SILVA, C. B. L. Efeito de rochas salinas na hidratação e comportamento mecânico de pastas cimentícias para poços de petróleo. S. 1.: Artigo, 2016. Disponível em: <https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjJke-91vXbAhXP7VMKHZmjDOIQFggoMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.civ.puc-rio.br%2Fwp-content%2Fview%2Fdown_pdf.php%3Fpdf%3D..%2Fpdf%2F2016_Carolina_Bocaiuva_Leite_da_Silva.pdf&usg=AOvVaw2B9LEaBnMO4Q0t2sEq3wDz>. Acesso em: 30 maio 2018.

TECNOSIL. Aditivos para concreto: principais tipos e para que servem. 2017. Disponível em: <http://www.tecnosilbr.com.br/conteudo/?p=81>. Acesso em: 29 maio 2018.

TRALDI, M. C. A relação universidade - setor produtivo: estudo de caso do Centro de Engenharia Biomédica da UNICAMP. S. 1.: Artigo, 1997. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/251611/1/Traldi_MariaCristina_M.pdf>. Acesso em: 09 jun. 2018.

VIA Estação Conhecimento (Santa Catarina). Universidade Federal de Santa Catarina. Decreto de regulamentação da Lei de Inovação é publicado. 2018. Disponível em: <http://via.ufsc.br/decreto-de-regulamentacao-da-lei-de-inovacao-e-publicado/>. Acesso em: 03 jul. 2018.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Silva, A. F. da, Andrade, L. S. C. de, Silva, S. F., & Abreu, C. A. C. de. (2018). Transferência de Tecnologia como Estratégia de Transição das Pesquisas Universitárias para o Mercado - Indústria Cimenteira. Cadernos De Prospecção, 11(4), 983. https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27294

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento