Cidades Intensivas em Inovação – Uma Análise do Setor Eletroeletrônico e a Relação com a Hélice Sêxtupla da Rede de Inovação de Pato Branco no Paraná

Autores

  • Cesar Giovani Colini Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.
  • Vanessa Ishikawa Rasoto Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.
  • Silvestre Labiak Junior Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v11i3.27259

Palavras-chave:

Hélice Sêxtupla, Cidade Intensiva, Inovação.

Resumo

Compreende-se que as cidades são elementos fundamentais no desenvolvimento inovador de uma região e que nelas existem vários atores que podem ser ativos em suas interações. Este artigo tem por objetivos compreender a relação entre atores da Hélice Sêxtupla do ecossistema municipal de inovação em Pato Branco no Paraná e analisar os resultados de ações de políticas públicas voltadas ao fomento da inovação no setor produtivo, potencializando o empreendedorismo local. A metodologia adotada neste trabalho caracteriza-se por um estudo de caso, pautado no levantamento documental, em análises interpretativas correlacionando teoria de cidades inovadoras com as práticas identificadas na cidade estudada. Os resultados apresentados demonstram que a interação entre atores favorece o desenvolvimento econômico da cidade, por meio da relação público/privado, da organização da rede local de inovação e , sobretudo, a atuação integrada das instituições que compõem a Hélice Sêxtupla municipal com foco no desenvolvimento das empresas de eletroeletrônico, tornando a cidade intensiva em inovação.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cesar Giovani Colini, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.

Atualmente é manager in Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná - SEBRAE/PR. Mestrando UNICENTRO/PROFNIT em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação, MBA em Gestão e Legislação Tributária pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2017), MBA em Administração de Negócios Internacionais pela UNINTER (2015), MBA em Empreendedorismo pela Universidade Positivo (2010), graduado em Ciência Contábeis pela FESP Curitiba (2001). Foi Gestor do projeto Sistema Regional de Inovação na região Sudoeste do Paraná com Atuação permanente nas políticas públicas Regional de Inovação. Gestor de projetos de Inovação e tecnologia para empresas de Software e Startup. Consultor de Negócios especialista em gestão de de empresas, modelagem de negócios inovadores Startups, estudos de viabilidade técnico e econômico, processos produtivos, melhorias de processos para Certificações. Experiência na área de Empreendedorismo, Inovação e Administração, com ênfase em Tecnologia, gestão e Empreendedorismo Inovador. Elaboração de projetos estruturantes para captação de recursos. Trabalhos de planejamento orientados para organizar setores e cadeias produtivas. Desenvolvimento de estudos, analises de elementos e indicadores e insumos para elaboração de planos estratégicos de Desenvolvimento Territorial e regional.

Vanessa Ishikawa Rasoto, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.

Doutorado em Engenharia da produção - Gestão de Negócios pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006). Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Paraná (1999). Possui graduação em Administração pela Faculdade Católica de Administração e Economia (1993).

Silvestre Labiak Junior, Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, PR, Brasil.

É professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR desde 1989. Com Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento - EGC / UFSC (2012) e Pós Doutorado Empresarial na TEKIS Tecnologias Avançadas (FAPESC/CAPES/UFSC, 2015), Mestrado em Tecnologia e Desenvolvimento - PPGTE / UTFPR (2004), Graduação em Tecnologia Química Ambiental pela UTFPR (2001) e Técnico em Mecânica pelo CEFET-PR. Na Gestão Acadêmica atuou como: Pró Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação no Instituto Federal do Paraná - IFPR (2012 - 2014), Pró-Reitor Adjunto de Relações Empresariais e Comunitárias na UTFPR (2004 - 2008). É Professor Orientador no Programa de Pós Graduação em Tecnologia e Sociedade- PPGTE, atuando na linha de Tecnologia e Desenvolvimento, na área de Sistemas Regionais de Inovação. Leciona na Engenharia Mecânica as disciplinas de Empreendedorismo, Fontes de Fomento à Inovação, Metodologia de Pesquisa e Projetos Empresariais e Industriais. Na interação com o setor produtivo atua com: Assessorias, Consultorias e palestras nas áreas de Habitats de Inovação, Sistemas Regionais de Inovação, Fontes de Fomento à Inovação e Empreendedorismo. Atualmente é Pesquisador Avaliador do CNPq.

Referências

ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard Business Review, [S.l.], p. 1-11, 2006.

ANDRADE, R. Contexto do Empreendedorismo no Brasil. In: GRANDO, N. Empreendedorismo Inovador Como Criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo: Évora, 2012. p. 1-16.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS (ANPROTEC). Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas. ANPROTEC; SEBRAE; Coordenação José Eduardo Azevedo Fiates e Sheila Oliveira Pires; Organização Adelaide Maria Coelho Baêta e Rosa Maria Neves da Silva. Brasília, 2002. 124 p.

ARAÚJO, Bruno César. Políticas de apoio à inovação no Brasil: uma análise de sua evolução recente. Texto para Discussão. [S.l.]: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA. Perfil Industrial do Setor Eletroeletrônico no Paraná 2013-2014. Paraná: Federação das Indústrias do Estado do Paraná, 2014.

CARVALHO, Hélio Gomes de; REIS, Dalcio Roberto dos; CAVALCANTE, Márcia Beatriz. Gestão da Inovação. [S.l.]: Série UTFInova, 2011.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, jan./mar., 2005.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 14. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2011.

COOKE, P. Regional innovation systems: origin of the species. Int. J. Technological Learning, Innovation and Development, [S.l.], v. 1, n. 3, 2008.

CONFAZ. Ministério da Fazenda. [2018]. Disponível em: <https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/convenios/1996/CV106_96>. Acesso em: 6 jul. 2018.

DUARTE, Fábio. Cidades inteligentes: inovação tecnológica no meio urbano. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 122-131, jan./mar. 2005.

ERGAZAKIS, K.; METAXIOTIS, K.; PSARRAS, J. Towards knowledge cities: conceptual analysis and success stories. Journal of Knowledge Management, [S.l.] v. 8, n. 5, p. 5-15, 2004.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: metáfora dos anos 90 descreve bem o mais sustentável modelo de sistema de inovação. Revista Conhecimento e Inovação, Campinas, v. 6, n. 1, 2010.

FLORIDA, R. Cities and the creative class. New York: Routledge. 2005.

FORMAN. J. L. Como sua empresa Capturará valor dos clientes? In: GRANDO, N. Empreendedorismo Inovador Como Criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo: Évora. 2012. p. 386-x

GUEDES, V. L. S.; BORSCHIVER, S. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: VI CINFORM – ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Bahia. 2005. Anais... Bahia. 2005.

KOMNINOS, Nicos. Intelligent Cities and Globalisation of Innovation Networks. Nova Iorque: By Routledge, 2008.

LABIAK JÚNIOR, S.; OSÓRIO, H. H. G.; CANDIDO, R. Sistema Regional de Inovação no Sudoeste do Paraná: Caracterização e Desenho. Pato Branco, PR: SEBRAE/REPARTE, 2008. G643s.

LABIAK JÚNIOR, S. et al. Sistema Regional de Inovação e seus fluxos de Conhecimento e Fontes de Fomento à Inovação – Sistema Brasileiro de C,T & I . In. Gestão Do Conhecimento e Capital Intelectual em Habitats de Inovação. Falta indicar a cidade: Ed. Novas Edições Acadêmicas, 2016. (v. 1, Cap. 3)

LANZER, E. A. et al. O Processo de Inovação nas Organizações do Conhecimento. Florianópolis: Pandion, 2012.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Sistemas de inovação e arranjos produtivos locais: novas estratégias para promover a geração, aquisição e difusão de conhecimentos. Revista Ciências Administrativas, Fortaleza, CE, v. 9, n. 2, p. 189-195, dez. 2003.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA (MCT). Manual para a Implantação de Incubadoras de Empresas. Brasília, DF: Presidência da República, 2000.

NASCIMENTO, D. E. do.; LABIAK JÚNIOR, S. Ambientes e Dinâmicas de Cooperação para Inovação. Curitiba, PR: Aymará, 2011.

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (NTI) – Pato Branco. Empresas Associadas. [2018]. Disponível em: <http://ntipr.org.br/empresas-associadas/>. Acesso em: 26 jun. 2018.

OLIVEIRA, S. R. M.; ALVES, J. L. Metodologia para avaliar a capacidade de inovação tecnológica na performance de empresas high tech. Revista Gestão Industrial, [S.l.], v. 9, n. 4, 2014.

PORTAL DO PROFISSIONAL CONTÁBIL. Conteúdo O que é CNAE? [2018]. Disponível em: <http://www.contabeis.com.br/termos-contabeis/cnae>. Acesso em: 1º jul. 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PATO BRANCO – Paraná. Parque Tecnológico Municipal. [2018]. Disponível em: <http://www.patobranco.pr.gov.br/parquetecnologico/>. Acesso em: 30 jun. 2018.

RABELO, R.; BERNUS, P. A Holistic Model of Building Innovation Ecosystems. IFAC-Papers OnLine, [S.l.], v. 48, n. 3, p. 2.250-2.257, 2015. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S240589631500662X>. Acesso em: 1º jul. 2018.

RIES, Eric. A startup enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. [tradução Texto Editores]. São Paulo: Lua de Papel, 2012.

REMUS, D.; WOLLHEIM, B. A diversidade do bootstrap doze formas de capitalizar sem um investidor In: GRANDO, N. Empreendedorismo Inovador – Como criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo, SP: Évora, 2012. p. 391.

SACHS, I. Barricadas de ontem, campos de futuro. Estudos Avançados, [S.l.], 2010.

SAMPIERI, R. H; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. del P. B. Metodologia de Pesquisa. 5. ed. Tradução: Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, G. A. G. D.; DINIZ, E. J.; BARBOSA, E. K. Aglomerações, Arranjos Produtivos Locais e Vantagens Competitivas Locacionais. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, RJ, v. 11, n. 22, p. 151-179, dez. 2004.

SEBRAE/PR REGIONAL SUL. Relatório Mapa de Produção Território Sudoeste 2017. Capítulo de Mapeamento das Tecnologias no Sudoeste do Paraná, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 8-48, [2017]. Disponível no arquivo regional da instituição em Pato Branco, pesquisa realizada em junho de 2018.

SPINA, C. A. Como encontrar e abordar um investidor-anjo? In: GRANDO, N. Empreendedorismo Inovador – Como criar startups de tecnologia no Brasil. São Paulo: Évora, 2012. p. 411.

YIGITCANLAR, T.; VELIBEYOGLU K.; FERNANDEZ, M. C. Rising knowledge cities: the role of urban knowledge precincts. Journal of Knowledge Management, [S.l.], v. 12, n. 5, p. 8-20, 2008.

Downloads

Publicado

2018-09-30

Como Citar

Colini, C. G., Rasoto, V. I., & Labiak Junior, S. (2018). Cidades Intensivas em Inovação – Uma Análise do Setor Eletroeletrônico e a Relação com a Hélice Sêxtupla da Rede de Inovação de Pato Branco no Paraná. Cadernos De Prospecção, 11(3), 830. https://doi.org/10.9771/cp.v11i3.27259

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento