Indicações Geográficas: agregação de valor da renda de bilro de Saubara

Autores

  • Valdir Silva Conceição Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Angela Machado Rocha Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27251

Palavras-chave:

Renda de Bilro, Saubara, Indicação Geográfica.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a possibilidade de geração de valor da renda de bilro de Saubara por meio do registro de Indicação Geográfica (IG), verificando a evolução da importância dada ao tema, e debater a estratégica da IG como um dos instrumentos geradores de valor e os seus aspectos mercadológicos, o que proporciona um diferencial competitivo para o produto no mercado nacional e internacional. A implantação de uma IG valoriza o produto e/ou serviço, o patrimônio cultural, o território, a diversidade, a identidade e a tradição da cultura local, a propriedade intelectual e a ancestralidade com o saber-fazer, padroniza o produto, garante a qualidade, capacita a mão de obra entre outros benefícios para a comunidade. A pesquisa vai ser do tipo empírico e de caráter qualitativo, utilizando como método a pesquisa bibliográfica, a revisão da literatura sobre a renda de bilro, o município de Saubara e a IG e os benefícios agregados advindos do registro de uma IG para as rendeiras e para o território no qual se encontra inserido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdir Silva Conceição, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Estudante do curso de Administração da Universidade Federal da Bahia - UFBA

Angela Machado Rocha, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Doutorado em Energia e Ambiente pela Universidade Federal da Bahia, Brasil(2013)
Chefe do Núcleo de Propriedade Intelectual da Universidade Federal da Bahia , Brasil

Referências

ALBINO, J.; CARLS, S. Indicações Geográficas de serviços: polêmicas do porto digital. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 3, p. 587-594, jul./set. 2015. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/11627/pdf_4>. Acesso em: 27 jun. 2018.

AMORIM, M. C. Arte Brasil: Maria do Carmo Amorim. 2010. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=VZim0fH5Ioo>. Acesso em: 10 mar. 2018.

BARROS, J. S. Ponto de Cultura: Saubara em Movimento. Catálogo. Bahia, 2017. 78 p. Disponível em: <http://marujadadesaubara.org.br/wp-content/uploads/2013/07/Catalogo_PontodeCUltura_SaubaraemMOvimento.pdf>. Acesso em 10 fev. 2018.

BRASIL. Instrução Normativa n. 25, 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o registro das indicações geográficas. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/legislacao-1/in_25_21_de_agosto_de_2013.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2018.

______. Lei n. 9.279, 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9279.htm>. Acesso em: 27 jun. 2018.

______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2008. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica/arquivos-publicacoes-ig/guia-para-solicitacao-de-registro-de-indicacao-geografica-para-produtos-agropecuarios-2007.pdf/view>. Acesso em: 29 jun. 2018.

BRUSSI, J.; D. E. Da “renda roubada” à renda exportada: a produção e a comercialização da renda de bilros em dois contextos cearenses. 2009. 145 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Brasília, Brasília, 2009. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/18559/1/2009_JuliaDiasEscobarBrussi.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2018.

CALDAS, F. Artesãos de Maragogipinho e Saubara vão buscar selo de qualidade para seus produtos com apoio da UFBA e governo estadual. [2017]. Disponível em: <http://www.edgardigital.ufba.br/?p=2061>. Acesso em: 20 jun. 2018

CERDAN, C. M. T. et al. Indicação geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. In: BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; organização Luiz Otávio Pimentel. 4. ed. Florianópolis: MAPA, Florianópolis: Funjab, 2014. Disponível em: <https://www.academia.edu/11745747/Indica%C3%A7%C3%A3o_Geogr%C3%A1fica_de_produtos_agropecu%C3%A1rios_import%C3%A2ncia_hist%C3%B3rica_e_atual>. Acesso em: 29 jun. 2018.

DUPIM, L. C. O. Indicações Geográficas. 2012. Disponível em: <http://www.aidv.org/_media/aidv-2012-dupim.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI), [2018]. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/saubara>. Acesso em: 2 jun. 2018.

JESUS, R. S.; PROST, C. Importância da atividade artesanal de mariscagem para as populações nos municípios de Madre de Deus e Saubara, Bahia. GEOSUP – Espaço e Tempo, São Paulo; n. 30, p. 123-137, 2011. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/geousp/article/viewFile/74236/77879>. Acesso em: 29 jun. 2018.

LEAHY, R. C. Flor da Maré: a (re)configuração da renda de bilros por Márcia Ganem. 2012. 151 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia – UFBA. Salvador, 2012. Disponível em: <http://www.poscultura.ufba.br/sites/poscultura.ufba.br/files/Disserta%C3%A7%C3%A3o_2012%20Renata%20Leahy.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2018.

MARANHÃO, C. J. de A. Indicação Geográfica: Possibilidades do queijo colonial produzido a partir do leite cru na região de Chapecó/SC. 2015. 113 f. Dissertação (Mestrado Administração) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, 2015. Disponível em: <http://www.unoesc.edu.br/images/uploads/mestrado/Charlson_Maranhao.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2018.

NASCIMENTO, J. S. et al. Indicações Geográficas: agregação de valor aos produtos brasileiros e maranhenses. Revista GEINTEC, São Cristóvão, v. 2, n. 4, p. 353-364, 2012. Disponível em: <http://www.revistageintec.net/index.php/revista/article/view/53/128>. Acesso em: 18 mar. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL (OMPI). DL 101P BR – Geographical Indications-IG-4Va. [2012]. Disponível em: <http://nit.uncisal.edu.br/wp-content/uploads/2012/08/Indica%C3%A7%C3%B5es-Geogr%C3%A1ficas-IG.pdf.>. Acesso em: 18 mar. 2018.

REZENDE, A. A. et al. Considerações sobre as potenciais indicações geográficas do Sudoeste da Bahia. Revista de Política Agrícola. Brasília. DF, ano XXIV, n. 4, p. 18-31, 2015. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/revista-de-politica-agricola/revista-de-politica-agricola-n4-2015.pdf/view>. Acesso em: 25 jun. 2018.

SILVA, D. B. P. Educação, resistências e tradição oral: a transmissão de saberes pela oralidade de matriz africana nas culturas populares, povos e comunidades tradicionais. 2017. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, UNB, Brasília, 2017. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/24411/1/2017_DanielaBarrosPonteseSilva.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2018.

VALENTE, A. M. Estudo da potencialidade de registro de indicação geográfica a produção de cacau no município de Medicilândia/PA. 2012. 120 f. Dissertação (Mestrado em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. Disponível em: <http://ppgedam.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/dissertacoes/2012_Dissertacao_Andrea.de.Melo.Valente.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2018.

VELLOSO, C. Q.. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 168 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2008. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/91692/249759.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 30 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2019-03-15

Como Citar

Conceição, V. S., & Rocha, A. M. (2019). Indicações Geográficas: agregação de valor da renda de bilro de Saubara. Cadernos De Prospecção, 12(1), 219. https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27251

Edição

Seção

Indicações Geográficas