Tecnologias Educacionais: um estudo prospectivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27246

Resumo

O presente estudo tem como metodologia uma análise prospectiva das tecnologias educacionais considerando as patentes do repositório internacional WIPO, as patentes nacionais presentes no INPI e trabalhos na literatura referente ao tema. Com base no levantamento feito definiu-se as principais vertentes da educação em que essas tecnologias estão presentes e sua expectativa de evolução. Esse estudo também analisa o posicionamento dos principais países na utilização de tais tecnologias, bem como as empresas que despontam como maiores depositantes de patentes e sua evolução temporal. Descobriu-se por meio dessa análise que as tecnologias educacionais possuem forte investimento dos países melhores colocados em ranking internacionais de educação e que o Brasil está aquém do que é produzido nesses países. Assim, com esse estudo pode-se perceber que tecnologias educacionais estão diretamente relacionadas ao investimento que o país faz em educação e como a fonte desses investimentos impacta na pesquisa de novas tecnologias educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavio Santos Silva, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pela Universidade Federal de Alagoas. Pós Graduando em Docência no Ensino Técnico e Profissional, Inovação e Criatividade pela Universidade Tiradentes. Graduado em Sistema de Informação pelo Instituto Federal de Alagoas. Trabalha como instrutor lecionando unidades curriculares voltadas a área de informática com ênfase em programação e criação de aplicações multiplataforma com foco em desempenho, manutenibilidade e usabilidade. Certified ScrumMaster pela Scrum Alliance. Foi medalhista de prata na WorldSkills Americas etapa continental na categoria Soluções de Software e atualmente é avaliador do SENAI DR Alagoas nesta ocupação.

Leyla Carolyne da Silva Santos, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Graduada em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau de Maceió (2016). - Campeã estadual na Olimpíada do Conhecimento na área de Soluções de Software (Desenvolvendo no pacote Office - VBA) - (2011). - 4º lugar na Olimpíada do Conhecimento - Etapa Nacional - (Desenvolvendo no pacote Office - VBA) - (2012). instrutora de informática - SENAI - Departamento Regional de Alagoas. Fui Jovem Aprendiz na área de tecnologia da Informação (2010). Estagiei na CEAL/Eletrobrás (2011).

Ibsen Mateus Bittencourt Santana Pinto, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Doutor em Administração de Empresas (Mackenzie-SP), Mestre Educação Brasileira na linha de Tecnologia da Informação e Comunicação ? TIC (UFAL), MBA em Gestão de Turismo (UBM-RJ), Especialista em Matemática (UFPE), Bacharel em Administração de Empresas (UFAL) e Bacharel em Turismo (CESMAC). É Professor Adjunto II da Universidade Federal de Alagoas - UFAL e Pesquisador do Núcleo de Excelência em Tecnologias Sociais ? NEES/UFAL/CNPq, atuando como Professor do Mestrado em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - PROFNIT e dos cursos de graduação de Administração de Empresas e Ciência da Computação. Já publicou mais de 100 artigos acadêmicos em Periódicos e Congressos Nacionais e Internacionais. É Sócio Proprietário da IT4LIFE empresa que desenvolve software baseado em recomendações humanas e consultoria na gestão de negócios complexos. Já trabalhou na Gerencia Comercial da VARIG Linhas Aéreas S/A e Contecny Contruções Ltda e na ICE Equipment que atuava no setor de importação e exportação de equipamentos SOREDEX da Finlândia e QR s.r.l da Itália.

Sílvia Beatriz Beger Uchôa, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso (1984) ; mestrado em Arquitetura e Planejamento pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (1989) e Doutorado em Química e Biotecnologia - Área de concentração Fisico-Quimica, pelo Instituto de Quimica e Biotecnologia da UFAL (2007). Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Alagoas e Vice-coordenadora do Mestrado Profissional PROFNIT - Ponto Focal UFAL. Foi coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica e de Programas Especiais da PROPEP/UFAL, coordenando o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - PIBITI de 2010 a janeiro de 2016. Tem experiência nas áreas de Construção Civil e em Eletroquímica, com ênfase em Materiais e Componentes de Construção e Ensaios de Corrosão e Durabilidade, atuando principalmente nos seguintes temas: construção civil, materiais de construção, propriedades do concreto, durabilidade de estruturas de concreto armado e patologias de fachadas de edificios. Foi vice-coordenadora do FORTEC Regional NE de abril de 2010 a abril de 2012. Atualmente integra o Conselho Fiscal do FORTEC e é suplente no Conselho Fiscal da ANPROTEC.

Tatiane Luciano Balliano, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Tatiane Balliano possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade Federal de Alagoas-UFAL (2005), mestrado em Química e Biotecnologia, área de concentração Físico-química (cristalografia de raios X) pela Universidade Federal de Alagoas (2006) e doutorado em Física Aplicada (Biomolecular) pela Universidade de São Paulo (2010). Atualmente é professora adjunto IV na Universidade Federal de Alagoas no Instituto de Química e Biotecnologia e tem experiência em Cristalografia de Raios X (pequenas e macromoléculas e materiais policristalinos), Química de Produtos Naturais, desenvolvimento de produtos e materiais para aplicação em saúde humana e veterinária. Na área de gestão em ciência, tecnologia e inovação, desenvolve atividades ligadas à propriedade intelectual, transferência de tecnologia e empreendedorismo inovador. É orientadora do quadro permanente de PPGs em Química e Biotecnologia do IQB/UFAL, da Rede PROFNIT e da Engenharia Química - PPGEQ/UFAL.

Referências

Amorim, Felipe. PEC do teto é aprovada em votação final e congela gastos por 20 anos. UOL notícias Política. Brasília, 2016. Disponível em: < https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/12/13/pec-que-congela-gastos-do-governo-por-20-anos-e-aprovada-em-votacao-final.htm>.

BrianCert. 3 Different Types of Educational Technology. BrianCert Academy. Education & Technology. November/2015. Disponível em: <https://www.braincert.com/blogs/9education-technology/119-3-different-types-of-edu%D1%81%D0%B0t%D1%96%D0%BEnal-technology>. Acessado em: 21/06/2018.

Britland, Matt. What is the future of technology in education. The Guardian, 2013. Disponível em: < https://www.theguardian.com/teacher-network/teacher-blog/2013/jun/19/technology-future-education-cloud-social-learning >.

Cardoso, Rogério; Santos, Otávio Ventura dos; Gatti, Daniel Couto. Revisão sistemática de objetos de aprendizagem para o ensino de computação. Anais da X Conferência Latino-Americana de Objetos e Tecnologias de Aprendizagem (LACLO 2015). CBIE-LACLO, 2015.

Dey, Niradhar. Concept and Scope of Educational Technology. Introduction to Educational Technology, Indira Gandhi National Open University (IGNOU). 2017. Disponível em: < http://egyankosh.ac.in//handle/123456789/8409>.

Heather, Bellini et al. Virtual & Augmented Reality: undertanding the race for the next computing platform. The Goldman Sachs Group, Inc. Americas: Technology. January 13, 2016. Acesso em: 31 maio. 2017. Disponível em: <http://www.goldmansachs.com/our-thinking/pages/technology-driving-innovation-folder/virtual-and-augmented-reality/report.pdf>.

Mishra, Punya; Koehler, Matthew J.; Kereluik, Kristen. The song remains the same: looking back to the future of educational technology. Techtrends, Volume 53, Number 5. September/October 2009.

OECD. Education in China: a snapshot. Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD). 2016. Disponível em: < https://www.oecd.org/china/Education-in-China-a-snapshot.pdf>

PISA 2015 Results. Excellence and Equity in Education, summarises student performance in PISA 2015, and examines inclusiveness and fairness in participating education systems. Volume I. OECD, 2018. http://dx.doi.org/10.1787/9789264266490-en.

Prior, André. O que é tecnologia educacional. Oficina da net, 2011. Disponível em: <https://www.oficinadanet.com.br/artigo/educacao_a_distancia/tecnologia-educacional>. Acessado em 20/06/2018.

Samsung. Hope for Children. Samsung solve for tomorrow. 2018. Disponível em: < http://www.samsung.com/us/corporate-citizenship/education.html >.

Tigre, Paulo Bastos; Marques, Felipe Silveira. Apropriação tecnológica na economia do conhecimento: inovação e propriedade intellectual de software na América Latina. Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 3 (37), p. 547-566, dez. 2009.

WIPO. Publicação IPC. World Intellectual Property Organization. IPCPUB v7.2 – 07.03.2018. 2018. Disponível em: <http://ipc.inpi.gov.br/ipcpub/?notion=scheme&version=20180101&symbol=none&menulang=pt&lang=pt&viewmode=f&fipcpc=no&showdeleted=yes&indexes=no&headings=yes&notes=yes&direction=o2n&initial=A&cwid=none&tree=no&searchmode=smart>.

Downloads

Publicado

2019-03-01

Como Citar

Silva, F. S., Santos, L. C. da S., Pinto, I. M. B. S., Uchôa, S. B. B., & Balliano, T. L. (2019). Tecnologias Educacionais: um estudo prospectivo. Cadernos De Prospecção, 12(1), 178. https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27246

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos