A Fibra de Coco como Matéria-Prima para o Desenvolvimento de Produtos: uma prospecção tecnológica em bancos de patentes

Autores

  • Djane Encarnação dos Santos Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Felipe Carlos Carvalho Martinez Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Paulo José Lima Juiz Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27230

Palavras-chave:

Fibra de coco, Prospecção, Patentes

Resumo

O uso do coco vai muito além do que é encontrado e extraído do seu interior, tendo a sua parte externa elevado potencial de aproveitamento industrial. A fibra retirada da casca do coco vem sendo utilizada para muitas finalidades capazes de melhorar o desenvolvimento econômico, bem como o desenvolvimento sustentável. O presente artigo realiza uma análise de tecnologias relacionadas à fibra de coco depositadas em bases de patentes utilizando o software Orbit®. Os resultados obtidos demonstram inclinações para estratégias empresariais, bem como de governos e instituições de pesquisas nacionais e internacionais, com um gradativo interesse pelo investimento em tecnologias vinculadas ao tema (os resultados permitem embasar a afirmação sobre “gradativo interesse pelo investimento em tecnologias vinculadas ao tema”). Verifica-se que a fibra de coco tem capacidade para ser explorada em pesquisas futuras diante da sua versatilidade, suprindo demandas da sociedade aliada à preservação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djane Encarnação dos Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação/ PROFNIT ponto focal UFBA, trabalho como analista financeira com ênfase em orçamento, acompanhamento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação, serviços tecnológicos, programas do stricto sensu no SENAI CIMATEC

Felipe Carlos Carvalho Martinez, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Mestrando no PROFNIT - Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pela Universidade Federal da Bahia, possui Especialização em Direito do Trabalho pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é advogado, com experiência nas áreas de Direito do Trabalho, Direito Civil, Direito Previdenciário, Direito da Propriedade Intelectual e Direito do Consumidor.

Paulo José Lima Juiz, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Pós-doutorado em Farmácia -UFBA . Doutorado em biotecnologia (UEFS/FIOCRUZ-BA). Doutorado sanduíche pela Università Degli Studi di Ferrara - Itália.Possui mestrado em Imunologia pela Universidade Federal da Bahia. Especialização em Biologia molecular aplicada a medicina forense (UNEB), Especialização em microbiologia (UFBA). Atualmente é docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Professor do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação. Membro da Sociedade Brasileira de Microbiologia. Membro da Sociedade Brasileira de Farmacognosia. Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres humanos da UFRB. Gestor da Coordenação de Criação e Inovação da UFRB. Representante Legal da UFRB na Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC)

Referências

BARBOSA, V. Até quando Brasil vai enterrar seu lixo em buracos ilegais? Revista Exame, São Paulo, agosto 2014.

BENTO, Alinne T. T. M. et al. Aproveitamento da fibra de coco como adição em concreto não estrutural e suas vantagens em relação ao meio ambiente. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA USP, 16, 2008, São Paulo. Resumos... São Paulo: USP, 2008.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil03/Leis/l9279.htm> Acesso em: 25 jun. 2018.

CARRIJO, O. A.; LIZ, R. S.; MAKISHIMA, N. Fibra da casca do coco verde como substrato agrícola. Horticultura Brasileira, Brasília, DF, v. 20, n. 4, p. 533-535, dezembro, 2002.

COIR BOARD. Machinery. [2018]. Disponível em: <http://coirboard.gov.in/?page_id=74>. Acesso em: 24 jun. 2018.

COSTA, H. K. dos S.; LIMA, Leandro Cordeiro Pereira de. Fibra de coco: estudo exploratório sobre registro de patentes. Cadernos de Prospecção, [S.l.], v. 11, Edição Especial, p. 387-398, abr./jun., 2018.

DUPONT. Um Líder Mundial em Inovação e Ciência Orientadas para o Mercado. [2018]. Disponível em: <http://www.dupont.com.br/produtos-e-servicos/tecidos-fibras-e-nao-tecidos.html>. Acesso em: 24 jun. 2018.

DYSTAR. Dystar Colours Distribution. [2018]. Disponível em: <https://www.dystar.com/about-dystar-group/>. Acesso em: 24 jun. 2018.

ESPACENET. Códigos de países. [2018]. Disponível em <https://lp.espacenet.com/help?locale=ptLP&method=handleHelpTopic&topic=countrycodes>. Acesso em: 24 jun. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KANEKA. [2018]. Disponível em: <https://www.kaneka.com/>. Acesso em: 24 jun. 2018.

MARTINS, C. R.; JESUS JR., L. A. Evolução da produção de coco no Brasil e o comércio internacional. Documentos 164. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2011.

PENHA, E. M.; CABRAL, L. M.; MATTA, V. M. Água de coco. In: FILHO, W. (Org.). VG Tecnologia de bebidas: matéria-prima, processamento, BPF/APPCC, legislação e mercado, São Paulo: Edgard Blucher, 2005. p. 1-11.

QUESTEL ORBIT. Co. Orbit at a glance. Disponível em <https://www.orbit.com>. Acesso em 16 jun. 2018.

ROSA, M. de. F. et al. Valorização de resíduos da agroindústria. In: II SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS AGROPECUÁRIOS E AGROINDÚSTRIA – II SIGERA, 2011, Foz do Iguaçu. Anais..., II SIGERA, Foz do Iguaçu, 2001. p. 89-105.

SEBRAE. Potenciais negócios do coco verde. [2016]. Disponível em: <http://www.sebraemercados.com.br/potenciais-negocios-do-coco-verde>. Acesso em: 16 jun. 2018.

SANTOS, A. M. Estudo de Compósitos Híbridos Polipropileno/Fibras de Vidro e Coco para Aplicações em Engenharia. 2005. 90p. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

SENHORAS, Elói Martins. Oportunidades da cadeia agroindustrial do coco verde: do coco verde nada se perde, tudo se desfruta. Revista Urutágua, Maringá, 2004.

SILVA, A. C. da. et al. Reaproveitamento da casca de coco verde. REMOA. [S.l.], v. 13, n. 5, p. 4.077-4.086, dez. 2014.

SUPERMERCADO MODERNO. Água de coco avança 15% em volume. Supermercado Moderno. 18 set. 2015. Disponível em: <http://www.sm.com.br/detalhe/agua-de-coco-o-mercado-avança>. Acesso em: 21 jun. 2018.

VAN DAM, J. E. G. Improvement of Drying, Softening, Bleaching and Dyeing Coir Fibre/Yarn and Printing Coir Floor Coverings. Wageningem: FAO CFC, 2002. 61p. Artigo Técnico 6.

VESPA, T. S. Coqueiro: delícia tropical. Revista Natureza [2017]. Disponível em: <http://revistanatureza.com.br/coqueiro-delicia-tropical/>. Acesso em: 24 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2019-03-01

Como Citar

dos Santos, D. E., Martinez, F. C. C., & Juiz, P. J. L. (2019). A Fibra de Coco como Matéria-Prima para o Desenvolvimento de Produtos: uma prospecção tecnológica em bancos de patentes. Cadernos De Prospecção, 12(1), 153. https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27230

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos