A Inovação nas Empresas Metalomecânicas: um foco sobre a ambiência inovadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27183

Palavras-chave:

Inovação, Radar da Inovação, Ambiência Inovadora,

Resumo

Sabe-se que inovar é um diferencial competitivo para qualquer organização. Porém, existem empresas que mesmo conhecendo as exigências do cenário atual, deixam de criar um ambiente favorável à inovação. Assim, o objetivo deste artigo foi analisar a mensuração da inovação por meio do Radar da Inovação e observar o comportamento da dimensão Ambiência Inovadora. Para tanto, a partir de referenciais teóricos sobre inovação e ambiência inovadora, foi utilizada a metodologia de coleta de dados do Programa Agentes Locais de Inovação do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio do diagnóstico Radar da Inovação, tendo sido abordadas 20 empresas do setor metalomecânico da cidade de Maringá no Paraná. Percebe-se um avanço nas médias dos resultados entre os diagnósticos aplicados, com uma tendência favorável para algumas dimensões, o que é evidenciado com as respostas obtidas nos questionários e nas observações diretas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Tomaz Caires, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Mestrando do Programa de Pós-Graduação PROFNIT - Mestrado Profissional em Rede Nacional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação - Ponto Focal Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialista em Engenharia de Produção Enxuta pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Engenheiro de Produção pela UEM.

Renan Araújo de Azevedo, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Especialista em Engenharia de Segurança no Trabalho pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialista em MBA em Gestão da Produção pela UEM. Engenheiro de Produção Agroindustrial pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).

Rejane Sartori, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Docente do Programa de Pós-Graduação PROFNIT - Mestrado Profissional em Rede Nacional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação - Ponto Focal Universidade Estadual de Maringá (UEM). Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão do Conhecimento nas Organizações do Centro Universitário Cesumar (Unicesumar).

Referências

ARANTES, Nélio. Empresas Válidas: como elas alcançam resultados superiores ao servirem a sociedade. São Paulo: Évora, 2012.

ARRUDA, Mônica Ferraz de Arruda. Cultura Organizacional e Inovação: estudo de caso em um hospital privado com características de inovação no município de São Paulo. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, 2006.

BACHMANN, Dórian L. Guia para Inovação: Instrumento para a melhoria das dimensões da inovação. 2. ed. Curitiba: SK Editora Ltda., 2015.

BACHMANN, Dórian L.; DESTEFANI, Jully Heverly. Metodologia para Estimar o Grau de Inovação nas MPE - Cultura do Empreendedorismo e Inovação. Curitiba, 2008.

BARBIERI, J. C. et al. Organizações Inovadoras: Estudos e Casos Brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

CORAL, Eliza; OGLIARI, André; ABREU, Aline França de (Org.). Gestão integrada da inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

DECESARO, Leonardo et al. A Influência da Geração X e Y na Inovação de Produto e Processo na Indústria Metalmecânica do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 5, n. 2, p. 30-58, 2017.

FACCO, Carlos Alberto. Internacionalização, Aprendizagem Interativa e Acumulação de Capacidades Tecnológicas em Arranjos Produtivos Locais. Projeto de dissertação de mestrado. Universidade Positivo. Curitiba, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KNOX, Simon. The boardroom agenda: developing the innovative organisation. Corporate Governance: The international journal of business in society, v. 2, n. 1, p. 27-36, 2002.

LUIZ, P. H.; FERRARESI DE ARAUJO, G. J. A ambiência inovadora nas pequenas empresas atendidas pelo Programa Agentes Locais de Inovação de Ribeirão Preto/SP. Revista Interdisciplinar NAEEP, v. 1, p. 1, 2017.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Tradução da Financiadora de Estudos e Projetos. Paris: OCED, 2004.

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; FELL, A. F. de A. Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia. Florianópolis, SC, v. 4, n. 1, p. 76-88, jan./jun. 2014.

REIS, D. A.; OLIVEIRA, M. M. da S. Análise do Grau de Inovação das Micro e Pequenas Empresas Sergipanas sob o Prisma do Planejamento Estratégico e da Tecnologia da Informação. Cad. Prospec., Salvador, v. 7, n. 4, p. 493-503, out./dez. 2014.

SAWHNEY, Mohanbir; WOLCOTT, Robert C.; ARRONIZ, Inigo. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan management review, v. 47, n. 3, p. 75, 2006.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Diagnóstico – Radar da Inovação nos Pequenos Negócios. 2014. Disponível em: <http://uc.sebrae.com.br/pagina/material-de-estudo-da-capacitacao-ali>. Acesso em: 05 jul. 2018.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Caires, R. T., Azevedo, R. A. de, & Sartori, R. (2018). A Inovação nas Empresas Metalomecânicas: um foco sobre a ambiência inovadora. Cadernos De Prospecção, 11(4), 1016. https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27183

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento