Indicação Geográfica para as Uvas Finas de Mesa de Marialva no Noroeste Paranaense

Autores

  • Weliton Monteiro Perdomo Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.
  • Rejane Sartori Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.
  • Pedro Fonseca Camargo Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27132

Palavras-chave:

Propriedade Intelectual, Indicação Geográfica, Uva de Marialva

Resumo

O objetivo deste artigo é expor acerca do processo de qualificação da Indicação Geográfica (IG) de Marialva para produção de uvas finas de mesa. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa e exploratória, pautada em pesquisa documental e de campo, empregando-se entrevista não estruturada. Os resultados evidenciaram que o município de Marialva obteve o registro de IG a partir de uma iniciativa do Sebrae Paraná Regional Noroeste e contou com a atuação de diversos outros atores, como produtores rurais, universidades e demais entidades. Trata-se de um processo complexo, pois o fato de a uva ser produzida na região não garante o uso do selo distintivo, já que deve ser atestada por profissionais, certificando que constitui peculiaridade quanto à produção. Ademais, ressalta-se a necessidade de estratégias de comunicação a serem utilizadas pelos municípios que possuem o reconhecimento da IG, o que poderá propiciar maior renda para o produtor e movimentar positivamente a economia local.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weliton Monteiro Perdomo, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pela Universidade Estadual de Maringá, Graduado a título Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade de Ponta Porã, com especialização em Gestão Empresarial e MBA em Finanças pela Faculdade Maringá. Atualmente exerce a função de Consultor do SEBRAE/PR atuando como Gestor de Projetos de Empreendedorismo e Gestão, Inovação e Projetos do Agronegócio. Entre os anos de 2012 e 2014 participou do Programa Agentes Locais de Inovação pelo Sebrae/CNPq, tendo atuado também como consultor credenciado nas áreas de Planejamento Empresarial.

Rejane Sartori, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Maringá, mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina e doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina. Docente do PROFNIT (Mestrado Profissional em Rede Nacional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação) no Ponto Focal UEM e docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão do Conhecimento da UniCesumar.

Pedro Fonseca Camargo, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Graduação em Administração com Habilitação em Marketing pela Faculdade Câmara Cascudo e especialização em Docência no Ensino Superior pela UNP - Universidade Potiguar é também Mestrando do PROFNIT-UEM (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia e Inovação na Universidade Estadual do Paraná). Atualmente é professor do quadro efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso do Sul.

Referências

ALMEIDA, Ana C. S.; SERRA, Elpídio. O papel da colônia japonesa, da Emater e do governo municipal na implantação e fortalecimento da viticultura no município de Marialva – PR. Revista Campo-Território, Uberlândia, v.7, n. 13, p. 291-305, fev. 2012.

_______. A Viticultura em Marialva/PR – A Utilização de Mão de Obra Familiar na Cadeia de Produção da Uva. Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Maringá, v. 5, n. 1, p. 3-17, 2013.

ASSOCIAÇÃO DE FRUTICULTORES DO NOROESTE DO PARANÁ. Manual de aplicação do selo de Indicação de Procedência - Marialva. Marialva, 2015.

ASSOCIAÇÃO NORTE PARANAENSE DE ESTUDOS EM FRUTICULTURA. Relatório – 2015. Aumento da Competitividade da Aglomeração Produtiva da Uva Fina de Mesa em Marialva: Projeto Nova Uva. Marialva: 2015.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9279.htm>. Acesso em: 26 jun. 2018.

C MARA MUNICIPAL DE MARIALVA. Disponível em: <http://www.camaramarialva.pr.gov.br/noticias_1883_0_noticias-da-camara-municipal-de-marialva>. Acesso em: 10 ago. 2017.

CRESWELL, J. W. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

D´ALEXANDRIA, Marcel Azevedo Batista. O Turismo nas Indicações Geográficas: A Potencialidade do Turismo de Experiência na Denominação de Origem Vale dos Vinhedos. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 2, p. 395-405, abr./jun. 2015.

GODOY, A. S. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 3, n. 2, p. 81-89, maio/ago. 2005.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da Matriz Insumo-Produto Utilizando Dados Preliminares das Contas Nacionais: Aplicação e Análise de Indicadores Econômicos para o Brasil em 2005. Economia & Tecnologia, v. 6, n. 23, p. 53-62, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades – Censo agropecuário. 2015a. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em julho de 2017.

_______. Cidades: Marialva/PR. 2015b. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=411480>. Acesso em: 02 jul. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 25, de 21 de agosto de 2013. Estabelece as condições para o Registro das Indicações Geográficas. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/legislacao-1/in_25_21_de_agosto_de_2013.pdf>. Acesso em: 29 jul. 2018.

_______. Guia básico de indicação geográfica. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica>. Acesso em: 04 ago. 2017.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Cadernos Municipais. 2009. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

LAGES, Vinícius; LAGARES, Léa; BRAGA, Christiano. Valorização de Produtos com Diferencial de Qualidade e Identidade: Indicações Geográficas e Certificações para Competitividade nos Negócios. Brasília: Sebrae, 2005.

LOCATELLI, Liliana. O Processo de Consolidação das indicações Geográficas no Brasil: Lacunas e Omissões da Lei. nº 9.279/1996. Cad. Prospec., Salvador, v. 9, n. 1, p. 152-158, abr./jun. 2016.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: Procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto, relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas: 2011.

MARINS, Maíra Freixinho; CABRAL, Daniele Hervé Quaranta. O Papel da Indicação Geográfica como Propulsor da Inovação e do Desenvolvimento Local: Caso Vale dos Vinhedos. Cad. Prospec., Salvador, v. 8, n. 2, p. 406-414, abr./jun. 2015.

NIEDERLE, Paulo André. O mercado vitivinícola e a reorganização do sistema de indicações geográficas na região do Languedoc, França. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 14, n. 2, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIALVA. Abertura da colheita da uva acontece hoje em Marialva. Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.marialva.pr.gov.br/index.php?sessao=b054603368vfb0&id=1373955>. Acesso em: 08 jun. 2018.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Disponível em <http://www.rais.gov.br>. Acesso em: 10 jul. 2017.

SCHNEIDER, Michele Domingos; ZILLI, Julio Cesar; VIEIRA, Adriana Carvalho Pinto. Os Impactos da Indicação de Procedência no Desenvolvimento Econômico na Produção de Uva, nos Municípios dos Vales da Uva Goethe-SC. Cad. Prospec., Salvador, v. 10, n.2, p. 327-340, abr./jun. 2017.

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. Gráficos Municipais referentes ao Valor Bruto da Produção Rural 2016 no Núcleo Regional de Maringá. VBP/2016. Setembro, 2016. Disponível em: <http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Graficos_municipais_VBP_graregi_2016Finalparapublicacaocorrigido.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2018.

TRIVIÑOS, A. N. da S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

VALENTE, Maria Emília Rodrigues et al. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, v. 42, n. 3, 2012.

VIEIRA, A. C.; BUAINAIN, A. M. Aplicação da Propriedade Intelectual no Agronegócio. In: PLAZA, C. M. C. A. et al. (Eds.). Propriedade Intelectual na Agricultura. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Perdomo, W. M., Sartori, R., & Camargo, P. F. (2018). Indicação Geográfica para as Uvas Finas de Mesa de Marialva no Noroeste Paranaense. Cadernos De Prospecção, 11(4), 1212. https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.27132

Edição

Seção

Indicações Geográficas