ISOLAMENTO E VIOLÊNCIA NA OBRA PARAÍSO, DE TATIANA SALEM LEVY

Autores

Palavras-chave:

Literatura contemporânea, isolamento, violência.

Resumo

Esse artigo tem como objetivo analisar o efeito do isolamento da personagem Ana em sua construção identitária, na obra Paraíso (2014), da escritora contemporânea Tatiana Salem Levy. O romance denuncia a violência de gênero a partir da trajetória da protagonista e trata da formação identitária de Ana, que se isola em um sítio para lidar com seus conflitos e dúvidas. A transformação da personagem ocorre a partir do deslocamento da memória, pela qual ela realiza uma trajetória memorialística que forma um cenário de denúncia e questionamento sobre a dor da mulher violentada, expondo o construto social opressor masculino. A pesquisa se baseia nas teorias de Henri Bergson (2006), Paul Ricoeur (2010), Edward Said (2011), Lúcia Zolin (2018), entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Zeferino de Souza, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM

Doutorando em Letras - Estudos Literários pela Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Mirian Cardoso da Silva, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM

Doutoranda em Letras - Estudos Literários pela Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Mulheres tão diferentes que éramos: a escritora contemporânea e as narrativas cosmopolitas na aldeia global. In: DALCASTAGNÉ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (Orgs.). Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. São Paulo: Horizonte, 2010. p. 12-22.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo: A Experiência Vivida. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1949.

BERGSON, Henri. Memória e vida; textos escolhidos por Gilles Deleuze; Tradução: Carla Berliner - São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BORGES FILHO, Ozíris. Espaço e literatura: introdução à topoanálise – Franca, São Paulo: Ribeirão Gráfica e Editora, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Tradução: Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2ª edição, 2002.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. – Vinhedo, Editora Horizonte, 2012.

DUTRA, Paula Queiroz. O paraíso não é aqui: a violência contra mulher em Tatiana Salem Levy. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 48, p. 209-228, maio/ago. 2016.

FONSÊCA, J. S. O espaço subalterno em Nélida Piñon. In: ZOLIN, L. O.; GOMES, C. M. (orgs). Deslocamentos da escritora brasileira. Maringá: Eduem, 2011.

LEVY, Tatiana Salem Levy. Paraíso. Rio de Janeiro: Fox, 2014.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana Maria; GROSSI, Miriam Pilar. Masculino, Feminino, Plural. Gênero na interdiciplinariedade. Florianópolis-SC, Editora das Mulheres, 1998.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tomo 1. A intriga e a narrativa histórica. Tradução de Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Editora Schwarcz Ltda, 2003.

SOUZA, Patrícia Alves de. DA ROS, Marco Aurélio. Os motivos que mantêm as mulheres vítimas de violência no relacionamento violento. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n. 40, p. 509-527, 2006. Disponível em < https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/download/17670/16234/0> Acesso em 10. agos. 2020.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ZOLIN, Lúcia Osana. Estratégias de subjetificação na ficção contemporânea de mulheres: exílio, migração, errância e outros deslocamentos. In: Acta Scientiarum. Language and Culture, v. 40(2), 2018.

Downloads

Publicado

2021-09-06

Edição

Seção

Artigos