O ORAL COMO OBJETO DE ENSINO NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Autores

  • Leidiane Raimundo Cordeiro UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO/UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS
  • Gustavo Henrique da Silva Lima Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE)

Palavras-chave:

Desenvolvimento Oral, Ensino de Língua Portuguesa, BNCC.

Resumo

O presente trabalho buscou investigar quais dimensões para o desenvolvimento da expressão oral dos alunos são propostas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) nos anos finais do ensino fundamental. Para tanto, usamos, como aporte teórico, os estudos sobre a oralidade de autores como Dolz, Schneuwly e Haller (2004), Marcuschi (2004, 2005), Assunção, Mendonça e Delphino (2013), Carvalho e Ferrarezi (2018) e a pesquisa sobre as dimensões ensináveis do oral realizada por em Leal, Brandão e Lima (2012). Metodologicamente, este estudo se configura como uma análise documental (LÜDKE e ANDRÉ, 2012), a qual se deu a partir do aporte teórico-metodológico da Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011). Os resultados evidenciaram que a dimensão para o desenvolvimento do oral mais abordada na BNCC foi a da produção e compreensão de gêneros orais, ao passo que também apontou para uma progressão nas habilidades sugeridas para o ensino do oral, principalmente naquelas destinadas aos anos finais do ensino fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leidiane Raimundo Cordeiro, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO/UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

Graduada em Letras (2019) pela Universidade Federal Rural de Pernambuco/Unidade Acadêmica de Garanhuns. Atualmente, é professora de Língua Portuguesa dos anos finais do ensino fundamental.

Gustavo Henrique da Silva Lima, Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE)

É licenciado em Letras (2001) e possui Mestrado (2004) e Doutorado (2016) em Letras (área de concentração: Linguística) pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Foi professor da Educação Básica na Rede Pública de Ensino, exercendo atividades de regência e de função técnico-pedagógica. Atualmente, é Professor Adjunto 2 da Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE), onde coordenou o Núcleo de Letras do Programa Residência Pedagógica (CAPES). É membro do Conselho Deliberativo do Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL) da UFPE, onde também planeja e realiza atividades e ações direcionadas à análise e produção de material didático e formação de professores. Tem ampla experiência na área de ensino e pesquisa, atuando no campo da Linguística Aplicada, em especial em questões voltadas à didática das línguas e à análise do trabalho docente. É vice-líder do grupo de pesquisa Texto, Escrita e Sala de Aula (TEcSA/CNPq) e pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Discurso e Ensino (NUPEDE/CNPq) e do Grupo Formação docente e processos educativos (CNPq).

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola, 2003.

ASSUNÇÃO, A. de A. de; MENDONÇA, M. do C. C.; DELPHINO, R. M. Pouca ênfase no desenvolvimento da competência oral dos alunos. In: BORTONI-RICARDO, S. M.; MACHADO, V. R. (orgs). Os dozes trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo: Parábola, 2013, p. 165-177.

BARDIN, L. Definição e relação com as outras ciências. In: ______ Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011, p. 33-52.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acessado em 05 nov. 2018.

CARVALHO, R. S. de; FERRAREZI Jr, C. Oralidade: conceito e relevância. In:______. Oralidade na educação básica: o que saber, como ensinar. São Paulo: Parábola, 2018, p. 13-37.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; HALLER, S. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane H. R. Rojo e Glaís S. Cordeiro. 3. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004, p. 125-155.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; DE PIETRO, Jean-François; ZAHND, G. A exposição oral. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane H. R. Rojo e Glaís S. Cordeiro. 3. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 183-211.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; DE PIETRO, Jean-François. Relato da elaboração de uma sequência: o debate público. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane H. R. Rojo e Glaís S. Cordeiro. 3. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 213-239.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequência didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane H. R. Rojo e Glaís S. Cordeiro. 3. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 81-108.

FERRAZ, M. R. R.; GONÇALVES, A. V. Gêneros orais: práticas de ensino sem evidência. In: BUENO, L.; COSTA-HUBES, T. da C. (orgs). Gêneros orais no ensino. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015, p. 57-89.

FONSECA, A. L. da; LIMA, G.; VILELA, S. T. C. Atividades com o oral nos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Letras. 2020(no prelo).

LEAL, T. F.; BRANDÃO, A. C. P.; LIMA, J. de M. A oralidade como objeto de ensino na escola: o que sugerem os livros didáticos? In: LEAL, T. F.; GOIS, Siane (orgs). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente em foco de reflexão. Belo horizonte: Autêntica, 2012, p. 13-35.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. métodos de coleta de dados: observação, entrevista e análise documental. In: LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U, 2012, p. 25-44.

MAGALHÃES, Tânia. Concepções de Oralidade: a teoria nos PCN e PNLD e a prática nos livros didáticos. In: 30ª Reunião Nacional da ANPED – no período de 07 a 10 de outubro de 2007, Caxambu/MG. Disponível em:<http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/trabalhos/GT10-3320—Int.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2016.

MARCUSCHI, L. A. A. A oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In: DIONISIO, A. P; BEZERRA, M. A. (orgs). O livro didático de Português: múltiplos olhares. 3. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005, p. 21-34.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

MELO, C. T. V. de; CAVALCANTE, M. B. Superando os obstáculos de avaliar a oralidade. In: MARCUSCHI, B.; SUASSUNA, L. (orgs). Avaliação em língua portuguesa: contribuições para a prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 75-93.

Downloads

Publicado

2021-09-06

Edição

Seção

Artigos