UMA RELEITURA DA OBRA VIDAS SECAS DE GRACILIANO RAMOS SOB A PERSPECTIVA GRAMSCIANA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i73.47710

Palavras-chave:

Literatura crítica, Gramsci, Linguagem, Teoria social do discurso

Resumo

A releitura da obra de Graciliano Ramos (1978) Vidas Secas diante da perspectiva gramsciana trouxe à luz um debate emergente a respeito da literatura como uma forma de discurso. A partir de uma revisão bibliográfica, o presente artigo teve como objetivo discutir a importância da literatura popular tendo como prisma a obra Vidas Secas onde foi possível introduzir elementos pertinentes para a discussão, como o papel da linguagem desde a sua função mais básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense. Universitária, 2002.

DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Rio de Janeiro: Editora da Uerj, 2012.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FOSTER, Edward Morgan. Aspectos do Romance. 4. ed. São Paulo: Globo, 2005.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Vol. 6. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos de la Cárcel: Literatura y Vida Nacional. Vol. 4. México: Juan Pablos Editor, S.A., 1998.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 41ª ed. São Paulo: Record, 1978.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão Veredas. 22ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo y literatura. Barcelona: Ediciones Península, 2000.

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

LIVRAMENTO, G. UMA RELEITURA DA OBRA VIDAS SECAS DE GRACILIANO RAMOS SOB A PERSPECTIVA GRAMSCIANA. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 73, p. 98–114, 2022. DOI: 10.9771/ell.i73.47710. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/47710. Acesso em: 7 dez. 2022.