POETRY SLAM: POR UMA COMUNIDADE QUE VEM

Autores

Palavras-chave:

Poetry slam, Comunidade, Resistência

Resumo

Com sua performance corporal, seu ludismo e o desejo de partilha na esfera comum e cotidiana, o poetry slam se manifesta como expressão poética resistente tanto no âmbito dos temas quanto das formas, inovando os lugares de fala e os veículos de circulação do literário. Como acontecimento plural e democrático, fundado na experiência aberta do encontro e na tomada dos lugares de fala silenciados e marginalizados, os slams poéticos veiculam uma forma de comunidade diferenciada: inoperante, inconfessável e impossível, na linha das reflexões propostas por autores como Jean-Luc Nancy, Esposito, Blanchot e Agamben. Na desconstrução da acepção moderna de comunidade, tomada como núcleo atributivo e homogêneo, reside sua capacidade de resistência, enquanto renovadora de espaços, discursos e existências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabrielle Forster, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Estudos Literário pela UFSM, com período sanduíche na Universidad de Salamanca.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

BLANCHOT, Maurice. La comunidade inconfesable. Madrid: Editora Nacional, 2002.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Buenos Aires: Paidós, 2002.

CENA 7, Michel. Oh pátria safada (2018). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cKvpodNwckk. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

COELHO, Daysi. (2018). Vou te ensinar o que é respeito sem gastar nenhum tiro. Slam Manos e Minas. Disponível em: https://tvcultura.com.br/videos/65751_vou-te-ensinar-o-que-e-respeito-sem-gastar-nenhum-tiro.html. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

D’ALVA, Roberta Estrela. Um microfone na mão e uma ideia na cabeça. In: Synergies Brésil n° 9, 2011. pp. 119-126. Disponível em: https://gerflint.fr/Base/Bresil9/estrela.pdf. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

ESPOSITO, Roberto. Communitas. Origen y destino de la comunidade. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

FREITAS, Daniela Silva de. Slam Resistência: poesia, cidadania e insurgência. Estud. lit. bras. contemp., Brasília, n. 59, p. 1-15, 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/29317. Acesso em: 09 de abr. de 2021.

MAFFESOLI, Michel. A república dos bons sentimentos. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2009.

MAFFESOLI, Michel. El tempo de las tribos. Buenos Aires: Siglo XXI editores, 2004.

MARINHO, Felipe (2018). Coisa tá tão preta que nada mais passará em branco. Slam da Guilhermina. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wlYKFd6EhW0. Acesso em: 25 de jul. de 2020.

MARTINS, Ingrid (2018). Voa bico meu. Slam Manos e Minas. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=W2MtvjPbxI8. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

MIDRIA (2018). Eu quero um fura fila pra cultura e todas as vias de desenvolvimento. Slam sofalá. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=M5aMP0dl-Oc. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

NANCY, Jean-Luc. La comunidad inoperante. Santiago de Chile: Arcis, 2000.

NEVES, Cynthia Agra de Brito. Slams – Letramentos literários de reexistência ao/no mundo contemporâneo. Linha D’Água (online), São Paulo, v. 30, n. 2, p. 92-112, out. 2017. Disponível em: file:///C:/Users/babif/Downloads/134615-Texto%20do%20artigo-272912-1-10-20171027%20(1).pdf. Acesso em: 08 de abr. de 2021.

OLIVEIRA, Rejane Pivetta de. Literatura marginal: questionamentos à teoria literária. Ipotesi, Juiz de Fora, v. 15, n. 2 – Especial, p. 31-39, jul/dez. 2011. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/205165649/Oliveira-Rejane-Literatura-Marginal-Questionamentos-a-Teoria-Literaria-pdf. Acesso em: 08 de abr. de 2021.

PELBART, Peter Pál. Vida capital – ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PENOV, Isabela (2016). Inflamável. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cKvpodNwckk. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento – política e filosofia. São Paulo: ed. 34, 1996.

ROLNIK, Suely (1997). Uma insólita viagem à subjetividade: fronteiras com ética e cultura. Disponível em: http://www.caosmose.net/suelyrolnik/pdf/sujeticabourdieu.pdf. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

ROMÃO, Luiza (2016). A colonização foi um estupro. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SCTZK5ejxCY. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

WITTIG, Monique. El pensamiento heterosexual y otros ensayos. Barcelona: Editorial Egale, 2006.

VAZ, Sérgio. Manifesto da antropofagia periférica. In: Colecionador de pedras. 2011. Disponível em: http://colecionadordepedras1.blogspot.com/2011/05/arte-que-liberta-nao-vem-da-mao-que.html. Acesso em: 26 de jul. de 2020.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2002.

Downloads

Publicado

2021-12-11

Como Citar

FORSTER, G. POETRY SLAM: POR UMA COMUNIDADE QUE VEM. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 70, p. 563–583, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/43494. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES