O dilema da forma: o realismo e o maravilhoso em Alejo Carpentier e Mia Couto

Autores

  • Fábio Salem Daie Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.9771/2176-4794ell.v0i53.15218

Palavras-chave:

Realismo Maravilhoso, György Lukács, Alejo Carpentier, Mia Couto

Resumo

O presente artigo visa fazer uma reflexão sobre o conceito de realismo maravilhoso e sua utilização em dois romances específicos: Los Pasos Perdidos (1953), do cubano Alejo Carpentier, e O Outro Pé da Sereia (2006), do moçambicano Mia Couto. Para tanto, analisaremos a noção de realismo, tal qual expressa por György Lukács, a fim de pensar as condições de sua consecução na periferia do capitalismo. A isto deve se somar o maravilhoso, como característica reveladora da especificidade do realismo latino-americano, bem como das diferenças entre este e a ficção de Couto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Salem Daie, Universidade de São Paulo (USP)

Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV), Programa de Estudos Comparados de Literaturas em Língua Portuguesa

Downloads

Publicado

2016-10-12

Como Citar

DAIE, F. S. O dilema da forma: o realismo e o maravilhoso em Alejo Carpentier e Mia Couto. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 53, p. 104–134, 2016. DOI: 10.9771/2176-4794ell.v0i53.15218. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/15218. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Estudos Literários