O QUE CAUSA A ALTERNÂNCIA DE VERBOS AGENTIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO?

Autores

  • Janayna Carvalho USP

DOI:

https://doi.org/10.9771/2176-4794ell.v1i47.14453

Palavras-chave:

Alternância causativa, Médias, Estrutura argumental, Clítico se

Resumo

Tem sido notado na literatura sobre estrutura argumental em PB que verbos agentivos, os quais não são normalmente licenciados na alternância causativa (cf. LEVIN e RAPPAPORT-HOVAV, 1995), entram em alternâncias em português brasileiro. Essa alternância será aqui nomeada de alternância agentiva (AA). Neste artigo, eu defendo que a alternância agentiva é um subproduto da perda do clítico se, que ocupa a posição de argumento externo. Mostro que a AA é diferente da alternância causativa e que os verbos que participam da AA partilham características com médias genéricas não-marcadas. Com a perda de morfologia de voz (se), as médias não-marcadas em PB possuem uma estrutura inacusativa. Como resultado, não há diferenças de transitividade entre sentenças anticausativas e médias em PB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-10-03

Como Citar

CARVALHO, J. O QUE CAUSA A ALTERNÂNCIA DE VERBOS AGENTIVOS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO?. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, v. 1, n. 47, 2013. DOI: 10.9771/2176-4794ell.v1i47.14453. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/14453. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos