Os muitos cravos de Abril: ecos da Revolução Portuguesa em além-mar

Autores

  • Maria Perla Araújo Morais Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.9771/2176-4794ell.v0i53.14145

Palavras-chave:

Revolução dos Cravos, Mia Couto, Independência moçambicana.

Resumo

No romance Vinte e Zinco, o escritor moçambicano Mia Couto destaca os conflitos nas colônias africanas portuguesas às vésperas da Revolução dos Cravos. Verificamos, na obra, a discussão sobre o esfacelamento da ordem colonial e sobre a futura independência de Moçambique. De um lado, Mia Couto, nessa releitura do passado, busca entender a relação entre Revolução e independência. Atesta o esgotamento do sistema colonial em terras moçambicanas antes da Revolução Portuguesa. De outro lado, a futura independência das nações africanas é posta em questão, ao se debater as diferentes respostas ao jugo português, como a luta armada e os projetos políticos socialistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Perla Araújo Morais, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Literatura Comparada pela UFF. Professora de Literatura Portuguesa do Curso de Letras da Universidade Federal do Tocantins

Downloads

Publicado

2016-10-12

Como Citar

MORAIS, M. P. A. Os muitos cravos de Abril: ecos da Revolução Portuguesa em além-mar. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 53, p. 68–84, 2016. DOI: 10.9771/2176-4794ell.v0i53.14145. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/14145. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

Estudos Literários