MULHERES NA COMUNICAÇÃO EM CIDADES DE INTERIOR:

DIFERENÇAS DE GÊNERO NAS ROTINAS DE TRABALHO A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO EM IMPERATRIZ (MA)

Autores

  • Michele Goulart Massuchin Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Daniele Silva Lima Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

DOI:

https://doi.org/10.9771/contemporanea.v19i2.34871

Palavras-chave:

Gênero, Comunicação, Profissionais Mulheres

Resumo

Este artigo tem por objetivo abordar como problemas relativos às diferenças de gênero aparece no cotidiano das mulheres que trabalham na área da comunicação. Embora parte significativa das pesquisas esteja concentrada na observação de capitais e dos grandes veículos de comunicação, este estudo busca identificar questões de gênero em Imperatriz, no Maranhão, um cenário de interior, em que a área passa por um processo tardio de desenvolvimento. A abordagem metodológica leva em consideração três processos: mapeamento das comunicadoras, aplicação de questionário e realização de entrevistas. Como dados de análise, tem-se informações de 56 mulheres que responderam um questionário – 85% do total mapeado na cidade – e de dez entrevistas realizadas posteriormente. Os resultados indicam dificuldades para se impor no mercado, a ausência do posicionamento das empresas sobre o tema e barreiras para expor os problemas em função das relações de proximidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Goulart Massuchin, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Professora do programa de Pós-Graduação em Comunicação e da Pós-Graduação em Ciência Política da UFPR. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública (CPOP) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). E-mail: mimassuchin@gmail.com.

Daniele Silva Lima, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Bolsista de Iniciação Científica, graduanda em Jornalismo, membro do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Política e Sociedade (COPS).

Referências

ABRAJI. Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Relatório sobre Mulheres no Jornalismo, 2017. Disponível em: http://mulheresnojornalismo.org.br/. Acesso em: 14 de mar. 2018.

ARAÚJO, Gabriela Monteiro. Relações de poder e a resiliência das feministas rurais no Nordeste. In: 18° Redor. Anais...Paraíba, 2014.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisa de Survey. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

BALDIN, Nelma; MUNHOZ, Elzira M. Bagatin. Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In: Congresso Nacional de Educação. 2011. p. 329-341.

BERGAMO, Alexandre; MICK, Jacques; LIMA, Samuel. Perfil do Jornalista Brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular, 2013.

BIROLI, Flávia. Gênero e Desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRITO, Nayane; PINHEIRO, Roseane. Jornalismo em Imperatriz-MA: memória, vozes e representações. In: VII Encontro Nacional de História da Mídia, Anais... Guarapuava, 2011.

DUARTE, Jorge. Entrevistas. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina; MESSA, Márcia Rejane. Os estudos de gênero na pesquisa em comunicação no Brasil. In: ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Comunicação e gênero: a aventura da pesquisa. Porto Alegre: EdIPUCRS, 2008.

FIGARO, Roseli. A triangulação metodológica em pesquisas sobre a Comunicação no mundo do trabalho. Revista Fronteiras, v. 16, n. 2, 2014.

FRANKS, Suzanne. Women and journalism. I.B: Tauris, 2013.

GUAZINA, Liziane Soares et al. Respeita as mina! Análise discursiva sobre os desdobramentos da crônica “A estagiária/O primeiro dia de trabalho de Melissinha” do Correio Braziliense. Brazilian Journalism, Research, v. 14, n. 1, 2018.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2014. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros.pdf. Acesso em: 18 mai de 2018.

JOHN, Valquiria Michela. Jornalismo esportivo e equidade de gênero: a ausência das mulheres como fonte de notícias na cobertura dos jogos olímpicos de Londres 2012. Estudos em Jornalismo e Mídia. v. 11, n. 2, 2014.

LEITE, Aline Tereza Borghi. Profissionais da mídia em São Paulo: um estudo sobre profissionalismo, diferença e gênero no jornalismo. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

MARTINEZ, Monica; LAGO, Cláudia; LAGO, Mara Coelho de Souza. Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Famecos, v. 23, n. 2, 2016.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Caleidoscópio Convexo: mulheres, política e mídia. São Paulo: Unesp, 2010.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

NORTH, Louise. The Gender of “soft” and “hard” news: Female journalists views on gendered story allocations. Journalism Studies, v. 17, n. 3, p. 356-373, 2016.

OLIVEIRA, Ana Paula; OLIVEIRA, Nathalia Lainetti. A mulher no jornalismo esportivo. Rev. Observatório, v.3, n.5, p. 402-424, 2017.

PONTES, Felipe Simão. Desigualdades estruturais de gênero no trabalho jornalístico: o perfil das jornalistas brasileiras. E–compós, v.20, n.1, 2017

ROCHA, Paula Melani. As Mulheres Jornalistas no Estado de São Paulo: o processo de profissionalização e feminização da carreira. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

ROCHA, Paula Melani; Sousa, Jorge Pedro. O mercado de trabalho feminino em jornalismo: análise comparativa entre Portugal e Brasil. Impulso, v. 21, n. 51, 7-18, 2011.

ROCHA, Paula Melani; WOITOWICZ, Karina Janz. O processo de feminização do jornalismo: da invisibilidade às mudanças no mercado profissional. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero. Anais... Florianópolis, 2017.

SANTOS, Marli; TEMER, Ana Carolina Rocha Pessôa. Jornalismo no feminino: a mulher jornalista, subjetividades e atuação profissional. Comunicação & Sociedade, v. 38, n. 3, p. 35-58, 2016.

SARMENTO, Rayza. Quem faz a sua maquiagem? A senhora sabe cozinhar?: Estereótipos sobre o feminino na entrevista de Dilma Rousseff à Patrícia Poeta. IV Encontro Nacional da ULEPICC. Anais... Rio de Janeiro, 2012.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, n. 20, n. 2, 1995.

SHOEMAKER, Pamela.; Vos, Tim. Gatekeeping theory. New York, NY: Routledge, 2009.

SILVA, Nathalia Cunha; GONÇALVES, Elizabeth Moraes. O discurso das mulheres fotojornalistas: desequilíbrio entre trabalho remunerado e maternidade como apelo profissional. Brazilian Journalism Research, vol. 14, n. 1, 2018.

SILVA, Marcia. Gênero: um ingrediente distintivo nas rotinas produtivas do jornalismo. Estudos de Jornalismo e Mídia, v. 9, n. 2, p. 490- 505, 2012.

SILVA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo: Modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

STOCKER, Pâmela Caroline; DALMASO, Silvana Copetti. Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha. Estudos Feministas, v. 24, n. 3, p. 679-690, 2016.

VALENZUELA, Sebastian; CORREA, Teresa. Press coverage and public opinion on women candidates: The case of Chile's Michelle Bachelet. International Communication Gazette, v. 71, n. 3, p. 203-223, 2009.

Downloads

Publicado

2021-11-01

Edição

Seção

Artigos