EXPERIÊNCIAS ETNOGRÁFICAS NA QUIMBANDA NORTE-MINEIRA:

REFLEXÕES INICIAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/revpre.v10i10.37583

Palavras-chave:

Etnografia, Experiências etnográficas, Quimbanda, Religiões afro-brasileiras

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre as experiências etnográficas que tive junto a uma comunidade religiosa de Quimbanda no norte de Minas Gerais. Desde o início de 2019 realizo trabalho de campo no Centro Espírita Estrela do Oriente, terreiro dirigido por dona Rosa e Pássaro Preto na cidade de Montes Claros. Duas questões irão conduzir o texto, as quais acredito que são impreteríveis quando se discute etnografia: a natureza da antropologia, disciplina em que a etnografia está situada; e a transformação do pesquisador, enquanto dimensão essencial no empreendimento etnográfico. Argumento que a noção de força e o telurismo das práticas religiosas possibilitam uma porta de entrada ao modo próprio como a Quimbanda coloca e resolve suas questões. Procurei seguir uma definição da antropologia como a busca de conceitos nativos para descrever o mundo por eles mobilizados, conforme apontado por Viveiros de Castro (2002). Ou seja, uma simetria entre discursos – do antropólogo e do nativo – “em busca de outros mundos possíveis”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taisa Domiciano Castanha, Pós-Afro/UFBA

Mestre em Sociologia (PPGS/UFMG) e doutoranda em Estudos Étnicos e Africanos (Pós-Afro/UFBA)

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

Castanha, T. D. (2022). EXPERIÊNCIAS ETNOGRÁFICAS NA QUIMBANDA NORTE-MINEIRA: : REFLEXÕES INICIAIS. Revista Prelúdios, 10(10), 202–221. https://doi.org/10.9771/revpre.v10i10.37583