Prospecção Tecnológica em Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro

Autores

  • Maísa Magalhães Alcantara Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Suzana Borschiver Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria Simone de Menezes Alencar Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.44320

Palavras-chave:

Ambiente Inovador, Prospecção Tecnológica, NITs.

Resumo

O objetivo geral deste artigo é entender o gerenciamento de recursos e know how que têm tornado viáveis estudos de prospecção tecnológica nos NITs do Estado do Rio de Janeiro. Desse modo, foi realizada uma análise acerca da criação de um ambiente inovador no Brasil e sobre a criação dos NITs, os quais possuem como uma de suas competências a realização de estudos de prospecção tecnológica. Para embasar a pesquisa, foram realizados estudos de caso a partir de uma seleção de NITs do Estado do Rio de Janeiro, esses NITs alegaram realizar estudos de prospecção tecnológica para o FORMICT ano base 2017 e disseram ser integrantes da REPICT. Percebeu-se que são poucos os estudos de prospecção tecnológica mais elaborados, já que os NITs selecionados possuem poucos profissionais na equipe dedicados a esses estudos. Mesmo com poucos estudos, resultados benéficos têm sido percebidos pelos NITs estudados ao efetuarem os estudos de prospecção tecnológica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maísa Magalhães Alcantara, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Administração Pública pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2017). Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Estudante no grupo de pesquisa Propriedade Intelectual, Instrumento de Desenvolvimento Econômico e Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Públicas, tendo como área de pesquisa a Gestão de Inovação. 

Suzana Borschiver, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Engenheira Química, com doutorado e pós doutorado na área de Gestão e Inovação Tecnológica, com experiência de 25 anos na área de Gestão e Inovação Tecnológica, Organização e Estudos Industriais, Informação e Prospecção tecnológica, Estudos de cadeias produtivas, Economia circular, Bioenergia, Transição Energética e RoadMap Tecnológico. Professora Titular da Escola de Química da UFRJ, Líder/Coordenadora do NEITEC (Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos www.neitec.eq.ufrj.br) e Líder e pesquisadora de grupos do CNPQ, como o grupo de Propriedade Intelectual e Inovação. Perita Cadastrada no TJRJ Propriedade Industrial e Patentes. Atua na graduação e na pós-graduação como membro permanente em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos, no Mestrado Profissional em Petroquímica, no Programa de Engenharia Ambiental (PEA), com a Escola Politécnica/UFRJ. Vice Coordenadora RJ do Profnit (Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação) e Coordenadora das disciplinas Prospecção Tecnológica e Políticas Públicas. Autora de inúmeros artigos, mais de 60 teses orientadas, capítulos de livros e livros como: Technology Roadmap: Planejamento Estratégico para alinhar Mercado-Produto-Tecnologia. Membro da Comissão de Tecnologia da ABIQUIM, e do Conselho Consultivo da ABEQ (Associação Brasileira de Engenharia Química). Coordenadora do Projeto de Extensão Catalisando a Economia Circular. Experiência nacional e internacional como coordenadora de projetos, workshops e cursos.

Maria Simone de Menezes Alencar, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora adjunta da UNIRIO, doutora na área de Gestão e Inovação Tecnológica pela Escola de Química da UFRJ, realizou pesquisas durante o doutorado no Finland Future Research Center, no âmbito da Rede SELF-RULE (Strategic European and Latin-American Foresight for Research and University Learning Exchange). Tem mestrado em Ciência da Informação pela UFRJ/IBICT, mestrado em Engenharia Química pela USP e graduação em Engenharia Química pela UFRuRJ. Professora permanente do Mestrado Profissional em Biblioteconomia (PPGB) e do Doutorado em Enfermagem e Biociências (PPGENFBIO) da Unirio. Coordenou o Projeto Latin American Social Innovation Network (LASIN) na Unirio, fomentado pela União Europeia. Foi organizadora do 1o. TEDxUnirio, com o tema Escassez e Abundância. Foi a primeira Coordenadora de Inovação Tecnológica, Cultural e Social da Unirio. É coordenadora do Laboratório de Ciência Aberta e Dados de Pesquisa para apoio à Inovação (LabINOVA), financiado pela FAPERJ. Tem experiência na área de informação científica e tecnológica atuando principalmente nos seguintes temas: ciência aberta,bibliometria, prospecção tecnológica, análise de patentes, gestão de dados de pesquisa e mineração de dados/textos.

Referências

ALCANTARA, M. M. Inovação em Políticas de CT&I: um estudo de caso da implantação do NIT na UNIRIO. 2017. 75f. Monografia (Graduação) – Curso de Administração Pública, Departamento de Administração, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

ALENCAR, M. S. M. Estudo de Futuro através da aplicação de Técnicas de Prospecção Tecnológica: o caso da Nanotecnologia. 2008. 193f. Tese (Doutorado) – Curso de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos, Área de Gestão e Inovação Tecnológica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

ANDRADE, H. S.; TORKOMIAN, A. L.; CHAGAS JR., M. F. (org.). Boas Práticas de Gestão em Núcleos de Inovação Tecnológica: Experiências Inovadoras. Jundiaí: Edições Brasil, 2018. v. 1.

ANTUNES, A. M. S. et al. Métodos de Prospecção Tecnológica, Inteligência Competitiva e Foresight: principais conceitos e técnica. In: RIBEIRO, N. M. et al. Prospecção Tecnológica – PROFNIT. Salvador: UFBA, 2018. v. 1. p. 19-99.

BAHRUTH, E. B.; ANTUNES, A. M. S.; BOMTEMPO, J. V. Prospecção tecnológica na Priorização de Atividades de C&T: caso QTROP-TB. In: ANTUNES, A. M. S.; PEREIRA JR., N.; EBOLE, M. F. Gestão em Biotecnologia. ed. 1. Rio de Janeiro: E-papers, 2006. v. 1. P. 300-324.

BASSI, N. S. et al. O uso de estudos prospectivos na elaboração do planejamento estratégico de uma instituição científica-tecnológica brasileira. Parceria Estratégica, Brasília, DF, v. 18, n. 37, p. 173-192, jul-dez., 2013. Disponível em: http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/729/669. Acesso em: 17 jun. 2019.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 de dezembro de 2004 e retificado em 16 de maio de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 10 out. 2018.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Altera a Lei de Inovação. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 de janeiro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11196.htm. Acesso em: 10 out. 2018.

BRASIL. Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil: relatório FORMICT 2017. Brasília, DF: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI, 2019.

COELHO, G. M. et al. Caminhos para o desenvolvimento em prospecção tecnológica: Technology Roadmapping – um olhar sobre formatos e processos. Parcerias Estratégicas, Brasília, DF, n. 21, p. 199-234, dez. 2005.

DESLANDES, S. F. O Projeto de Pesquisa como Exercício Científico e Artesanato Intelectual. In: MINAYO, M. C. de S. et al. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 31-60.

EBSCO CONNECT. Pesquisa com operadores booleanos. Nov. 2018. Disponível em: https://connect.ebsco.com/s/article/Pesquisa-com-Operadores-Booleanos?language=en_US. Acesso em: 1º jun. 2020.

ETZKOWITZ, Henry; ZHOU, Chunyan. Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 90, maio-ago. 2017.

GIMENEZ, A. M. N.; BONACELLI, M. B. M. Repensando o Papel da Universidade no Século XXI: Demandas e Desafios. RTS, Curitiba, v. 14, n. 34, out.-dez. 2013.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LONGA, L. C. D. Prospecção Tecnológica: conceito e aplicação. In: ANDRADE, H. S. A. et al. Ciência e a Tecnologia do Futuro: aplicação dos métodos de previsão e prospecção no âmbito científico-tecnológico e social. Jundiaí: Edições Brasil, 2018. P. 17-26.

MILES, I. et al. Technology foresight in transition: Technological Forecasting and Social Change. Elsevier, [s.l.], v. 119, p. 211-218, 1º jun. 2017.

MINAYO, M. C. de S. et al. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

NELSON, R. R. Sistemas nacionais de inovação: retrospecto de um estudo. In: NELSON, R. R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 427-468.

OCDE – ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Traduzido pela FINEP, 1997.

PARANHOS, J.; CATALDO, B.; ANDRADE, A. C.; Criação, institucionalização e funcionamento dos Núcleos de Inovação Tecnológica no Brasil: características e desafios. REAd – Revista Eletrônica de Administração, [s.l.], v. 24, n. 2, p. 253-280, 2018. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/50825/criacao--institucionalizacao-e-funcionamento-dos-nucleos-de-inovacao-tecnologica-no-brasil--caracteristicas-e-desafios. Acesso em: 20 out. 2019.

POPPER, R. Foresight methodology. In: GEORGHIOU, L. et al. (ed.). The handbook of technology foresight: concepts and practice. Cheltenham Glos: Edward Elgar Publishing, 2008. p. 44-88.

PROFINIT – PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA A INOVAÇÃO. Rede Profinit. [2019]. Disponível em: http://www.profnit.org.br/pt/sample-page/. Acesso em: 21 nov. 2019.

QUINTELLA, C. M. et al. Prospecção Tecnológica como uma Ferramenta Aplicada em Ciência e Tecnologia para se Chegar à Inovação. RVQ, Salvador, v. 3, n. 5, p. 406, 2011.

REDETEC – REDE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. REPICT. [2019]. Disponível em: https://www.redetec.org.br/?cat=12. Acesso em: 21 nov. 2019.

SANTOS, M. M. et al. Prospecção de Tecnologias de Futuro: métodos, técnicas e abordagens. Parcerias Estratégicas, [s.l.], n. 19, p. 189-229, dez. 2004.

SCHOT, Johan; STEINMUELLER, W. Edward. Three frames for innovation policy: R&D, systems of innovation and transformative change. Research Policy, [s.l.], v. 47, ed. 9, nov. 2018. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048733318301987. Acesso em: 12 out. 2019.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1984.

TRZECIAK, D. S.; CORAL, E.; PEREIRA, G. L. Estruturação e Planejamento de Núcleos de Inovação Tecnológica. Pronit, julho, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e Métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Alcantara, M. M., Borschiver, S., & Alencar, M. S. de M. (2021). Prospecção Tecnológica em Núcleos de Inovação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro. Cadernos De Prospecção, 14(4), 1112–1129. https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.44320

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento