Aspectos da Segurança da Informação da Propriedade Intelectual nos Institutos Federais: uma análise por meio dos documentos institucionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v13i5.33783

Palavras-chave:

Institutos Federais, Propriedade Intelectual, Segurança da Informação

Resumo

Ao longo da última década, os Institutos Federais (IFs) têm ampliado a proteção da Propriedade Intelectual (PI). Por outro lado, o número de crimes cibernéticos nos órgãos federais vem crescendo, já que, em 2017, foram notificados 28.147 incidentes de segurança da informação. Nesse cenário, ressalta-se as dificuldades e as limitações enfrentadas pelos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) e pelos Departamentos de Tecnologia da Informação (DTI) dos IFs. Diante do exposto, o presente trabalho tem por objetivo traçar um panorama sobre a gestão da segurança da informação no âmbito dos NITs dos IFs da Região Nordeste do Brasil, por meio de análise de documentos institucionais que permeiam os NITs e DTIs, utilizando como instrumento metodológico uma pesquisa documental. A pesquisa demonstrou que os regulamentos não contemplam mecanismos suficientes para proteger as PIs, além de mostrar falta de convergência entre o NIT e o DTI, propiciando um ambiente mais vulnerável na proteção do conhecimento institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Nogueira Albert Loureiro, IFPE / UFS

Doutorando e Mestre em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe - UFS. Especialista em Gestão da Informação (MBA) pelo departamento de Engenharia de Produção da UFPE, Graduado em Redes de Computadores pela Universidade Salgado de Oliveira. Técnico em Informática pela Unibratec. Professor de informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE)

Gabriel Francisco da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal da Paraíba (1988), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal da Paraíba - Campus II - Campina Grande (1991) e doutorado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Atualmente é professor associado do Núcleo de Engenharia de Petróleo da Universidade Federal de Sergipe. Participa dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia Química, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Propriedade Intelectual e Pós-Graduação de Rede Nordestina em Biotecnologia. Atua nas áreas de Operações de Separação e Mistura, Tecnologia Química e Energias Renováveis, especificamente em desenvolvimento de tecnologia em petróleo, gás, biocombustível, bioenergia, energias renováveis, tratamento de água e efluentes, secagem,extração com fluido supercrítico, escoamento, propriedades termofísicas, processamento de produtos agroindustriais, modelagem termodinâmica e fluidodinâmica computacional. Atualmente é bolsista Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora ? DT 1D - 2016-2019.

Márcio Vilar França Lima, IFPE

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal de Pernambuco (2005), mestrado em Química pela Universidade Federal de Pernambuco (2007) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente é prof. de ensino básico/técnico/tecnológico do Instituto Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Eletroquímica, atuando principalmente nos seguintes temas: electrocatalytic hydrogenation, eletrocatálise, hidrogenação, planejamento fatorial e ciclodextrina.

Frederico Duarte de Menezes, IFPE

Possui graduação em Bacharelado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Pernambuco (2004), Bacharelado em Engenharia da Computação pela Universidade de Pernambuco (2009), Mestrado (2006) e Doutorado (2011) em Química pela Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química Coloidal, atuando principalmente nos seguintes temas: nanopartículas de semicondutores (quantum dots) de diversos tipos (CdTe, ZnSe, ZnS, etc.), biomarcadores e funcionalização de nanopartículas. Também vem desenvolvendo alguns trabalhos na área de sistemas computacionais inteligentes para aplicação em bioinformática. Atualmente, coodenando o Núcleo de Inovação Tecnológica do IFPE.

Referências

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 27002:2013: Tecnologia da informação – Técnicas de segurança – Código de prática para a gestão da segurança da informação. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

BRASIL. Decreto n. 3.505, de 13 de junho de 2000. Institui a Política de Segurança da Informação nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. Brasília, DF: Casa Civil, 2000.

BRASIL. Gabinete de Segurança Institucional. Estatísticas de incidentes computacionais em órgãos de governo e vinculados – dados para diagnóstico, 2017. Brasília, DF, 2017. Disponível em: https://www.ctir.gov.br/estatisticas/. Acesso em: 15 dez. 2018.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo. Brasília, DF: Presidência da República, Casa Civil, 2004.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Dispõe sobre a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília, DF: Presidência da República, Casa Civil, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Termo de Acordo de Metas e Compromissos Ministério da Educação. Institutos Federais. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do Art. 5º, no inciso II do § 3º do Art. 37 e no § 2º do Art. 216 da Constituição Federal. Brasília, DF: Presidência da República, Casa Civil, 2011.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações. Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil: relatório FORMICT 2011. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações. Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil: relatório FORMICT 2017. Brasília, DF, 2019a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de educação profissional e tecnológica. 2019b. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal. Acesso em: 20 fev. 2019.

CERVO, Amado Luiz. BERVIAN, Pedro Alcino. SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

FERREIRA, F. N. F.; ARAÚJO, M. T. Política de segurança da informação. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008.

LEITE, Soraya Helena Coelho; IKEGAKI, Luciana Maria Baiocco. Confidencialidade e propriedade intelectual: aspectos gerais. Publicações da Escola da AGU, [S.l.], v. 2, n. 14, 2012.

LIMA JÚNIOR, G. A. Núcleo de Inovação Tecnológica: da criação ao momento atual. In: SOUZA, Ruberley Rodrigues de. (org.). Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 1. ed. Goiânia: Editora IFG, 2017. v.1. p. 179-188.

LYRA, M. R. Segurança e auditoria em sistemas de informação. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008.

OLIVEIRA, Hércules Rodrigues. Propriedade Intelectual: uma visão de Contrainteligência. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, DF, Abin, v. 67, 2012.

QUEIROZ NETO, J. P.; PEREIRA, J. L. A. R.; NAKA, M. H. A Evolução da Pesquisa na Rede Federal. In: SOUZA, Ruberley Rodrigues de. (org.). Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 1. ed. Goiânia: Editora IFG, 2017. v.1. p. 35-46.

RIOS, O. K. L.; RIOS, V. P. S.; TEIXEIRA, J. G. A. Melhores práticas do COBIT, ITIL e ISO/IEC 27002 para implantação de política de segurança da informação em Instituições Federais do Ensino Superior. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 17, n. 1, p. 130-153, jan.-abr. 2017.

SÁ-SILVA, Jackson Ronie; DE ALMEIDA, Cristóvão Domingos; GUINDANI, Joel Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, [S.l.], v. 1, n. 1, 2009.

SÊMOLA, M. Gestão da Segurança da Informação: uma visão executiva. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

SILVA, C. J. R. (org.). Institutos Federais – Lei n. 11.892, de 29/12/2008: comentários e reflexões. Brasília, DF: Editora do IFRN, 2009.

SILVA, D. R. P.; STEIN, L. M. Segurança da Informação: uma reflexão sobre o componente humano. Ciências & Cognição, [S.l.], v. 10, 2007.

SOUSA, Edilson Leite de. Investigação do processo de aplicação das tecnologias da informação e comunicação na gestão dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. 2015. 130 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Albert Loureiro, R. N., da Silva, G. F., França Lima, M. V., & de Menezes, F. D. (2020). Aspectos da Segurança da Informação da Propriedade Intelectual nos Institutos Federais: uma análise por meio dos documentos institucionais. Cadernos De Prospecção, 13(5), 1321. https://doi.org/10.9771/cp.v13i5.33783

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento