Indicação de Procedência das Louças Produzidas no Quilombo no Maruanum – AP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33089

Palavras-chave:

Indicação Geográfica, Louceiras do Maruanum, Amapá

Resumo

Pretende-se identificar, a partir dos resultados obtidos, a possibilidade do pedido de IG junto ao INPI das louças produzidas no Quilombo do Maruanum. Visto que o processo para coleta da matéria-prima e as técnicas tradicionais utilizadas para esta produção apresentam distinguibilidade de outras produções artesanais do Brasil e apresentam também características típicas do solo e da floresta das regiões amazônicas que sofrem influências da maré. Além de (re)existir todo um ritual ancestral afro-brasileiro desde a retirada dessa matéria-prima, do respeito ao solo, do processo de seleção inicial sobre quem/quais louceiras estão aptas para esse momento de coleta – considerado sagrado – até a mística de como as mulheres quilombolas se relacionam com a natureza (princípio das religiões de Matriz Africana). Concluiu-se que os resultados apresentados na mídia, nos bancos de dissertações/teses e por meio das diversas pesquisas acadêmicas contribuem para a notoriedade da tecnologia tradicional e no processo de fabricação das louças maruanaenses.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcio Dias das Neves, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá, Macapá, AP, Brasil

Professor do eixo de Produção Cultural e Design pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá - IFAP; Doutorando em Comunicação, Cultura e Amazônia - PPGCOM/UFPA; Mestre em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação - PROFNIT/UNIFAP; Relações Públicas e líder do Grupo de Pesquisa Gestão, Comunicação e Inovação Tecnológica, com ênfase em Comunidades Tradicionais da Amazônia (GesComIT/Amazônia). 

Robson Antonio Tavares Costa, Universidade Federal do Amapá, Macapá, AP, Brasil

Professor Adjunto do curso de Administração da Universidade Federal do Amapá e coordenação do curso de Gestão Pública (EAD) desta mesma Universidade. Durante os anos de 2016 até 2018 atuou como professor visitante no mestrado em Gestão Empresarial da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia de Lisboa-Portugal. Foi consultor do Sebrae de 2003 à 2012. Atualmente atua como docente colaborador do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (ProfNIT/CAPES).

Luiz Antonio da Silva Goncalves, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Doutorando em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia, DMMDC/UFBA e Mestre em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pela Universidade Federal da Bahia, PROFNIT/UFBA.

Antonio Augusto Costa Soares, Universidade Federal do Amapá, Macapá, AP, Brasil

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal do Amapá (2008). Atualmente é advogado - ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO AMAPÁ. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Público e Criminal. Mestrando do Programa de Pós - Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - PROFNIT/UNIFAP. Professor no curso de Pós Graduação "Latu Sensu" em Advocacia Criminal no Módulo Execução Penal/ Recursos e Ações Constitucionais - promovida pela Escola Superior de Advocacia do Amapá ESAAP e Instituto Jamil Sales em parceria com a FABEL.

Alaan Ubaiara Brito, Universidade Federal do Amapá, Macapá, AP, Brasil

É professor Associado 1 da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), nesta instituição foi Coordenador de Curso de Graduação, Diretor do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia e Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação. Atualmente atua como docente efetivo no curso de graduação em Engenharia Elétrica, no Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) e no Programa de Pós-graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (PROFNIT). Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Energias Renováveis e Eficiência Energética, atuando principalmente nos temas: Sistemas Fotovoltaicos, Sistemas Eólicos de Pequeno Porte, Sistemas Híbridos e Edificações Energeticamente Autônomas e Eficientes.

Referências

ALMEIDA, M. R. A obra realiza-se com a arte. In: ALMEIDA, M. R. Artesanato Brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1980. p. 54-57.

ALMEIDA, Heraldo. Maruanum: a riqueza que vem do barro. Diário do Amapá, Macapá, Editoria da Cultura, 14 nov. 2016. Disponível em: https://www.diariodoamapa.com.br/cadernos/nota-10/maruanum-a-riqueza-que-vem-do-barro/. Acesso: 15 maio 2019.

ARANTES, Antônio Augusto. Patrimônio imaterial e referências culturais. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 147, p. 129-149, out.-dez. 2001.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Lei da Inovação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm. Acesso em: 29 out. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Lei de Propriedade Intelectual. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm. Acesso em: 29 out. 2019.

CALDAS, A. S.; ARAÚJO, C. C.; COURY, R. L. M. As Indicações Geográficas (IGs) como estratégia de Desenvolvimento Territorial: desafios e potencialidades no Distrito de Maragogipinho, Aratuípe, BA. Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE, Salvador, BA, ano XIX, v. 3, n. 38, p. 81-108, dezembro de 2017.

COIROLO, Alicia Durán. Atividades e tradições dos grupos ceramistas do Maruanum (AP). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Antropologia, p. 71-94, v. 7, n. 1, jun. 1991.

DALLABRIDA, Valdir Roque; MAIORKI, Giovani José. A Indicação Geográfica de produtos: um estudo de caso sobre a contribuição econômica no desenvolvimento regional. Interações, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, jan.-jun. 2015.

ETZKOWITZ, H. Innovation in Innovation: The Triple Helix of University-IndustryGovernment Relations. Social Science Information, [s.l.], v. 42, n. 3, p. 293-337, 2003.

FERREIRA, Fabricio Costa. “Desde que me entendi”: Tecendo saberes e fazeres relativos à louça da Comunidade Quilombola do Maruanum, Amapá, AP. 2016. 199f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

GIL, Antônio C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 176 p.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Área territorial oficial: Resolução da Presidência do IBGE de n. 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. [2018]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ap.html. Acesso em: 1º ago. 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características Gerais da População, Censo Demográfico 2000: Resultados da Amostra. [S.l.]: IBGE, 2010.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Instrução Normativa n. 95/2018: estabelece as condições para o Registro das Indicações Geográficas. Ministério da Industria, Comercio Exterior e Serviços. 28 de dezembro de 2018.

JESUS, Renata Gomes de; ARAÚJO, Paula Mara Costa de. A Arte de fazer Panela de Barro como Prática para o Desenvolvimento Local: o caso das panelas de goiabeiras. In: XXXVII ENCONTRO DA ANPAD. Rio de Janeiro, RJ, de 7 a 11 de setembro de 2013. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2013.

KAKUTA, S. M. et al. Indicações Geográficas: guia respostas. Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2006.

PROFNIT. Regimento Nacional do PROFNIT. DOU, artigo 24. [2009]. Disponível em https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Revogada-Portaria-Normativa-n_7-22- de-junho-2009-Mestrado-Profissional.pdf. Acesso em 28 out. 2018.

QUILOMBOLA. Patrimônio Cultural. [2019]. Disponível em: http://comunidades.lides.unifap.br/index.html. Acesso em: 1º ago. 2019.

SANTOS, Katia Paulino. Associação de Mulheres Louceiras do Maruanum (ALOMA): tradição e economia no estado do Amapá – Amazônia – Brasil. Revista Gestão em Análise – ReGeA, Unichristus, Portugal, v. 5, n. 2. p. 47-63, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/317145668_ASSOCIACAO_DE_MULHERES_LOUCEIRAS_DO_MARUANUM_ALOMA_TRADICAO_E_ECONOMIA_SOLIDARIA_NO_ESTADO_DO_AMAPA-AMAZONIA-BRASIL. Acesso em: 15 maio 2019.

SILVA, André. Cultura: Louceiras do Maruanum, entre mitos e lendas. Seles Nafes, Macapá. 29 ago. 2015. Disponível em: https://selesnafes.com/2015/08/cultura-louceiras-do-maruanum-entre-mitos-e-lendas/. Acesso em: 14 maio 2019.

SILVANI, Juliana Morilhas. O valor da cultura: um estudo de caso sobre a inserção da louça do Maruanum/AP no mercado e sua relação com a preservação do patrimônio cultural. Brasília, DF: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2012.

SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS. Indicações geográficas brasileiras. Hulda oliveira Giesbrecht, Raquel Beatriz Almeida de Minas (Coordenadoras). 5. ed. Brasília, DF: Sebrae; INPI, 2016.

VIEIRA, Adriana C. P. et al. A Indicação Geográfica como Instrumento para o Desenvolvimento de uma Região: caso indicação de procedência do “Vale da Uva Goethe” – SC. 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

Neves, L. D. das, Costa, R. A. T., Goncalves, L. A. da S., Soares, A. A. C., & Brito, A. U. (2021). Indicação de Procedência das Louças Produzidas no Quilombo no Maruanum – AP. Cadernos De Prospecção, 14(2), 633. https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33089

Edição

Seção

Indicações Geográficas