Praziquantel Associado a Alcaloide no Tratamento da Esquistossomose: prospecção tecnológica em uma perspectiva inovadora

Autores

  • Maria Glória Almeida Bandeira Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil
  • Pedro da Silva Gerônimo Neto Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil
  • João Marcelo Saraiva Ferreira Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil
  • Pablo de Matos Monteiro Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil
  • Jaqueline Silva Nascimento Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33066

Palavras-chave:

Praziquantel, Patentes, Artigos Científicos.

Resumo

A esquistossomose é uma doença negligenciada desencadeada pelo Schistosoma mansoni. O praziquantel (PZQ) é o fármaco de primeira escolha no tratamento da esquistossomose, além de outras doenças negligenciadas causadas por helmintos. Contudo, a dificuldade de adesão ao tratamento e o uso incorreto desse medicamento têm demonstrado resistência do parasito ao praziquantel. Para a elaboração deste artigo, realizou-se uma prospecção de patentes e de artigos dos principais estudos relacionados ao praziquantel. A busca foi realizada nas bases do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) do Brasil, do European Patent Office (Espacenet), do Derwent Innovations Index, do World Intellectual Property Organization (WIPO) e também em artigos indexados no Scielo e no Scopus. Usou-se as mesmas palavras chave para as buscas nas bases de patente e nas bases de artigo científico para o período compreendido entre 2008 a 2018. O número de patentes relacionadas ao praziquantel é considerado baixo quando esses resultados são comparados com o número de artigos publicados. O Brasil apresentou o maior número de artigos publicados na base de dados Scielo para o período em estudo, entretanto, isso não se reflete aos pedidos de patentes, dos quais países, como Estados Unidos e China, são os maiores detentores.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Glória Almeida Bandeira, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

Doutora em Tecnologia de Pescado pelo INPA. Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, UFPB. Engenheira de Alimentos, UFPB. Professora Associada II do Departamento de Tecnologia Química da UFMA. Coordenadora de Propriedade Intelectual - UFMA

Pedro da Silva Gerônimo Neto, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

Estudante de graduação do curso de farmácia

João Marcelo Saraiva Ferreira, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

Aluno de graduação do curso de farmácia

Pablo de Matos Monteiro, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

Estudante de graduação do curso de farmácia

Jaqueline Silva Nascimento, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil

Turismóloga e aluna do curso latu sensu em Gestão Pública Municipal

Referências

ANDREWS, P. Praziquantel: mechanisms of anti-schistosomal activity. Phamacology and Therapeutics, Amsterdam, v. 29, n. 1, p. 129-156, 1985.

ANSEL, H. C.; POPOVICH, N. G.; ALLEN, L. V. Suspensões orais, emulsões, magmas e géis. Farmacotécnica: formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 6 ed. São Paulo: Editorial Premier, [s.l.], p. 281-315, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde, Portal M.S. Esquistossomose: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Ministério da Saúde, Portal M.S. [2019]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/esquistossomose. Acesso em: 4 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância epidemiológica. Situação epidemiológica e estratégias de prevenção, controle e eliminação das doenças tropicais negligenciadas no Brasil, 1995 a 2016. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em saúde. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, Brasília, DF, v. 49, n. 49, nov., 2018.

CARVALHO, R. A. et al. Potencialidades farmacológicas da Babosa: um estudo realizado por meio das técnicas de prospecção científica e tecnológica. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 13, n. 1, p. 184-196, março, 2020.

CORDEIRO, Hérica C.; PINHEIRO, José C. Estudo de análogos do praziquantel com atividades contra Schistossoma mansoni através do uso de computador. In: XXVII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (SEMINIC). Universidade Federal do Pará: Belém, Laboratório de Química Teórica Computacional, 2016. Anais [...]. 2016.

FONSECA, Luís Bastos. Desenvolvimento de nanopartículas poliméricas contendo praziquantel para o tratamento da esquistossomose. 2012. 209f. Tese (Doutorado) – Curso de Engenharia Química, Coope, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

FURTADO, Daniel Pimenta. Controle e tratamento da esquistossomose no brasil: estudo de caso – praziquantel. Trabalho de Conclusão do Curso (Graduação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2018.

JANNUZZI, Anna Haydée Lanzillotti; SOUZA, Cristina Gomes de. Patentes de invenção e artigos científicos: especificidades e similitudes. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 5, n. 9, p. 103-125, dezembro de 2008.

KANDIL, O. The pharmaceutical industry in the Arab Word challenger, controversies and future Outlook. Drug Discovery Today, [s.l.], v. 9, n. 13, p. 543-545, 2004.

LEOPOLD, G. et al. Clinical pharmacology in normal volunteers of praziquantel, a new drug against shistosomes and cestodes. An example of a complex study covering both tolerance and pharmaco kinetica. European Journal of Clinical Pharmacology, Berlim, v. 14, n. 4, p. 281-291, 1978.

MERCK INDEX. 13. Índice Merck de produtos químicos e droga, Livro. 13° ed. New Jersey: Merck E. Corporationed. New Jersey: Merck E. Corporation, [s.l.].], p. 1.174, 2001.

NASCIMENTO, Jaqueline S. et al. Estudo prospectivo relativo à atividade antifúngica de Schinus terebinthifolius (aroeira) no período de 1990 a 2016. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 10, n. 4, p. 839-850, out.-dez. 2017.

PEREIRA, S. A. et al. Prospecção científica e tecnológica do gênero Jatropha (Euphorbiaceae). Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 2, p. 355-364, abr.-jun. 2015.

SANTOS, C. S. et al. Representações sociais de profissionais de saúde sobre doenças negligenciadas. Escola Anna Nery, Rio de janeiro, v. 21, n. 1, p. 1-9, fev. 2017.

SILVA, Andreza de Almeida e. Preparação e caracterização de granulados contendo dispersão sólida de praziquantel obtidos por fusão/solidificação em leite fluidizado. 2008. 158 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Farmácia, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.

SILVA, E. L.; NICOLETTI, M. A. Controle e tratamento das doenças negligenciadas: visão da situação atual. Rev. Saúde, [s.l.], v. 7, n. 3/4, p. 65-81, 2013.

SILVA, Vinícius B. R. et al. Medicinal chemistry of antischistosomal drugs: Praziquantel and oxamniquine. Bioorganic & Medicinal Chemistry, [s.l.], v. 25, p. 3.259-3.277, 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Esquistossomose. SBI: São Paulo, 2018. Disponível em: https://www.infectologia.org.br/pg/981/esquistossomose. Acesso em: 4 maio 2019.

WOELFLE, M. et al. Resolution of Praziquantel. PLOS Neglected Tropical Diseases, [s.l.], v. 5, n. 9, p. 1-7, 2011.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

Almeida Bandeira, M. G., Gerônimo Neto, P. da S., Saraiva Ferreira, J. M., Monteiro, P. de M., & Nascimento, J. S. (2021). Praziquantel Associado a Alcaloide no Tratamento da Esquistossomose: prospecção tecnológica em uma perspectiva inovadora. Cadernos De Prospecção, 14(2), 489. https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33066

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos