Inovação e Sustentabilidade: proposta de política pública para o desenvolvimento de parque tecnológico voltado à sociobiodiversidade amapaense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i5%20Especial.33050

Palavras-chave:

Parque Tecnológico. Sociobiodiversidade. Instituições Científicas e Tecnológicas.

Resumo

O Amapá ocupa a penúltima posição nos índices de competitividade entre os estados. Porém, compreende-se que o estado possui potencialidades que desenvolvidas de maneira sustentável podem reduzir o atraso econômico local. Assim, este estudo tem o propósito de propor uma política pública para a criação de um parque tecnológico no Amapá e, para tanto, analisará a relação sociobiodiversidade amapaense com as potencialidades de instituições científicas e tecnológicas, universidades e institutos de pesquisa. Como espaço, a pesquisa limitou-se aos municípios de Macapá e Santana, caracterizando-se como um estudo de caso, lançando mão da análise de indicadores socioeconômicos que demonstrassem o perfil regional. Baseado nos estudos realizados, foi proposto um fluxo com ações para a viabilização de um possível parque tecnológico no Amapá. Porém, verificou-se que, para a criação de um parque tecnológico no estado, é necessário que haja uma atividade econômica madura, com arranjos produtivos estruturados e atores articulados para o devido suporte aos empreendimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Luis Góes de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá - IFAP

Administrador no Instituto Federal do Amapá – IFAP e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação – PROFNIT/UNIFAP.

José Erivan Ferreira Garçon, Centro de Gestão da Tecnologia da Informação – PRODAP

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação – ProfNIT/UNIFAP. Tecnólogo em Redes de Computadores – Analista no Centro Estadual de Gestão de TI - PRODAP.

Robson Antonio Tavares Costa, Universidade Federal do Amapá – UNIFAP

Pós-Doutor em Administração, docente da Universidade Federal do Amapá – UNIFAP no Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para inovação - ProfNIT/UNIFAP. É Líder de grupo de pesquisa devidamente cadastrado no diretório de grupos de pesquisa no Brasil Lattes, foi professor Assistente do curso de Administração da Universidade Federal da Fronteira Sul-UFFS e atualmente é Professor Adjunto do curso de Administração da Universidade Federal do Amapá, coordenando o curso de Gestão Pública (EAD).

Referências

ABDI – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL; ANPROTEC – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS. Parques tecnológicos no Brasil: estudo, análise e proposições. Brasília, 2008.

ABREU, I. B. L. de et al. Parques tecnológicos: panorama brasileiro e o desafio de seu financiamento. Revista BNDES, [S.l.], v. 45, n. 1, p. 99-154, 2016.

ALMEIDA, M. E. B. Formação de educadores a distância na pós-graduação: potencialidades para o desenvolvimento da investigação e produção de conhecimento. Educação & Sociedade, São Paulo, v. 33, n. 121, p. 1053-1072, 2012.

ANPROTEC – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS. Estudo, Análise e Proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil: relatório técnico/Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília: ANPROTEC, 2012.

AMAPÁ. (Governo do Estado). Lei n. 2.333, de 25 de janeiro de 2018. Dispõe sobre indução e incentivos ao desenvolvimento do Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio de instrumentos que concedem suporte ao desenvolvimento do ambiente produtivo no Estado do Amapá e dá outras providências. Disponível em: http://www.al.ap.gov.br/pagina.php?pg=buscar_legislacao&n_leiB=2333,%20de%2025/04/18. Acesso em: 9 ago. 2019.

AMAPÁ. (Governo do Estado). O estado e a sua história: histórico. 2009. Disponível em: http://www4.ap.gov.br/Portal_Gea/historia/dadosestado-historia.htm. Acesso em: 18 maio. 2019.

BELLAVISTA, Joan; SANZ, Luis. Science and technology parks: habitats of innovation: introduction to special section. Science and Public Policy, [S.l.], v. 36, n. 7, p. 499-510, 2009.

BRASIL. Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jan. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm. Acesso em: 9 ago. 2019.

BRASIL. Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991. Dá nova redação ao § 1° do art. 3° aos arts. 7° e 9° do Decreto-Lei n. 288, de 28 de fevereiro de 1967, ao caput do art. 37 do Decreto-Lei n. .455, de 7 de abril de 1976 e ao art. 10 da Lei n. 2.145, de 29 de dezembro de 1953, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8387.htm. Acesso em: 16 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTI). Estudo de Projetos de Alta Complexidade: Indicadores de Parques Tecnológicos. Brasília: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), 2013. Disponível em: http://www.anprotec.org.br/Relata/PNI_FINAL_web.pdf. Acesso em: 1º jul. 2019.

CDT/UNB – CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE NACIONAL DE BRASÍLIA. Estudos de projetos de alta complexidade: indicadores de parques tecnológicos. Brasília: CDT/UNB, 2013.

CDT/UNB – CENTRO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE NACIONAL DE BRASÍLIA. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos. Brasília: CDT/UNB, 2014.

CLP. Ranking de Competitividade dos Estados 2017. Disponível em: https://www.clp.org.br/ranking-de-competitividade-dos-estados-2017/. Acesso em: 9 ago. 2019.

CNI – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Perfil da Indústria 2017. Disponível em: http://perfildaindustria.portaldaindustria.com.br/estado/ap. Acesso em: 9 ago. 2019

FIGUEIREDO, F. Unidades de conservação vão receber investimentos do Fundo Amapá, 2015. Disponível em: http://arpa.mma.gov.br/unidades-de-conservacao-vao-receber-investimentos-do-fundo-amapa. Acesso em: 15 ago. 2019.

FREEMAN, R. E. Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Pitman. 1984.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IASP – INTERNATIONAL ASSOCIATION OF SCIENCE PARKS. [2019]. Disponível em: http://www.iasp.ws. Acesso em: 1º ago. 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Biblioteca. Estatística mensal da produção agrícola, fevereiro 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes& id=72415. Acesso em: 22 mar. 2018.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Biblioteca. Perfil Econômico – Amapá. Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php. Acesso em: 16 jul. 2019.

MARGARIT, E. Integração do Amapá ao Circuito Produtivo da Soja. Interespaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, [S.l.], v. 4, p. 108-119, outubro, 2017.

MIGUEL, L. M. Uso sustentável da biodiversidade na Amazônia brasileira: experiências atuais e perspectivas das bioindústrias de cosméticos fitoterápicos. 2007. 171f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MME – MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Setor Mineral do Estado do Amapá. Disponível em: http://www.mme.gov.br/documents/1138775/1732815/Diagn%C3%B3stico+do+Setor+Mineral+do+Estado+do+Amap%C3%A1/baf8b84f-2fa5-4b6e-91c0-ee8bdad01e63?version=1.0. Acesso em: 19 ago. 2018.

PALADINO, G.; MEDEIROS, L. A. Parques tecnológicos e meio urbano: artigos e debates. Brasília: ANPROTEC, 1997. p. 77-84.

PORTO, J. L. R.; BRITO, D. M. C. B. A formação territorial e gestão ambiental no estado do Amapá. In: X ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA. 2005. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2005. Anais [...] São Paulo, 2005.

ROWE, D. N. E.; COMMINS, N. Success factors for science parks in the developed world and emerging economies. Johannesburg: [s.n.], 2008.

SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Site. [2019]. Disponível em: http://www.sebrae.com.br. Acesso em: 18 maio 2019.

SILVA, J. V. M. et al. Zona de Processamento de Exportação: estudo de caso em Cárcere-MT. In: EnANPAD: XXXVIII ENCONTRO DA ANPAD. 2014, Rio de Janeiro, RJ. Anais [...], Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2014_EnANPAD_APB1090.pdf. Acesso em: 16 jul. 2019.

SPENDOLINI, M. J. Benchmarking. São Paulo: Makroon Books, 1993.

SPOLIDORO, R.; AUDY, J. Parque científico e tecnológico da PUCRS: TECNOPUC. [S.l.]: Edipucrs, 2008.

VILÀ, P. C.; PAGÈS, J. L. Science and technology parks: creating new environments favourable to innovation. Paradigmes, [S.l.], May. 2008. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Paradigmes/article/view/226082. Acesso em: 1º ago. 2019.

VEDOVELLO, C. Aspectos relevantes de parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 273-300, dez. 2000.

ZOUAIN, D. M.; PLONSKI, G. A. Parques Tecnológicos: planejamento e gestão. [S.l.]: Anprotec, 2006.

Downloads

Publicado

2020-03-02

Como Citar

de Oliveira, M. L. G., Garçon, J. E. F., & Costa, R. A. T. (2020). Inovação e Sustentabilidade: proposta de política pública para o desenvolvimento de parque tecnológico voltado à sociobiodiversidade amapaense. Cadernos De Prospecção, 12(5 Especial), 1303. https://doi.org/10.9771/cp.v12i5 Especial.33050

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento