Evolução da Tecnologia Smart Contracts pela Perspectiva dos Indicadores de Patentes

Autores

  • Gildércia Silva Guedes de Araújo Instituto Federal da Paraíba
  • Katyusco de Farias Santos Instituto Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i5%20Especial.32932

Palavras-chave:

Smart Contract, Indicadores de Patente, Evolução Tecnológica

Resumo

Este artigo trata de busca de anterioridade e análise quantitativa sobre a evolução do tema smart contracts, usando o depósito de patentes como principal indicador tecnológico. Para o levantamento dos dados utilizaram-se as plataformas Questel Orbit®, Lens e Patent Inspiration, aplicando como entrada as palavras-chaves “smart contract” ou “smart contracts” para as buscas nos títulos e nas reivindicações. Foram realizadas análises Macro e Meso, com o objetivo de identificar os indicadores quantitativos das patentes relacionadas aos smart contracts. As investigações foram realizadas até abril de 2019 e trouxeram o quantitativo de 968 invenções de patente pelo Questel Orbit®, um resultado de 1.935 depósitos de patentes pelo Lens e 660 depósitos pelo Patent Inspiration. Em todas as plataformas, houve uma predominância de depósitos realizados pelo setor privado (Empresas) e a área de maior relevância, quanto ao domínio tecnológico dos smarts contracts é o modelo de gestão, representando 49% das patentes verificadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gildércia Silva Guedes de Araújo, Instituto Federal da Paraíba

Advogada, pós-graduada em Direito Empresarial, Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pelo IFPB e atualmente é pesquisadora na área de Blockchain.

Katyusco de Farias Santos, Instituto Federal da Paraíba

Professor/pesquisador no IFPB (Instituto Federal de Paraíba), campus Campina Grande, da área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) formou-se Bacharel em Ciência da Computação, titulou-se como Mestre em Ciência de Computação com ênfase em Sistemas para Redes e Telecomunicações; e obteve o grau de Doutor em Ciência da Computação, em 2015, com ênfase em Engenharia de Software. A partir de março de 2018 está como Coordenador do Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - PROFNIT.

Referências

BUTERIN, Vitalik. A Next Generation Smart Contract & Decentralized Application Platform. Ethereum White Paper, 2014.

CHRISTIDIS, Konstantinos; DEVETSIOKIOTIS, Michael. Blockchains and Smart Contracts for the Internet of Things. IEEE Access, 2016. v. 4, p. 2292-2303. Disponível em: https://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?arnumber=7467408. Acesso em: 02 mar. 2019.

DE FILLIPI, Primavera; WRIGHT, Aaron. Blockchain and the Law – The Rule of Code. Harvard: Editora Havard University Press, 2018.

Ethereum Whitepaper Made Simple. Disponível em: https://blockchainreview.io/wp-content/uploads/2018/03/02.01._final_Ethereum-White-Paper-Made-Simple.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

HYPERLEDGER WHITEPAPER. Introduction to Hyperledger Business Blockchain Design Philosophy and Consensus. V.1. Disponível em: https://www.hyperledger.org/wp-content/uploads/2017/08/Hyperledger_Arch_WG_Paper_1_Consensus.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

MACHADO, B.A.S. Uso de Indicadores de Patentes como Metodologia para Avaliação do Desenvolvimento da Tecnologia de Extração Supercrítica. Rev. Virtual Quim., v. 8, n. 4, p. 1079-1093, 2016. 29 jul. 2016. Disponível em: http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v8n4a05.pdf.Acesso em: 25 mar. 2019.

MOUGAYAR, William. Blockchain para negócios: promessas, prática e aplicação da nova tecnologia da internet / William Mougayar; traduzido por Vivian Sbravatti. Rio de Janeiro: Alta Books, 2017.

Mukhopadhyay, M. Ethereum Smart Contract Development. Mumbai: Ed. Packt. Birminghan, 2018.

QUINTELLA, C. M.; MEIRA, M.; GUIMARÃES, A. K.; TANAJURA, A. S.; DA SILVA, H. R. G. Prospecção Tecnológica como uma Ferramenta Aplicada em Ciência e Tecnologia para se Chegar à Inovação. Rev. Virtual Quim., v. 3, n. 5, p. 406-415, 2011. 2 dez. 2011. Disponível em: http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v3n5a05.pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

SANTOS, R. N. M. Produção Científica: Por que Medir? O que Medir? - Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação v. 1, n. 1, 2002. Disponível em: http://eprints.rclis.org/6264/1/RDBCI-03.pdf. Acesso em: 24 fev. 2019.

SANTOS, M.; MASSARI, G.; SANTOS, D.; FELLOWS, L. Prospecção de tecnologias de futuro: métodos, técnicas e abordagens. Parcerias Estratégicas, n. 19, p. 189-229, dez. 2004.

SZABO, Nick. Smart Contracts: Formalizing and Securing Relationships on Public Networks. First Monday, v. 2, n. 9, 1 September 1997 Disponível em: https://ojphi.org/ojs/index.php/fm/article/view/548/469. Acesso em: 10 mar. 2019.

TAPSCOTT, Don. Blockchain Revolution, como a tecnologia por trás do bitcoin está mudando o dinheiro, os negócios e o mundo / Don Tapscott. – São Paulo: SENAI-SP Editora, 2016.

Downloads

Publicado

2020-03-02

Como Citar

Araújo, G. S. G. de, & Santos, K. de F. (2020). Evolução da Tecnologia Smart Contracts pela Perspectiva dos Indicadores de Patentes. Cadernos De Prospecção, 12(5 Especial), 1363. https://doi.org/10.9771/cp.v12i5 Especial.32932

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos