Prospecção de Tecnologias Verdes com Foco em Gerenciamento de Resíduos

Autores

  • Luiz Nunes Filho Universidade Federal de Pernambuco
  • Raimundo Nonato Macedo dos Santos Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i4.32016

Palavras-chave:

Prospecção, Programa Patentes Verdes, Gerenciamento de Resíduos.

Resumo

A prospecção de tecnologias limpas contribui não só para o processo de planejamento e investimento em tecnologia com menor risco, como também consiste em uma questão de responsabilidade social. Tratar essa temática implica em averiguar como abrandar os problemas ambientais sem prejudicar o desenvolvimento tecnológico. Logo, investiga-se o desenvolvimento de tecnologias relacionadas ao gerenciamento de resíduos a partir dos resultados do Programa Patentes Verdes do INPI como forma de auxiliar no cumprimento dos objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Para tanto, utiliza-se do método de abordagem qualitativo a partir de um procedimento exploratório-descritivo em um corpus de 785 pedidos de Patentes Verdes. Neste sentido, por meio dos resultados revelados pela patentometria foi possível verificar que a categoria de gerenciamento de resíduos é a de maior aplicabilidade ao Programa Patentes Verdes, com representação de 56,9% dos pedidos deferidos pelo Programa, contribuindo, assim, para o desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Nunes Filho, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação da Universidade Federal de Pernambuco.

Raimundo Nonato Macedo dos Santos, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Information Stratégique Et Critique Veille Technol pela Université Paul Cézanne Aix Marseille III. Professor Associado da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BARBIERI, J. C. Políticas públicas indutoras de inovações tecnológicas ambientalmente saudáveis nas empresas. RAP – Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 135-152, mar./abr. 1997.

BARBOSA, D. B. Uma Introdução à Propriedade Intelectual. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

BRASIL, Lei n. 6.938 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 22 maio 2019.

BRASIL, Lei n. 12.187 de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm. Acesso em: 22 maio 2019.

BRASIL. Lei n. 12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 22 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 12.527 de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm Acesso em: 20 jul. 2019.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. (1988). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

FARIAS, L. A.; FÁVARO, D. T. Vinte anos de química verde: conquistas e desafios. Química Nova, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 1.089-1.093, 2011.

GARCIA, J. C. R. Patente gera patente? Transinformação, Campinas, v. 8, n. 3, p. 213-223, set./dez. 2006.

_____________. Usar ou não usar a patente: eis a questão! In: GIANNASI-RAIMEN, M. J.; CARELLI, A. E. Recursos informacionais para compartilhamento da informação: redesenhando acesso, disponibilidade e uso. Rio de Janeiro: E-papers, 2007. p. 47-71.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

INPI. Classificação de patentes. 2019. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/patente/classificacao-de-patentes. Acesso em: 03 jun. 2019.

INPI. Resolução n. 175, de 05 de novembro de 2016. Disciplina o exame prioritário de pedidos de “Patente Verde”. Disponível em: < file:///C:/Users/RH%20CCRei/Downloads/Resoluon1752016_Patentesverdes_21112016julio_docx.pdf> Acesso em: 01 de mar. de 2019.

INPI. Resolução n. 283, de 02 de abril de 2012. Disciplina o exame prioritário de pedidos de Patentes Verdes, no âmbito do INPI, os procedimentos relativos ao Programa Piloto relacionado ao tema e dá outras providências. Disponível em: http://ld2.ldsoft.com.br/siteld/arq_avisos/Comunicados_Patentes1_RPI_2154.pdf. Acesso em: 01 mar. 2019.

MARICATO, J. M.; NORONHA, D. P.; FUJINO, A. Análise bibliométrica da produção tecnológica em biodiesel: contribuições para uma política em CT&I. In: Anais [...] do ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2008, São Paulo. São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.ancib.org.br/pages/anais-do-enancib.php. Acesso em: 18 jul. 2019.

MENEZES, C. C. N.; SANTOS, S. M.; BORTOLI, R. Mapeamento de tecnologias ambientais: um estudo sobre Patentes Verdes no Brasil. GeAS – Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 18-32, jan./Abr. 2016.

NARIN, F.; BREITZMAN, A; THOMAS, P. Using patent citation indicators to manage a stock portfolio. Handbook of Quantitative Science and Technology Research: the use of publication and patent statistics in studies of S&T systems. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2005. cap. 25, p. 553-568.

PEREIRA, C. O fluxo e as dimensões socioespacial e socioinstitucional do conhecimento em Ciência, Tecnologia & Inovação: um estudo patentiométrico da produção tecnológica da Unicamp. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Pontifícia Universidade Católica, Campinas, São Paulo, 2008.

SÁNCHEZ, M. V. G. Patentometria: herramienta para el análisis de oportunidades tecnológicas. Tese de Doutorado em Gerência da Información Tecnológica. Cuba: Facultad de Economia, Universidade de La Habana. 1999.

SANTOS, N. Patentes Verdes: Mecanismo de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

SANTOS, R. N. M.; DOMINIQUE, A. P.; SÁNCHEZ, M. L. L.; CASADO, E. S. Tecnologias verdes para um mundo autossustentável: um olhar sobre Brasil e Espanha. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 277-294, maio/ago. 2017.

WIPO. International Patent Classification (IPC). Disponível em: https://www.wipo.int/classifications/ipc/en/. Acesso em: 18 jul. 2019.

____. STANDARD ST.9: recommendation concerning bibliographic data on and relating to patents and SPCs. Handbook on industrial property information and documentation, Apr. 2013.

ZANELLA, L. C. H. Metodologia da pesquisa. 2. ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

ZIKMUND, W. G. Business research methods. 5. ed. Fort Worth, TX: Dryden, 2000.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

Filho, L. N., & Santos, R. N. M. dos. (2019). Prospecção de Tecnologias Verdes com Foco em Gerenciamento de Resíduos. Cadernos De Prospecção, 12(4), 936. https://doi.org/10.9771/cp.v12i4.32016

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos