Parque Científico e Tecnológico e Desenvolvimento Local

Autores

  • Maria Izanete da Rosa Martins Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Adriana Carvalho Pinto Vieira Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquista - UNESP, Campus de Tupã-SP http://orcid.org/0000-0002-9408-721X
  • Kelly Gianezini Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC http://orcid.org/0000-0002-8250-088X

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v13i5.28834

Palavras-chave:

Parque Científico e Tecnológico. Tripla Helix. Desenvolvimento

Resumo

O presente artigo apresenta uma pesquisa que relata a percepção dos coordenadores do Parque Científico e Tecnológico (PCT) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), com o objetivo descrever como o I-Parque da UNESC contribui para o desenvolvimento local. A pesquisa de abordagem qualitativa, fundamentalmente, traz uma reflexão acurada a respeito da contribuição do I-Parque da UNESC para o desenvolvimento local por meio da criação de negócios que possam desenvolver a sua região de atuação. Os dados foram coletados a partir de um questionário semiestruturado, e a análise assumiu um enfoque predominantemente descritivo/reflexivo. Constatou-se que os resultados sugerem, longe de serem conclusivos, a ampliação de nossa compreensão a respeito da contribuição do PCT para o desenvolvimento da sua região de atuação, fornecendo um conjunto de informações relevantes, tanto do ponto de vista da reflexão teórica quanto do ponto da realidade local do I-Parque da UNESC e sua importância social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Izanete da Rosa Martins, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Graduação em Administração de Empresas pela Universidade da Região da Campanha (2001). Especialização em Recursos Humanos e Marketing pela Universidade da Região da Campanha (2003). Concluiu Curso de Formação de Professores UFSM em Janeiro de 2015.

Adriana Carvalho Pinto Vieira, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquista - UNESP, Campus de Tupã-SP

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), modalidade mestrado; titular das disciplinas: Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PPGDS), de Direito Comercial Comparado e Gestão do Conhecimento e Inovação do Curso de Administração da UNESC; Lider do Grupo de Pesquisa e Diretório Propriedade intelectual, Desenvolvimento e Inovação (PIDI). Possui Pós-doutorado em Política Científica e Tecnológica pelo Instituto Geociências da Unicamp (2012), Doutorado em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Unicamp (2009), Mestrado em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba (1999) e Graduação em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1993). Atua nas seguintes áreas de pesquisas: sistema da propriedade intelectual, pesquisa e inovação, biotecnologia, desenvolvimento socioeconômico e regional, agronegócio, cadeias produtivas, comercio internacional, segurança dos alimentos e direitos dos consumidores.

Kelly Gianezini, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC


Doutora em Educação pela UFRGS, com estágio de doutorado sanduíche pela University of California Los Angeles (UCLA) tendo sido orientada pelo Dr. Walter R. Allen Professor da cátedra Allan Murray Cartter. Sua tese de doutoramento foi indicada para concorrer ao prêmio CAPES de Teses para a área da Educação. Possui mestrado em Sociologia, bacharelado em Ciências Sociais, ambos pela UFRGS, licenciatura em Sociologia e bacharelado em Direito pela PUCRS. Durante toda a sua formação acadêmica foi bolsista na graduação (iniciação científica CNPq), no mestrado (FAPEMAT) e no doutorado (CAPES). Atualmente é Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS) e do curso de Direito da UNESC. É avaliadora ad hoc do BASIS pelo INEP/MEC. Na gestão universitária atuou como Coordenadora do Núcleo de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (NPPGE), foi Membro do Conselho Superior de Administração, Representante Institucional do CNPq e membro do Conselho Próprio de Avaliação (CPA). Na UNESC, foi Representante Docente no Conselho Universitário (CONSU) e membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Direito. É Membro do Colegiado de Coordenação desempenhando a função de Coordenadora de Pesquisa e de Internacionalização do PPGDS, do Comitê Institucional Científico, da Comissão Institucional de Bolsa dos Programas Stricto Sensu e do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). É Líder do Grupo de Pesquisa GEU (Grupo de Estudos sobre Universidade) registrado no CNPq o qual integra a Rede de pesquisadores GEU das universidades UFRGS, UPF, UFPel, UFSM, UFMT, UNEMAT e UTFPR. A captação de recursos para desenvolver suas pesquisas ocorre por meio de fomento interno e externo. Atua no projeto de extensão universitária Serviço de Assessoria Jurídica Universitária Popular (SAJUP) o qual recebeu fomento externo da FIOCRUZ. Suas pesquisas estão vinculadas a Linha de Pesquisa Desenvolvimento e Gestão Social. Foi consultora ad hoc da FAPESC. É integrante do Cadastro Nacional e Internacional de avaliadores do CONPEDI. É revisora de periódicos científicos nacionais e internacionais. Emite pareceres técnicos-científicos para congressos. Pelo terceiro ano consecutivo coordenou ou fez parte da comissão organizadora da Semana de Ciência e Tecnologia, maior congresso científico do sul catarinense. No âmbito internacional está vinculada à duas entidades científicas: a) International Sociological Association (ISA) por meio do research Commitees: sociology of professional groups and sociology of education; e, b) a Society for the Advancement of Socio-Economics (SASE). No Brasil, é sócia da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS), da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), da Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE) e do CONPEDI. Coordena 5 GTs em eventos científicos internacionais e nacionais. Foi Visiting Graduate Researcher na UCLA. Pesquisadora convidada para o Research Apprenticeship Course ofertado pela Graduate School of Education and Information Studies (GSE&IS). Participou de missões de visita técnica a universidades estrangeiras: Paris, Estrasburgo, Amsterdã, Haia e Delft. Orienta estudantes de mestrado, de graduação e de iniciação cientifica. Foi orientadora de estudantes do ensino médio para a Iniciação Científica Júnior (ICJr). Sua produção científica engloba temáticas relacionadas a políticas públicas, minorias étnicas, cidadania, desenvolvimento social e econômico e transformações da educação superior. Possui interesse em estudos interdisciplinares que enfoquem a gestão educacional e universitária, políticas educacionais, direito à educação e organização dos sistemas de ensino fundamental e superior. Website do grupo de pesquisa: http://www.ufrgs.br/geu/home.php. ResearcherID: P-4396-2015. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-8250-088X. E-mail para contato: kellygianezini@gmail.com

Referências

ANPROTEC – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES. [2017]. Disponível em: http://anprotec.org.br/site/. Acesso em: 15 out. 2019.

BENKO, G. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 4 jul. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Senado Federal, 1996.

BRASIL. Lei n. 12.881, de 12 de novembro de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12881.htm. Acesso em: 4 jul. 2020.

BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. Material para orientação técnica e treinamento de multiplicadores e técnicos em planejamento local e municipal. Brasília, DF: IICA, 1999.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em ação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

ETZKOWITZ, H. Incubation of incubators: innovation as a triple helix of university–industry–government networks. Science and Public Policy, [S.l.], v. 29, n. 2, p. 115-128, 2002.

ETZKOWITZ, H.; KLOFSTEN, M. e innovation region: toward a theory of knowledge – based regional development. R&D Management 35, MA, USA: Blackwell Publishing Ltd., 2005.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and ‘Mode 2’ to a Triple Helix of university-industry-government relations. Research Policy, [S.l.], v. 29, p. 9-23, 2000.

FRANTZ, W.; SILVA, E. da. As funções sociais da universidade: o papel da extensão e a questão das comunitárias. Ijuí: Unijuí, 2002.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GIUGLIANI, E. et al. Ontologia para parques tecnológicos como forma de estímulo à gestão do conhecimento. Disponível em: http://www.ngs.ufsc.br/wp-content/uploads/2010/05/GIUGLIANI_VIEIRA_ETAL_2007.pdf. Acesso em: 13 set. 2019.

IASP – INTERNATIONAL ASSOCIATION OF SCIENCE PARKS. Parque Científico (Definição oficial da IASP). 2014. Disponível em: www.iasp.ws/publico/intro. jsp. Acesso em: 13 set. 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Dados sobre População de Criciúma. SC, Brasil. [2017]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/criciuma/panorama. Acesso em: 4 jul. 2020.

MILANI, C. Teorias do capital social e desenvolvimento local: lições a partir da experiência de pintadas (Bahia, Brasil). In: MILANI, C. Capital social, participação política e desenvolvimento local: atores da sociedade civil e políticas de desenvolvimento local na Bahia. Bahia: Escola de Administração da UFBA (NPGA/NEPOL/PDGS), 2005.

MEC – MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Censo da Educação Superior 2015. Disponível em: http:// portal.mec.gov.br. Acesso em: 19 set. 2019.

SACHS, Y. Desenvolvimento Includente, Sustentável Sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

STEINER, J. E.; CASSIM, M. B.; ROBAZZI, A. C. Parques Tecnológicos: ambientes de inovação. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2006.

TRIPLEX HELIX RESEARCH GROUP BRAZIL (org.). Sobre a TH. [2012]. Disponível em: http://www.triple-helix.uff.br/sobre.html. Acesso em: 10 jul. 2020.

VEDOVELLO, C. A.; JUDICE, V. M. M.; MACULAN A. M. D. Revisão crítica às abordagens a parques tecnológicos: alternativas interpretativas às experiências brasileiras recentes. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 3, 2006.

VENTURA, M. M. O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista SOCERJ, [S.l.], v. 20, n. 5, p. 383-386, 2007.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman, 2005.

ZAMMAR, G. Infraestrutura para implantação de empresas de base tecnológica: Parque Tecnológico de Ponta Grossa. 2010. 108 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2010.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

Martins, M. I. da R., Vieira, A. C. P., & Gianezini, K. (2020). Parque Científico e Tecnológico e Desenvolvimento Local. Cadernos De Prospecção, 13(5), 1273. https://doi.org/10.9771/cp.v13i5.28834

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento