Inovação na Indústria de Transformação Brasileira: análise exploratória da série histórica dos dados da PINTEC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i5.28467

Palavras-chave:

Inovação, PINTEC, Indústria de transformação.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo destacar alguns pontos considerados importantes na evolução da inovação na indústria de transformação no Brasil, a partir de dados da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC). O estudo tem caráter descritivo e exploratório e adotou pesquisa bibliográfica e documental, coletando dados secundários. A primeira parte da pesquisa explora os dados históricos da PINTEC relacionados à indústria de transformação, tendo como foco a evolução da taxa de inovação de produto e de processo. A segunda parte explora alguns dados da pesquisa de 2014, comparando-os com as de 2008 e 2011, relacionados às divisões da indústria de transformação que obtiveram as maiores taxas de inovação. A principal conclusão é a de que a indústria de transformação brasileira vinha, até 2008, inovando mais. Outra consideração é que as quatro divisões que apresentaram melhor desempenho na pesquisa de 2014 podem ser divididas em duas grandes áreas, chamadas de química/farmoquímica e eletro/eletrônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luís Faria Duarte, Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN

Analista em C&T na Comissão Nacional de Energia Nuclear
Bacharel em Pedagogia pela UVA
Especialista em Informática Educativa pela UNICARIOCA
Mestre em Administração pelo MADE/UNESA
Doutor em Administração pela UNIGRANRIO

Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7242258061693416
ID Lattes: 7242258061693416

Referências

ANDREASSI, T. Ações internas voltadas ao fomento da inovação: as empresas também devem fazer sua "lição de casa". Cadernos EBAPE.BR, [S.l.], v. 3, n. SPE, p. 1-10, 2005.

APPOLINARIO, F. Metodologia da Ciência: Filosofia e Prática da Pesquisa. São Paulo: Cengage Learning, 2006.

ARYANTO, R; FONTANA, A.; AFIFF, A. Z. Strategic Human Resource Management, Innovation Capability and Performance: An Empirical Study in Indonesia Software Industry. Procedia-Social and Behavioral Sciences, [S.l.], v. 211, p. 874-879, 2015.

BIELSCHOWSKY, R. Estratégias de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Rio de Janeiro: IPEA, 2013.

BITTAR, Angelo Antonio Mesquita et al. A dificuldade de pavimentar o caminho para a inovação tecnológica no Brasil: o retrato dos rankings, alguns indicadores e obstáculos à sua sustentabilidade. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 7, n. 4, p. 472, 2014.

BRUNHERA, D. C. U.; BAÇO, F. M. B.; CROTTI, P. C. A Eficiência dos Processos de Inovação na Indústria de Transformação: uma análise no estado do Paraná. RAI: Revista de Administração e Inovação, [S.l.], v. 12, n. 4, p. 187-204, 2015.

CARAYANNIS, E. G.; GRIGOROUDIS, E. Using multiobjective mathematical programming to link national competitiveness, productivity, and innovation. Annals of Operations Research, [S.l.], v. 247, n. 2, p. 635-655, 2016.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A; DA SILVA, R. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CHAVES, M. do P. S. R. Ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento da Amazônia: experiência da Universidade Federal do Amazonas. Parcerias Estratégicas, Brasília, DF, Ed. Esp., v. 18, n. 36, p. 55-74, jan.-jun. 2013.

CÔRTES, A. M.; ROMANO, C. A.; BASTOS JR., P. A. Instrumentos de Apoio à Inovação Tecnológica no Paraná: Disponibilidade e Uso nas Empresas do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software de Curitiba. Sistemas & Gestão, [S.l.], v. 6, n. 4, p. 447-462, 2011.

CRUZ, A. P. C. da; FREZATTI, F.; BIDO, D. de S. Estilo de Liderança, Controle Gerencial e Inovação: Papel das Alavancas de Controle. RAC - Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 772-794, dez. 2015.

DICKEL, D. G.; MOURA, G. L. de. Organizational performance evaluation in intangible criteria: a model based on knowledge management and innovation management. RAI – Revista de Administração e Inovação, [S.l.], v. 13, n. 3, p. 211-220, 2016.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Editora Pioneira, 1987.

FERNANDES, C. C. et al. Strategic assets in technology-based incubators in Brazil. European Journal of Innovation Management, [S.l.], v. 20, n. 1, p. 153-170, 2017.

FREZATTI, F. et al. O papel do Balanced Scorecard na gestão da inovação. RAE - Revista de Administração de Empresas, [S.l.], v. 54, n. 4, p. 381-392, 2014.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, M. A. S.; PEREIRA, F. E. C. Hélice Tríplice: Um ensaio teórico sobre a relação Universidade-Empresa-Governo em busca da inovação. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), [S.l.], v. 4, n. 8, p. 136-155, 2015.

GOMES, V. C. et al. Os fundos setoriais e a redefiniçao do modelo de promoção de ciência, tecnologia e inovação no Brasil: uma análise à luz do CT-Agro. Revista de Administração, São Paulo, v. 50, n. 3, p. 353-368, set. 2015.

HAMEL, G. A era da revolução. HSM Management, [S.l.], n. 24, janeiro-fevereiro, p. 116-126, 2001.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LIMA, C. R. M.; CARVALHO, L. S. Informação, comunicação e inovação: gestão da informação para inovação em uma organização complexa. Informação & Informação, Londrina, v. 14, n. 2, p. 1-20, jul.-dez. 2009.

MCTI. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015. Brasília: MCTI, 2012. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/218981.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

NASCIMENTO, Ticiano Gomes do et al. Patentes e apropriação de valor da inovação: o caso da própolis. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 11, n. 1, p. 87-102, 2018.

OCDE – Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. [S.l.]: FINP, 2007. Disponível em: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf. Acesso em: 17 out. 2018.

PINHEIRO, A. M. Pesquisa de inovação: um poderoso instrumento para diagnóstico, desenho, implementação e monitoramento de políticas na área de Ciência, Tecnologia e Inovação. ComCiência, Campinas, n. 150, jul. 2013.

PIRES, A. M. de B.; TEIXEIRA, F. L. C.; HASTENREITER FILHO, H. N. Colaboração nas atividades de pesquisa desenvolvimento e inovação: o que nos ensina o Modelo de Centros e Redes de Excelência Petrobras/COPPE UFRJ? Organizações e Sociedade, [S.l.], v. 19, n. 62, p. 507-526, 2012.

PITASSI, C. O papel de um centro de P&D em empresas de ramos tradicionais: o caso da UN de logística da Vale. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, junho de 2011.

REIS, Diego Araujo; GOMES, Iracema Machado de Aragão. Capital humano, intensidade da inovação na indústria e crescimento econômico no Brasil. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 10, n. 4, p. 721-737, 2017.

RIBEIRO, W. L.; PORTO, G. S. Análises das Redes de Inovação resultantes dos financiamentos dos Fundos Setoriais de Biotecnologia e Energia. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, [S.l.], v. 17, n. 58, p. 1.426-1.443, outubro-dezembro, 2015.

SANTOS, J. H. de A. et al. Searching for a Path: A Bibliometric study on Innovation and Technological Capabilities. International Journal of Innovation – IJI, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 54-66, nov. 2015.

SCHUMPETER, J. Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SCHWELLA, E. Inovação no governo e no setor público: desafios e implicações para a liderança. Revista do Serviço Público, [S.l.], v. 56, n. 3, p. 259-276, 2005.

SILVA, Edcleyton B. F. et al. Pesquisa & Inovação: a Propriedade Intelectual do Estado de Minas Gerais. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 11, n. 3, p. 757-769, 2018.

SOUSA, D.; OLIVEIRA, R. V. O apoio do Estado ao Empreendedorismo Inovador: a experiência do Prime no Brasil. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 17, n. 2, p. 328-338, 2013.

VAN GILS, M. J. G. M.; RUTJES, F. P. J. T. Accelerating chemical start-ups in ecosystems: the need for biotopes. European Journal of Innovation Management, [S.l.], v. 20, n. 1, p. 135-152, 2017.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

Duarte, A. L. F. (2019). Inovação na Indústria de Transformação Brasileira: análise exploratória da série histórica dos dados da PINTEC. Cadernos De Prospecção, 12(4), 750. https://doi.org/10.9771/cp.v12i5.28467

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento