Análise do Programa Agentes Locais de Inovação no Processo de Inovação das Micro e Pequenas Empresas do Setor de Comércio Varejista do Estado de Pernambuco

Autores

  • Patricia da Silva Nogueira Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
  • Sueli Menelau de Novais Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
  • Alessandra Sousa Cordeiro de Sá Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
  • Evelyn Siqueira Bezerra da Silva Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i2.27326

Palavras-chave:

Política Pública de Inovação, SEBRAE, Programa ALI.

Resumo

O Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) objetiva ajudar as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) na melhoria de ações voltadas para inovação, seguindo as indicações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (SEBRAE), que atua em acordo com a política pública de inovação voltada a promover o crescimento econômico das empresas atendidas. O objetivo do estudo foi analisar como o Programa ALI está favorecendo o avanço de ações de inovação de MPEs do setor de comércio varejista de vestuário, na Região Metropolitana de Recife, no ciclo 2015–2017. O estudo possui abordagem quantitativa e finalidade descritiva, e coleta estruturada e longitudinal. O questionário é o instrumento aplicado pelo Programa ALI e se fundamenta na ferramenta Radar de Inovação. Os resultados indicam que o objetivo do Programa ALI foi alcançado, pois as MPEs estão saindo da posição de desenvolvedoras de inovação, indo para a posição das que inovam sistematicamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia da Silva Nogueira, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação na UFPE/PROFNIT, especialista lato sensu em Master of Business Administration (MBA) em Gestão Estratégica de Marketing pela UFPE. Atua como Consultora Empresarial e Instrutora de cursos, ministrado para empresários das Micros e Pequenas Empresas (MPEs), através do SEBRAE. E também como diretora/sócia em uma Agência de Comunicação.

Sueli Menelau de Novais, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

Doutora em Administração pela Universidade de Brasília - UnB (2015), mestre em Administração Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN (2009) e bacharel em Administração com habilitação em Marketing pela Escola Superior de Marketing - ESM (2005). É Professora Adjunta do Núcleo de Gestão da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Alessandra Sousa Cordeiro de Sá, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT), na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); especialista em Processamento de Frutas e Hortaliças; e graduada em Tecnologia em Alimentos, ambos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano.

Evelyn Siqueira Bezerra da Silva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação UFPE/PROFNIT. Graduada em Administração de Empresas com habilitação em Marketing. MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Vendas. Atua como Consultora e Instrutora Empresarial na gestão de pequenos negócios, também com Docência em Gestão de empresas. Empreendedora em Negócio próprio.

Referências

ANDREASSI, T. Gestão da inovação tecnológica. São Paulo: Thomson Learning, 2007. (Coleção Debates em Administração).

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba: [s.n.], 2008.

BES, F. T.; KOTLER, P. A bíblia da inovação: princípios fundamentais para levar a cultura da inovação contínua às organizações. São Paulo: Lua de Papel, 2011.

CARVALHO, G. D. G. et al. Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 162–186, 2015.

CARVALHO, M. M. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas, 2009.

CAVALCANTI FILHO, A. M.; OLIVEIRA, M. R. G.; CAVALCANTI, A. M. Análise do desempenho em inovação das micro e pequenas empresas de TIC em Pernambuco. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã, v. 3, n. 2, p. 41–56, 2012.

FARAH, M. F. S. Policy analysis at the municipal level of government. In: VAITSMAN, J.; RIBEIRO, J. M.; LOBATO, L. Policy analysis in Brazil. Bristol: University of Bristol, 2013.

FIGUEIREDO, P. N. Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

HAIR, J. F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produto Interno Bruto. Brasília, DF: IBGE, 2017.

KON, A. Nova economia política dos serviços. São Paulo: CNPQ, 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA(IPEA). ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Condições para inovação no Brasil: uma revisão das principais questões e desafios políticos. Papel de suporte para o Workshop de Inovação para o Crescimento da Produtividade no Brasil. Brasília, DF: IPEA, 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2007.

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; FELL, A. F. A. Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 76–88, 2014.

PORTER, M. E. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RUA, M. G. As políticas públicas e a juventude dos anos 90. In: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO. COMISSÃO NACIONAL DE POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas. vol. 2. Brasília, DF: CNPD, 1998. p. 731–752.

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R. C.; ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, [S.l.], v. 47, n. 3, p. 75–81, 2006.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análises, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Gestão da inovação: inovar para competir. Brasília, DF: SEBRAE, 2010.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE); DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2013. 6. ed. Brasília, DF: DIEESE, 2013.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 20–45, 2006.

WARWICK, K. Beyond industrial policy: emerging issues and new trends. OECD Science Technology and Industry Policy Papers, n. 2. Paris: OECD, 2013.

Downloads

Publicado

2019-06-18

Como Citar

Nogueira, P. da S., de Novais, S. M., de Sá, A. S. C., & da Silva, E. S. B. (2019). Análise do Programa Agentes Locais de Inovação no Processo de Inovação das Micro e Pequenas Empresas do Setor de Comércio Varejista do Estado de Pernambuco. Cadernos De Prospecção, 12(2), 273. https://doi.org/10.9771/cp.v12i2.27326

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento