Prospecção Tecnológica sobre a Utilização do Stryphnodendron Adstringens (Mart.) Coville (Barbatimão)

Autores

  • Cristiane Araujo Nascimento Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil
  • Tatiane Luciano Balliano Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil
  • Denise Macêdo Silva Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil
  • Renan Macêdo Silva Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil
  • Karol Fireman Farias Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil
  • Guilherme Benjamin Brandão Pitta Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i2.27311

Palavras-chave:

Stryphnodendron adstringens (MART.) Coville, Barbatimão, Prospecção tecnológica.

Resumo

O Stryphnodendron adstringens (MART.) Coville é uma planta medicinal, popularmente conhecida como barbatimão e amplamente valorizada por suas propriedades medicinais devido à alta quantidade de taninos, assim como, de outros constituintes químicos. O presente trabalho teve por objetivo realizar uma prospecção tecnológica sobre a utilização do Stryphnodendron adstringens(MART.)Coville (barbatimão). As buscas de patentes foram realizadas nos bancos de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), European Patent Office (EPO), United States Patent and Tradmark Office (USPTO) e World Intelectual Property Organization (WIPO). Foram analisadas 18 patentes, das quais 88,8% eram pertencentes à seção A Classificação Internacional de Patentes (IPC), referente às necessidades humanas. Os anos de 2003, 2006 e 2010 apresentaram o maior número de registros. O Brasil revelou-se como o maior detentor de depósitos de patentes com 94,45% dos documentos. A partir do mapeamento tecnológico realizado neste estudo, foi possível observar que a presente espécie se apresenta como um favorável seguimento de mercado, principalmente, do ponto de vista farmacológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOCCHINO, L. O. et al. Propriedade Intelectual conceitos e procedimentos. Brasília, DF: Advocacia-Geral da União, 2010. 316 p.

BORGES FILHO, H. C.; FELFILI, J. M. Avaliação dos níveis de extrativismo da casca de barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville] no Distrito Federal, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 5, p. 735–745, 2003.

BRANDÃO, M. G. L. et al. Traditional uses of American plant species from the 1st edition of Brazilian Official Pharmacopoeia. Revista Brasileira de Farmacognosia, Curitiba, v. 19, n. 2, p. 478–487, 2009.

ESPACENET. Acesso gratuito a mais de 100 milhões de documentos de patentes. European Patent Office. [Base de dados – Internet]. 2018. Disponível em: <https://worldwide.espacenet.com/>. Acesso em: 13 maio 2018.

FERREIRA, E. C.; SILVA, J. L. L. As propriedades medicinais e bioquímicas da planta Stryphnodendron Adstringens barbatimão. Biológicas & Saúde, [S.l.], v. 3, n. 11, dez. 2013.

FIGUEREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; GURGEL JUNIOR, G. D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 381–400, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). [Base de dados – Internet]. 2018. Disponível em:

<https://gru.inpi.gov.br/pePI/jsp/patentes/PatenteSearchAvancado.jsp>. Acesso em: 14 maio 2018.

LIMA, C. R. O. et al. Caracterização dos metabólitos secundários do barbatimão. In: SILVA, L. et al. Manual do Barbatimão. Goiânia: Kelps, 2010. cap.7, p.61-68. Manual do Barbatimão. Goiânia: Kelps, 2010. Cap.7, p.61–68.

LOPES, G. C. et al. Determinação quantitativa de taninos em três espécies de Stryphnodendron por cromatografia líquida de alta eficiência. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, São Paulo , v. 45, n. 1, p. 135–143, mar. 2009.

LOPES, G. C. et al. Influence of extracts of Stryphnodendron polyphyllum Mart. And Stryphnodendron obovatum Benth on the cicatrisation of cutaneous wounds in rats. Journal Ethnophamacol. [S.l.], v. 99, p. 265–272, 2005.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil – Nativas e Exóticas. São Paulo: Instituto Plantarum, 2008.

MACEDO, F. M. et al. Triagem Fitoquímica do Barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart) Coville]. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1166–1168, jul. 2007.

MELLO, J. C. P.; PETEREIT, F.; NAHRSTEDT, A. Prorobinetinidins from Stryphnodendron adstringens. Phytochemistry, Oxford, v. 42, n. 3, p. 857–862, jun. 1996.

SANTOS, S. C. et al. Tannin composition of barbatimão species. Fitoterapia, Amsterdan, v. 73, p. 292–299, 2002.

SANTOS, P. V.; SEBASTIANI, R. Plantas medicinais utilizadas por uma comunidade universitária no Município de São Paulo. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 11–15, 2011.

SILVA, M. D. P.; MARINI, F. S.; MELO, R. S. Levantamento de plantas medicinais cultivadas no município de Solânea, agreste paraibano: reconhecimento e valorização do saber tradicional. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 17, n. 4, supl. II, p. 881–890, 2015.

TAKARNIA, C. H.; DOBEREINER, J.; PEIXOTO, P. V. Plantas Tóxicas do Brasil, Rio de Janeiro:Editora Helianthus, 2000.

UNITED STATES PATENT AND TRADEMARK OFFICE'S (USPTO). [Base de dados – Internet]. 2018. Disponível em:

<http://patft.uspto.gov/netahtml/PTO/search-bool.html>. Acesso em: 14 maio 2018.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (WIPO). [Base de dados – Internet]. 2018. Disponível em:

<https://patentscope.wipo.int/search/pt/advancedSearch.jsf>. Acesso em: 14 maio 2018.

Downloads

Publicado

2019-06-18

Como Citar

Nascimento, C. A., Balliano, T. L., Silva, D. M., Silva, R. M., Farias, K. F., & Pitta, G. B. B. (2019). Prospecção Tecnológica sobre a Utilização do Stryphnodendron Adstringens (Mart.) Coville (Barbatimão). Cadernos De Prospecção, 12(2), 450. https://doi.org/10.9771/cp.v12i2.27311

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos