Capacidade Inovativa sobre a Ótica Patentária Brasileira do Emprego de Nanotecnologias na Indústria Têxtil

Autores

  • Maria Elisa Marciano Martinez Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Marcello Carvalho dos Reis Meteora
  • Patricia Carvalho dos Reis Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.26860

Palavras-chave:

Têxtil, Nanotecnologia, Documentos Patentários, Mapeamento Tecnológico, Inovação.

Resumo

A indústria têxtil tem buscado inovar em seus produtos e processos, como o uso da nanotecnologia - tecnologia dos materiais, processos e produtos cujas dimensões estão na faixa de décimos a centenas de nanômetros – com o uso das nanofibras e fibras contendo nanopartículas e acabamento/revestimentos contendo nanosubstâncias. Entre estas, destacam-se os nanotubos de carbono (CNT) que são utilizados para incrementar fibras. Com o objetivo de avaliar a capacidade inovativa das tecnologias envolvidas neste cenário, foram utilizados os dados dos documentos patentários extraídos da base INPI-BR, tendo sido selecionados 335 documentos de patentes, entre eles 32 relacionados à nanotecnologia na indústria têxtil entre 2009 e 2013, dos quais 19 referentes à nanofibras (entre eles 13 referem-se especificamente à CNT) e 13 referentes a tratamento de nanofibras. A evolução temporal revelo-se crescente entre 2010 e 2012 e teve um leve declínio em 2013. Verificou-se que os documentos patentários que tiveram sua família originada nos escritórios USPTO e UKIPO tiveram mais relevância nos depósitos patentários com foco em CNT, demais nanofibras e no tratamento de nanofibras.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elisa Marciano Martinez, Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

É graduada e possui mestrado em Engenharia Química pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; e, possui especialização em Administração de Empresas para Graduados pela Escola de  Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas.

Atualmente é pesquisadora em propriedade industrial do Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Tem experiência na área de engenharia química, com ênfase em processos bioquímicos, administração de microempresas, e, em propriedade industrial, incluindo mapeamento e prospecção tecnológica.

Além do trabalho na diretoria de patentes no INPI, realiza divulgação científica de propriedade industrial com base em mapeamento tecnológico em diversas áreas.

Marcello Carvalho dos Reis, Meteora

Possui graduação em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ (2003); Mestrado em Metrologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio (2018); e Especialização em Engenharia de Produção Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ (2006-2007). Atualmente é CEO e Fundador da Meteora, Empreendedor, Mentor de Startups e Consultor Executivo de grandes empresas. Tem experiência em: Consultoria de Gestão Empresarial, de Tecnologia e Inovação, Gestão de Processos de Negócios e Gestão de Projetos, Programas e Portfólio, além de Prospecção Tecnológica e Propriedade Intelectual.

Patricia Carvalho dos Reis, Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Formada em Engenharia Química (UFF), mestrado (2002) e doutorado (2008) em Engenharia Química no Programa de engenharia Química (PEQ) / COPPE / UFRJ. Pós-graduação em energias renováveis (em andamento). Pesquisadora do Institudo Nacional da Propriedade Industrial, trabalhando como examinadora de patentes relacionadas principalmente a engenharia química. Durante 5 anos (2011-2016) participou do desenvolvimento e implantação de Patentes Verdes. Possui experiência em Processos de Separação, química Inorgãnica (desenvolvimento de materiais), Propriedade Industrial (patentes), Desenvolvimento tecnológico e inovação, Tecnologias verdes e Energias renováveis.

Referências

ELECTION. Nanotechnology & Textiles. 2012. Disponível em: < http://5election.com/2009/11/14/nanotechnology-textiles/>. Acessado em: 02 jul. 2012.

BERINGER, J. Nanotechnology in Textile Finishing. 28 nov. – 12 dez. 2005. Disponível em: <http://www.nanomat.de/pdf/nanovision-beringer.pdf>. Acessado em: 02 jul. 2012.

BUZZANGA, J. Using Technology intelligence for R&D. 3 set. 2008. Disponível em: <http://www.industryweek.com/articles/using_technology_intelligence_for_rd_17162.aspx>. Acessado em: 02 jul. 2012.

CARLES, M.; HERMOSILLA, L. Nanomedicina: Médicos Microscópicos. Revista Científica Eletônica de Psicologia, ano IV, n. 06, fev. 2007. Disponível em: <http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/KB5P1NuxXXW7Kfw_2013-5-27-17-30-20.pdf>. Acessado em:

FREIRE, E.; AI, F. S. Avaliação do impacto da nanotecnologia na indústria têxtil. Projeto final de curso apresentado à Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2010.

GUIMARÃES, R. M. C.; BRAGA JR., E.; BANJA, M. E. Estudo teórico da nanotecnologia aplicada à cadeia têxtil. Monografia. Projeto de graduação submetida à comissão examinadora do curso de engenharia têxtil da faculdade SENAI-CETIQT, 2006.

HAUPT, R.; KLOYER, M.; LANGE, M. Patent indicators for the technology life cycle development. Research Policy, n. 36, p. 387–398, 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL - INPI, 2018. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br>. Acessado em: 11 jun. 2018.

MARTINEZ, M. E. M.; REIS, P. C. dos; SANTOS, D. A.; WINTER, E.. Avaliação do Emprego de Nanotecnologias no Setor Têxtil por Meio de Documentos de Patentes. In: Anais do IV Encontro Acadêmico de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento - ENAPID, 2012, Rio de Janeiro. ENAPID, 2012a.

_______. Avaliação do Perfil Petentário do emprego de Nanotecnologias no Setor Têxtil. In: Anais do II Congresso Brasileiro de Prospecção Tecnológia – ProspeCT&I, 2012, Salvador: ProspeCT&I, 2012b.

MENDES, C. D. S.; RODRIGUES, R. C.; LUNA, L. C. Nanotêxteis: análise dos pedidos de patente no Brasil para estudo da P&D e inovação. Jun. 2012. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/images/stories/Nanotexteis_Jun_2012.pdf>. Acessado em: 02 jul. 2012.

MIRANDA, J. M. S. A Nanotecnologia como Fator Estratégico de Inovação Competitiva no Setor Têxtil. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/6563533/Palestra-NonoTecnologia-Textil>. Acessado em: 02 jul. 2012.

NANO WERK. Nanotechnology textiles. 16 dez. 2010. Disponível em: < http://www.nanowerk.com/spotlight/spotid=19451.php> Acessado em: 02 jul. 2012.

OLIVEIRA, A. P. Pele de tubarão - Shark Skin. 2009. Disponível em: < http://www.oarquivo.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=274:pele-de-tubarao-shark-skin&catid=71:ciencia-e-tecnologia&Itemid=62>. Acessado em: 02 jul. 2012.

PORTUGA TEXTIL. Indústria Têxtil da República Checa com Tradição Parte 1. 2004a. Disponível em: <https://www.portugaltextil.com/industria-textil-da-republica-checa-com-tradicao-%c2%96-parte-1/>. Acessado em: 11 jun. 2018.

_______. Indústria Têxtil da República Checa com Tradição Parte 2. 2004b. Disponível em: <https://www.portugaltextil.com/industria-textil-da-republica-checa-com-tradicao-%c2%96-parte-2/>. Acessado em: 11 jun. 2018.

SÁNCHEZ, J. C. Têxteis Inteligentes. Química Têxtil, n. 82, p. 58-77, mar. 2006. Disponível em: <http://www.ufjf.br/posmoda/files/2008/07/T%C3%AAxteis-inteligentes.pdf>. Acessado em:

SIEGFRIED, B. Nanotextiles: functions, nanoparticles and commercial applications. Semester thesis in the frame of the “Nanosafe-textiles” project TVS Textilverband Schweiz and Empa. 2007.

WIPO REFORMED IPC. 2018. Disponível em: <http://www.wipo.int/ipcpub/#lang=en&refresh=page>. Acessado em: 11 jun. 2018.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION – WIPO. 2018. Disponível em: < http://www.wipo.int>. Acessado em: 11 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Martinez, M. E. M., Reis, M. C. dos, & Reis, P. C. dos. (2018). Capacidade Inovativa sobre a Ótica Patentária Brasileira do Emprego de Nanotecnologias na Indústria Têxtil. Cadernos De Prospecção, 11(4), 1123. https://doi.org/10.9771/cp.v11i4.26860

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos