Monitoramento Tecnológico do Uso da Própolis Vermelha em Composições Cosméticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i4.23075

Palavras-chave:

Própolis Vermelha, Cosméticos, Monitoramento tecnológico.

Resumo

Tradicionalmente, o setor dos cosméticos representa um dos segmentos mais fortes da economia nacional, no qual o Brasil segue como o 4º maior mercado consumidor mundial de produtos de beleza, atrás apenas do Japão, China e Estados Unidos. Depois de pesquisas em bases de artigos científicos, o estudo verificou que a própolis vermelha possui propriedades químicas e biológicas de grande aplicabilidade para o setor dos cosméticos. Neste monitoramento foram utilizadas seis bases patentárias, entre elas uma nacional, sendo possível verificar que, a partir de 2004, houve um maior fluxo de pedidos de patentes envolvendo a própolis vermelha, cuja a maioria dos titulares é pessoas jurídicas. Concluiu, depois de harmonização dos dados monitorados, que há um enorme potencial para o uso de compostos à base de própolis vermelha no ramo dos cosméticos, destacando-se as patentes sob aclassificação A61K, despontando os escritórios japonês e brasileiro como os que possuem o maior número de pedidos publicados.


                 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jamilla de Paula dos Santos Almeida, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Advogada atuante em Direito do Trabalho e Propriedade Intelectual, Produtora Cultural, Pesquisadora de Artes Visuais e Propriedade Intelectual; Mestranda em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação ( PROFNIT - UFAL); Especialista em Educação em Direitos Humanos e Diversidade - UFAL (2016); Especialista em Direito Penal e Processual Penal - FITS ( 2016),Graduada em Direito pela Faculdade de Direito do CESMAC (2008); Monitora de Introdução ao Estudo do Direito (2005) e Monitora de Direito Penal II (2006). Bolsista Pesquisadora do (PSIC) Programa Semente de Iniciação Científica (2006); Formada em Língua Espanhola no CCLA-UFAL (2007); Mediadora cultural nas exposições de Artes Visuais do SESC ALAGOAS (2001 a 2008); Curadora e Ambientadora da Exposição Ateliê Aberto à Comunidade realizada no SESC ALAGOAS em agosto de 2008; Curadora e Montadora da Exposição Itinerante Só Lâmina - Individual de Nuno Ramos; Idealizadora e docente dos Projetos Criar e Captar: Elaborando Projetos Culturais e Criação e Sustentabilidade de Organismos Culturais ( 2015/2016), realizados em Maceió.


                 

Joyce Carolina Lins Guilhemart, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Possui graduação em Direito - Bacharelado (2007), especialista em Educação em Direitos Humanos e Diversidade (2013) pela Universidade Federal de Alagoas e mestranda no Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação - PROFNIT/UFAL. Assistente em administração da Universidade Federal de Alagoas desde 2006, atualmente exercendo função de assessoria jurídica na Procuradoria Federal junto à Universidade Federal de Alagoas desde 2013. Atuou como conciliadora na Justiça Federal de Alagoas. Atuou também como pregoeira e diretora da Divisão Administrativa da Biblioteca Central da UFAL, coordenando especialmente os processos de aquisição/contratação do Sistema de Bibliotecas da UFAL. Tem experiência na área do Direito Administrativo, com foco em licitações e contratos.              

Andreiza Márcia Maia de Oliveira, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Possui graduação em Administração pela Faculdade Figueiredo Costa (2011).É pós-graduada em Administração de Recursos Humanos, pós- graduada em Gestão Pública pela Universidade Federal de Alagoas. Atualmente é administradora da Companhia de Saneamento de Alagoas, membro titular eletivo do conselho delib. da Fundação Casal de Seguridade Social e avaliadora sênior do prêmio est. da qualidade - Movimento Alagoas Competitiva. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Recursos Humanos, Gestão Pública, Desenvolvimento Organizacional, Planejamento Organizacional e Gestão da Qualidade.

 

          

Katiane do Nascimento Tavares, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Mestranda no Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - PROFNIT/UFAL. Pós Graduação em Gestão Financeira, Auditoria e Controladoria pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió-CESMAC(2006). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Alagoas (2004). Docente no Centro Universitário Mauricio de Nassau - Maceió ministrando disciplinas na área de Administração, Contabilidade, Economia, Empreendedorismo e Inovação; sócia-fundadora da MITH Centro de Especialização Profissional com foco em gestão e inovação; contadora autônoma no escritório contábil PHOENIX CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL. Atuou como professora substituta na Universidade Federal de Alagoas - Unidade Penedo, lecionando disciplinas na área de Contabilidade, Economia e Finanças nos cursos de Sistemas de Informação, Engenharia de Produção e Turismo e como professora-tutora do curso de Administração EAD na Anhanguera Educacional. Atua na área contábil, fiscal e departamento pessoal desde 2004. Possui vasta experiência na área administrativa e financeira em empresa de grande porte de âmbito nacional atuando em cargos de gestão administrativa e financeira. Domínio em planejamento financeiro e na gestão do fluxo de caixa, com a elaboração de demonstrativos financeiros, relatório gerencias e da análise de rentabilidade e controle de custos da empresa. Habilidade e competência na coordenação e supervisão de stakeholders liderando equipes acima de 50 envolvidos. Atuou como tradutora bilíngue em empresa internacional sendo staff direta da alta direção executiva. Experiência de intercâmbio business-cultural com passagem em mais de 6 países no eixo europeu. Experiência em docência em escola de idiomas durante 6 anos. Experiência como disseminadora na implantação do sistema integrado:TOTVS/MICROSIGA-PROTHEUS.

               

Ticiano Gomes do Nascimento, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraíba (1998), mestrado em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos pela Universidade Federal da Paraíba (2000) e doutorado em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos pela Universidade Federal da Paraíba (2004). Bolsista do CNPq em Produtividade, Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora nível 2 - CA 82. Pos-doc em purificação e identificação de metabólitos secundários da própolis vermelha de Alagoas usando CLAE-preparativo e GC-MS e LC-Orbitrap-FTMS. Estudos de fingerprinting, autenticidade e sazonalidade da própolis vermelha usando software de metabolômica (open Format) pela University of Strathclyde/Glasgow-UK. Professor Associado III da Universidade Federal de Alagoas. Leciona nas disciplinas Farmacotécnica, Análises Farmacêutica, Controle de Qualidade de Fármacos e Medicamentos e Estágio curricular em Medicamentos / Alimentos. Foi coordenador do curso de Farmácia no período junho de 2006 a março de 2009. Orientador de Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFAL, Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFAL e pelo PROFNIT - Polo UFAL. Atualmente é revisor da Revista Brasileira de Farmacognosia, Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, Journal of Chromatography B, Journal of Pharmaceutical and Biomedical Analysis e Food Chemistry. Tem experiência na área de Farmácia Industrial, com ênfase em Desenvolvimento de Pré Formulados e Formulados Sólidos, e Semi-Sólidos, Estudo de Estabilidade de Medicamentos e Bioequivalência (etapa analítica); atuando principalmente com as seguintes técnicas analíticas: análise térmica (DSC, DTA, Termogravimetria), Infravermelho (Médio e NIR), Dissolução Intrínseca, Cinética e Perfil de Dissolução e CLAE (CLAE-UV-DAD, CLAE-UV-MS-MS). Vem atuando no desenvolvimento e validação de metodologias analíticas e produtos para saúde a base de própolis vermelha de Alagoas e fitoterápicos (cúrcuma longa), Guaco (Mikania glomerata) , frutas tropicais e medicamentos sintéticos.

    

Sílvia Beatriz Beger Uchôa, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso (1984) ; mestrado em Arquitetura e Planejamento pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (1989) e Doutorado em Química e Biotecnologia - Área de concentração Fisico-Quimica, pelo Instituto de Quimica e Biotecnologia da UFAL (2007). Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Alagoas e Vice-coordenadora do Mestrado Profissional PROFNIT - Ponto Focal UFAL. Foi coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica e de Programas Especiais da PROPEP/UFAL, coordenando o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - PIBITI de 2010 a janeiro de 2016. Tem experiência nas áreas de Construção Civil e em Eletroquímica, com ênfase em Materiais e Componentes de Construção e Ensaios de Corrosão e Durabilidade, atuando principalmente nos seguintes temas: construção civil, materiais de construção, propriedades do concreto, durabilidade de estruturas de concreto armado e patologias de fachadas de edificios. Foi vice-coordenadora do FORTEC Regional NE de abril de 2010 a abril de 2012. Atualmente integra o Conselho Fiscal do FORTEC e é suplente no Conselho Fiscal da ANPROTEC.

 

   

Silvânia da Rocha Medeiros Vila Nova, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, Brasil

Mestranda PROFNIT - Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação - UFAL. Graduada em Administração pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL (2002). Especialista em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas - FGV (2012). Especialista em Estatística pela Escola Nacional em Ciências Estatísticas - ENCE/IBGE (2011). Analista em Planejamento, Gestão e Infraestrutura da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, tendo exercido regularmente todas as suas atribuições como Chefe da Agência de Pesquisas da Unidade do IBGE em Alagoas (2013-2015) e Coordenadora de Divulgação do Censo Agropecuário 2017 em Alagoas. Representante Estadual e Professora Tutora da Escola Virtual da Fundação IBGE/ENCE. Professora Tutora do Curso de Especialização em Gestão Pública da Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Experiência em pesquisa quantitativa, educação a distância, planejamento, gestão e administração pública. Escritora. Compositora. Atriz.

  

Referências

COMISSÃO DA INDÚSTRIA COSMÉTICA (CRF-PR). A indústria de produtos cosméticos – avanços científicos tecnológicos e regulatórios. 2012. Disponível em: <http://www.crfpr.org.br/uploads/comissao/6298/a_industria_de_produtos_cosmeticos_avanos_cientificos_tecnologicos_e_regulatorios.pdf>. Acesso em: 4 ago. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS (ABIHPEC). Panorama do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos: Resultados 2016. 2017. Disponível em: <https://abihpec.org.br/publicacao/panorama-do-setor-2017/>. Acesso em: 20 jun. 2017.

BARRETO, G. A. et al. Aplicação de extrato de própolis em produtos alimentícios: uma prospecção baseada em documentos de patentes. Revista Virtual de Química, Rio de Janeiro, ano 8, v. 5, p. 1251–1261, jul. 2016. Disponível em: <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v8n5a02.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2017.

DAUGSCH, A. A própolis vermelha do Nordeste do Brasil e suas características químicas e biológicas. 2007. 144 f. Tese (Dissertação em Ciência de Alimentos) – Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos. Faculdade de Engenharia de Alimentos, Departamento de Ciência de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/255849/1/Daugsch_Andreas_D.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2017.

DERWENT INNOVATIONS (DII). Web of Science. [2017]. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2017.

ESPACENET PATENT SEARCH. Portal virtual. [2017]. Disponível em: <https://worldwide.espacenet.com/>. Acesso em: 26 maio 2017.

LUZ, M. M. S. Método para avaliação e pesquisa da atividade antimicrobiana de produtos de origem natural. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v. 17, n. 1, jan./mar. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2007000100019&lang=pt>. Acesso em: 13 jul. 2017.

MORAES, C. S. Estudo comparativo de diferentes extrações de própolis dos grupos 12 e 13 e suas atividades biológicas. São Paulo, 2007. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/255850/1/Moraes,%20Cleber%20Silveira_M.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2017.

NUNES, L. C. C. et al. Variabilidade sazonal dos constituintes da própolis vermelha e bioatividade em Artermia salina. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v. 17, n. 2b, abr./jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2009000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 4 ago. 2017.

ORBIT INTELLIGENCE. Portal virtual. Disponível em: <https://www.orbit.com/>. Acesso em: 16 jun. 2017.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (WIPO). Patentscope: patent database. [2017]. Disponível em: <https://patentscope.wipo.int/search/en/search.jsf.>. Acesso em: 29 maio 2018.

PICCINELLI, Anna Lisa. et al. Cuban and Brazilian Red Propolis: Botanical Origin and Comparative Analysis by High-Performance Liquid Chromatography-Photodiode Array Detection/Electrospray Ionization Tandem Mass Spectrometry. 2011. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/51152655_Cuban_and_Brazilian_Red_Propolis_Botanical_Origin_and_Comparative_Analysis_by_High-Performance_Liquid_Chromatography-Photodiode_Array_DetectionElectrospray_Ionization_Tandem_Mass_Spectrometry>. Acesso em: 8 ago. 2017.

PORFÍRIO, Zenaldo. et al. Atividade antimicrobiana de frações da própolis vermelha de Alagoas, Brasil. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 33, n. 1, p. 3–10, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/4589/11065>. Acesso em: 15 ago. 2017.

PORTAL INOVAÇÃO. Estudo de Tendências Tecnológicas. Disponível em: <http://www.portalinovacaohppc.com/Web/Radar/AnaliseEstudoArquivo/?id=1>. Acesso em: 17 jun. 2017.

RAVENSCROFT, Michael. Beauty and personal care products. Chemical Week, Englewood, v. 179, 11. ed., p. 24, abr. 2017. Disponível em: <https://www.chemweek.com/CW/Document/Unauthorized/86180/Beauty-and-personal-care-products-Driven-by-consumer-awareness>. Acesso em: 15 ago. 2017.

ROSALEN, Pedro Luiz et al. Composição fenólica, atividade antibacteriana e antioxidante da própolis vermelha brasileira. Química Nova, v. 32, n. 6, 2009, p. 1523–1527. Disponível em: <http://www.reposip.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/1193/2/art_CABRAL_Composicao_fenolica_atividade_antibacteriana_e_antioxidante_da_2009.pdf. Acesso em: 15 ago. 2017.

______. Compostos à base de isoflavonoides com atividade anti-inflamatória e bactericida aplicada na prevenção de cárie. [2017]. Disponível em: <http://www.inova.unicamp.br/sici/visoes/ajax/ax_pdf_divulgacao.php?token=Iv6qXTJZ>. Acesso em: 19 jun. 2017.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). A maturidade do mercado de produtos orgânicos. Oportunidades & negócios: boletim do serviço de apoio às micro e pequenas empresas. SEBRAE, 2012a. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/8e2fe4db56ad2ed0f4db4f5ba6f13320/$File/4173.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

______. Ideias de Negócios Sustentáveis: Fábrica de cosméticos ecológicos. 2012b. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/d8b8cd0becb72669cfef5dad8de8444a/$File/4146.pdf>. Acesso em: 4 ago. 2017.

______. Própolis vermelha como um novo nicho de mercado. Apicultura: Relatório de inteligência Abril – 2014. 2014. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/949ec2ec0e13a776a1e1e71e8b563530/$File/5425.pdf> . Acesso em: 19 jun. 2017.

______. Indústria farmacêutica: oportunidades para a apicultura. Apicultura: Relatório de inteligência Abril – 2015. 2015. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/afb932abfbbc657acff4b8bd9c76a685/$File/RI_Apic_2015_05_IndustriaFarmaceutica.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2017.

______. Indústria de cosméticos: beleza que gera riqueza. Brasília, DF: SEBRAE, 2008. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/69DD7254220015DF832573D7004CB7AC/$File/NT0003747A.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

______. ESPM. Cosméticos à base de produtos naturais. Brasília, SEBRAE/ESPM, 2008a. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/862CBABD9C9128BB832575530071B80F/$File/NT0003DCEA.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

______. Indicações geográficas brasileiras: mel e própolis. Brasília, DF: SEBRAE, INPI, 2016. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/fb4fbde856ec6f7936af64f469d76cf4/$File/7525.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2017.

SCIELO.ORG. Portal virtual. Disponível em: <http://www.scielo.org/php/index.php> . Acesso em: 18 maio 2017.

SCOPUS (ELSEVIER). Portal virtual. [2017]. Disponível em: <https://www-scopus-com.ez9.periodicos.capes.gov.br/home.uri>. Acesso em: 18 maio 2017.

SILVA, Patrícia Brandão Barbosa da. et al. Mapeamento tecnológico da própolis vermelha do Estado de Alagoas – PVA. Revista Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 9, n. 1, p. 30–37, jan./mar. 2016. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/13529>. Acesso em: 26 jun. 2017.

THE LENS. Portal virtual. [2017]. Disponível em: <https://www.lens.org/lens/>. Acesso em: 1º jun. 2017.

Downloads

Publicado

2018-12-10

Como Citar

dos Santos Almeida, J. de P., Lins Guilhemart, J. C., Maia de Oliveira, A. M., Tavares, K. do N., do Nascimento, T. G., Beger Uchôa, S. B., & Medeiros Vila Nova, S. da R. (2018). Monitoramento Tecnológico do Uso da Própolis Vermelha em Composições Cosméticas. Cadernos De Prospecção, 11(5), 1406. https://doi.org/10.9771/cp.v12i4.23075

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos