SOBRE ALICES, IVONES E MARIAS: MULHERES VÍTIMAS DE FEMINICÍDIO NO BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v12i1.57321

Palavras-chave:

Femincídio, Violência Doméstica, Violência após a separação, Políticas Públicas

Resumo

Os dados sobre violência doméstica contra mulheres, adolescentes e meninas são gravíssimos. Este artigo analisa dados relacionados ao feminicídio, oriundos de três bases distintas: o Atlas da Violência, o Ligue 180 e o Dossiê Mulher. Tem-se por objetivo, realçar múltiplas dimensões do feminicídio, problematizar a invisibilidade da continuidade da violência após a separação e contribuir para a estruturação de políticas públicas. Entende-se que a violência doméstica constitui uma das expressões da violência de gênero, que deve ser ponderada em suas dimensões de classe, gênero e raça/etnia. Identificou-se a necessidade de qualificação dos dados, desagregados por vínculo com as vítimas, a baixa integração entre os sistemas existentes e a ausência de compreensão de que a separação não encerra a violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Carneiro, UFRJ/ESS

Bacharel em Serviço Social pela ESS/UFRJ.

Atualmente, atua como pesquisadora no Projeto de Pesquisa em Serviço Social, Trabalho e Sociojurídico (NUPEQUESS/UFRJ).

Jessica Almeida, UFRJ/ESS

Assistente Social, graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (ESS/UFRJ). Atualmente, residente em Serviço Social, pelo Programa de Saúde da Criança e do Adolescente (IPPMG/UFRJ).

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ALMEIDA, S. S. Femicídio: As algemas (in)visíveis do público-privado. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 1998.

_____________. “Essa violência mal-dita”. In: ALMEIDA.S.(org.) Violência de Gênero e Políticas Públicas. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, Série Didáticos, 2007, p. 12- 24.

BOWSTEAD, J.C. Women on the move: theorising the geographies of domestic violence journeys. In: England, Gender, Place & Culture, v. 24, n. 1, 108-121, DOI: 10.1080/0966369X.2016.1251396, 2017.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI Nº 14.164, DE 10 DE JUNHO DE 2021. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-n-14.164-de-10-de-junho-de-2021-325357131, acesso em: 18 jun. 2021.

BRASIL. Relatório Ligue 180, 2019. Disponível em:

https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2020-2/maio/BalanoDisque180v21.pdf, acesso em: 05 out. 2022.

BRIOLI, F., VAGGIONE, J., MACHADO, M. D.C. Gênero, Neoconservadorismo e Democracia: disputas e retrocessos na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2020.

Dossiê Feminicídio. São Paulo. Disponível em: http://agenciapatriciagalvao.org.br/wpcontent/uploads/2017/03/LivroFeminicidio InvisibilidadeMata.pdf . , acesso em: 01 set. 2017.

FEMINICIDE CENSUS: FINDINGS. Anual Report on UK Feminicides, 2017. Disponível em: https://1q7dqy2unor827bqjls0c4rn-wpengine.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/2018/12/Femicide-Census-of-2017.pdf , acesso em: 20 jun. 2019.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (FBSP). 17o Anuário Brasileiro de Segurança. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2023. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2023/07/anuario-2023.pdf.

HAGUE, G. e MALOS, E. Homeless Children and Domestic Violence. In: VOSTANIS, P. e CUMELLA, S. (org.) Homeless Children: problems and needs. London: Jessica Kingsley Publishers, 1999.

HUMPHREYS, C. and STANLEY, N. Domestic Violence and Child Protection. Directions for Good Practice. London: Jessica K. Publishers, 2006.

HUMPHREYS, C.; DIEMER. K., CRINALL, K. Safe at home? Housing decisions for women leaving family violence, 2017. Aust J Soc Issues 2017, n. 52, p. 32–47. DOI: 10.1002/ajs4.5., acesso em:12 jun. 2019.

INSTITUTO PATRICIA GALVAO. Dossie Feminicidio. Disponivel em https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/, acesso em 06 de out, 2021.

MORGADO, R. Mulheres/Mães e o Abuso sexual incestuoso. Rio de Janeiro: Ed UFRJ, 2012.

____________. Separação: Riscos e Feminicídio. In: MAIA, R.; CRUZ, V. (orgs.). Saberes Plurais: produção acadêmica em sociedade, cultura e Serviço Social. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2018, v. VI, p. 39-57.

SAFELIVES. Insights Refuge England and Wales dataset 2015-18. Adult Refuge Service, 2018. Disponível em: https://safelives.org.uk/sites/default/files/resources/Insights%20refuge%20national%20dataset%2036%20months%20to%20April%202018%20revised.pdf. , acesso em: 17 nov. 2019.

SARDENBERG, C., MANO, M., SACCHET, T.. Confronting Backlash Against Women’s Rights and Gender Equality in Brazil: A Literature Review and Proposal. In: Revista Feminismos. Vol. 8, N.2, maio. – Agosto, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42913, acesso em: 13 mar.2021.

SOLACE WOMEN’S AID. Finding the Costs of Freedom How women and children rebuild their lives after domestic violence, 2014.

SAFFIOTI, H. “Já se Mete a Colher em Briga de Marido e Mulher”. In: São Paulo em Perspectiva. Vol. 13, nº 4, São Paulo: Fundação Seade, out-dez/1999.

___________ . Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

TEIXEIRA, M. C. R. e MORAIS, M. B. A interface Direito/Psicologia/Serviço Social: a atuação da equipe técnica no NUDEM. In: A Defensoria Pública e a atuação na defesa da mulher. CEJUR. Rio de Janeiro, 2017.

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

MORGADO, R. .; CARNEIRO, L.; ALMEIDA, J. SOBRE ALICES, IVONES E MARIAS: MULHERES VÍTIMAS DE FEMINICÍDIO NO BRASIL. Revista Feminismos, [S. l.], v. 12, n. 1, 2024. DOI: 10.9771/rf.v12i1.57321. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/57321. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos