LIDERANÇA FEMININA NA GESTÃO PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

Autores

  • Neila Priscila Costa UFBA
  • Lenira Mendes Monteiro Gonçalves UFBA

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.51093

Palavras-chave:

Gênero. Gestão Pública. Liderança Feminina. Instituição de Ensino.

Resumo

RESUMO

O presente trabalho investigou e discutiu sobre gênero e gestão pública a partir da temática da liderança feminina em uma universidade pública, a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira, campus dos Malês, localizada no município baiano de São Francisco do Conde. A pesquisa é qualitativa, ancorada em revisão bibliográfica e em entrevista estruturada. Uma professora que exerce função de diretora no referido campus foi entrevistada, configurando um estudo de caso. Objetivou-se compreender, através de seu relato/narrativa, como acontece a (sub-)representação das mulheres na gestão pública. Para o momento da análise dos dados gerados em entrevista, foram consideradas como categorias analíticas, teto de vidro (labirinto de cristal), também conhecida como segregação vertical, bem como a segregação horizontal. A participante nos convida a pensar que as mulheres estão aptas a exercer cargos de liderança, ainda que a realidade social obstaculize essa empreitada.

 

Palavras-chave: Gênero. Gestão Pública. Liderança Feminina. Instituição de Ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neila Priscila Costa, UFBA

Mestra em Texto, Discurso e Cultura e doutoranda em Linguagem, Cognição e Discurso pelo Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia. Pesquisa as relações entre linguagem e sociedade, debruçando-se sobre temas como relações de poder, discurso, gênero, feminilidades, lesbianidades, violência simbólica, feminismos. Autora da novela "A Pescadora de Verdades", sob o nome de Neila Sanco. E-mail: neila_priscila@yahoo.com.br.

Lenira Mendes Monteiro Gonçalves, UFBA

Bacharel em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira – UNILAB, campus dos Malês, e Graduada em Ciências Sociais pela mesma universidade. Mestranda em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismos- PPGNEIM, pela Universidade Federal da Bahia –UFBA. E-mail: leniramgoncalves@gmail.com

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais, Em TESE, 2005, p. 68-80.

CASIMIRO, I. Paz na terra, guerra em casa. Série Brasil e África, Ed. UFPE, Pernambuco, 2004.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v.10, n.1, p.177, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/?lang=pt&format=pdf.

DELGADO, N. M. L. F. Desafios da Gestão e Liderança feminina em Cabo Verde: Como exercer a Liderança em Espaços de Identidade Masculina, Dissertação (Mestrado em Gestão de Empresas), Lisboa, ISCTE, 2011.

DW. Quem são as mulheres mais poderosas de África? Disponível em: <https://www.dw.com/pt-002/quem-s%C3%A3o-as-mulheres-mais-poderosas-de-%C3%A1frica/g-46271592> Acesso em 18/07/2022.

LAKATOS E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

LIMA, B. S. Teto de vidro ou labirinto de cristal? as margens femininas das ciências. Orientação: Dra. Rita Segato, Dissertação (Mestrado em História), Brasília, UnB, 133f., 2008.

GAUCHE, S.; VERDINELLI, A. M.; SILVEIRA, A. Composição das equipes de gestão nas universidades públicas brasileiras: segregação de gênero e/ou vertical e presença de homossociabilidade, Brasília: GRP, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GRAHAM, A. Como escrever e usar estudos de caso para o ensino e aprendizagem no setor público. ENAP: Brasília, 2010.

MAZRUI, A. À; WONDJI, C. A evolução relativa aos papéis dos homens e das mulheres. In: História Geral da África VIII: África desde 1935, UNESCO, Brasília, 2010.

MENDES, A. P. Labirinto de cristal: mulheres, carreira e maternidade, uma conciliação possível? Orientação: Dra. Carla Cristina, Dissertação (Mestrado em Psicologia Social), São Paulo, PUC-SP, 89f., 2017.

MINAYO, M. C. S. (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002.

POUPART, et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2014.

RODNEY, W. COMO A EUROPA SUBDESENVOLVEU A ÁFRICA, Lisboa, Seara Nova, 1975.

SANTOS COSTA, N. P. O discurso sexista e a construção da ideia de fragilidade feminina em materiais impressos. Revista DisSoL-Discurso, Sociedade e Linguagem, v.10 (2019): 124-145. Disponível em: http://ojs.univas.edu.br/index.php/revistadissol/article/view/638.

SANTOS COSTA, N. P. Língua(gem) e Violência Simbólica. In: NETO, M. J. S. (Org.). Língua(gem) e Justiça Social: saberes, práticas e paradigmas. Tutóia: Diálogos, 2021. v.1. pp. 16-34. [Livro eletrônico].

SCOTT, J. W. The evidence of experience. The University of Chicago Press: Critical Inquiry, Vol. 17, No. 4 (Summer, 1991), pp. 773-797. Disponível em: https://sopesp.com.br/2019/11/28/africa-lidera-ranking-de-mulheres-em-conselhos-de-administracahttp://www.jstor.org/stable/1343743.

SOPESP. África lidera ranking de mulheres em conselhos de administração. Disponível em: https://sopesp.com.br/2019/11/28/africa-lidera-ranking-de-mulheres-em-conselhos-de-administracao/>. Acesso em: 05 dez. 2019

STEIL, A. V. Organizações, gênero e posições hierárquicas - compreendendo o fenômeno de teto de vidro. São Paulo,V. 32, No. 3, Revista de Administração, pp. 62-69, 1997.

THORNTON, G. Mulheres estão em 38% em cargos de liderança no Brasil. Disponível em: https://g1.globo.com/dia-das-mulheres/noticia/2022/03/08/mulheres-estao-em-38percent-dos-cargos-de-lideranca-no-brasil-mostra-pesquisa.ghtml. Acesso em 13 jul. 2022.

VAZ, D. V. O teto de vidro nas organizações públicas - evidências para o Brasil. Campinas, V. 22, No.3 (49), Economia e Sociedade, pp. 756-790, 2013.

Downloads

Publicado

2023-11-25

Como Citar

COSTA, N. P.; GONÇALVES, L. M. M. . LIDERANÇA FEMININA NA GESTÃO PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB). Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.51093. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/51093. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos