PANDEMIA E TRAUMA - DESTINOS E DISSILÊNCIOS DE ABORTOS E PSICANÁLISES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.45176

Resumo

Esta escrita transcorre através do insólito encontro entre pandemia e aborto, ambos reorganizando o que pode estar do lado da morte e da vida. Nas escassas ocasiões em que a psicanálise compareceu ao debate sobre o aborto, o fez sob os signos do trauma. E é sobre os vetores do trauma - no que se avança e se conserva enquanto pacto social, que consiste o primeiro eixo desta investigação. O segundo eixo trata sobre a noção de destino na psicanálise. Na sequência, temos o eixo dos Feminismos e Interseccionalidades. O processo de análise é compreendido como esse tempo em que o destino ganha uma espécie de polissemia e tanto os caminhos percorridos como os dianteiros se repavimentam. Conclui-se que as existências privadas do reinvento por novos textos sobre a experiência do aborto podem ser tomadas como desperdícios criativos, diante das quais se faz o convite: narrar destinos insabidos através dos dissilêncios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

camila maggi rech noguez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicóloga, Especialista pela Residência Multiprofissional em Saúde com ênfase na Atenção Básica (Escola de Saúde Pública – RS), Mestre em Saúde Coletiva (UFRGS). Atualmente, trabalha na Clínica de Atendimento Psicológico UFRGS – com referencial da Psicanálise. Endereço: Rua Avenida Protásio Alves, n° 297, Porto Alegre – RS, CEP: 90410-000. E-mail: canoguez@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9587-1145

Paula Goldmeier

Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Institucional pela UFRGS. Psicanalista membro do CEPdePA. Trabalha com clínica psicanalítica e direitos humanos. Endereço: João Telles, 542/706. Bom Fim, CEP: 90035-120. E-mail: paulagoldmeier@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0627-3697

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólén, 2019.

ARÁN, Márcia. O avesso do avesso: feminilidade e novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda, 2006.

BIROLI, Flávia. Gênero, “valores familiares” e democracia. In: BIROLI, Flávia; MACHADO, Maria das Dores Campos; VAGGIONE, Juan Marco. Gênero, neoconservadorismo e democracia: disputas e retrocessos na América Latina. Boitempo, São Paulo: 2020. p. 135-188.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei n° 5435, DE 2020. Dispõe sobre o Estatuto da Gestante. Diário do Senado Federal. Brasília, DF, n. 180, p. 604-612, dez.2020. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/diarios/ver/105670?sequencia=604. Acesso em: 11 abr. 2021.

BROWN, Laura S. Not Outside the Range: One Feminist Perspective on Psychic Trauma. American Imago, v. 48, n. 1, p. 119-133, 1991. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/26304034. Acesso em: 7 abr. 2021.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANDIDO, Marcia Rangel; CAMPOS, Luiz Augusto. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por mulheres. DADOS – Revista de Ciências Sociais, 14 mai. 2020. Disponível em: http://dados.iesp.uerj.br/pandemia-reduz-submissoes-de-mulheres/. Acesso em: 14 abri. 2021.

CARDOSO, Bruno Baptista; VIEIRA, Fernanda Morena dos Santos Barbeiro; SARACENI, Valeria. Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais? Cadernos de Saúde Pública, v. 36, Suppl. 1, e00188718, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v36s1/1678-4464-csp-36-s1-e00188718.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

COSTA, Rosely G. et al. A decisão de abortar: processo e sentimentos envolvidos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 97-105, Mar. 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1995000100016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 02 abr. 2021.

DINIZ, Debora; MEDEIROS, Marcelo; MADEIRO, Alberto Madeiro. Pesquisa Nacional do Aborto 2016. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 2, p. 653-660, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v22n2/1413-8123-csc-22-02-0653.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

FEDERIC, Silvia. O Calibã e a Bruxa. São Paulo: Elefante, 2017.

FELMAN, Shoshana. O Inconsciente Jurídico. São Paulo: Edipro, 2014.

FERENCZI, Sándor. Análises de crianças com adultos. In:_________. Obras Completas Psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 69-83. Original publicado em 1931.

FREUD, Sigmund. Projeto para uma psicologia científica. In:__________. Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 1, p. 333-454. Original publicado em 1895[1950].

FREUD, Sigmund. A etiologia da histeria. In:__________.¬¬¬¬ Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 3, p. 187-215. Original publicado em 1986.

FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: __________. Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 7, p. 119-229. Original publicado em 1905.

FREUD, Sigmund. Cinco lições de psicanálise. In: __________. Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 11, p. 17-65. Original publicado em 1910[1909].

FREUD, Sigmund. Além do Princípio do Prazer. In: __________. Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 18, p. 13-75. Original publicado em 1920.

FREUD, Sigmund. A dissolução do complexo de Édipo. In __________. Edição Standard Brasileira Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 19, p. 189-199. Original publicado em 1924

GESTEIRA, Solange Maria dos Anjos; BARBOSA, Vera Lúcia; ENDO, Paulo César. O luto no processo de aborto provocado. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 19, n. 4, p. 462-467, dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002006000400016&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 abr. 2021.

GONDAR, Jô. Ferenczi como pensador políticoFerenczi as a political thinker. Cad. psicanal., Rio de Janeiro, v. 34, n. 27, p. 193-210, dez. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-62952012000200011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 28 mar. 2021.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244. 1984. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4584956/mod_resource/content/1/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf. Acesso em: 29 mar. 2021.

GONZÁLEZ, Licia; BORGES, Rodolfo. Pandemia adia igualdade de gênero por mais uma geração. El País, 31 mar. 2021. Disponível em: https://brasil.elpais.com/sociedade/2021-03-31/pandemia-adia-igualdade-de-genero-por-mais-uma-geracao.html. Acesso em: 31 mar. 2021.

GUZMAN, Adriana. Abortar é memória ancestral. Nosso corpo sabe como parir e sabe como abortar [Entrevista cedida a] Vandreza Amante e Morgani Guzzo. Portal Catarinas, 19 mar. 2021. Disponível em: https://catarinas.info/abortar-e-memoria-ancestral-nosso-corpo-sabe-como-parir-e-sabe-como-abortar/. Acesso em: 22 mar. 2021.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 1. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

MARTINS, Cyro. As trágicas feridas emocionais do aborto. Revista OITENTA, n. 3, Porto Alegre, L&PM Editores, p. 139-45, 1981. [online] Disponível em; http://www.celpcyro.org.br/joomla/index.php?option=com_content&view=article&Itemid=56&id=229. Acesso em: 01 abr. 2021.

MENEZES, Greice M. S. et al. Aborto e saúde no Brasil: desafios para a pesquisa sobre o tema em um contexto de ilegalidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, supl. 1, e00197918, 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2020001304001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 mar. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Interrupção voluntária de gestação e impacto na saúde da mulher. 3 ago. 2018. [online] Disponível em: https://www.jota.info/wp-content/uploads/2018/08/312d26ded56d74e21deec42b8cf612e8.pdf. Acesso em: 11 abr. 2021.

PRECIADO, Beatriz. Liberar o feminismo das políticas identitária. UniNômade Brasil, 9 mai. 2014. Disponível em: https://uninomade.net/tenda/liberar-o-feminismo-das-politicas-identitarias/ Acesso em: 14 mar. 2021.

ROCHA, Camila. Cristianismo ou conservadorismo? O caso do movimento anti-aborto no Brasil. Revista TOMO, São Cristóvão – Sergipe, n. 36, p. 43-77, 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/tomo/article/view/12777. Acesso em: 12 abr. 2021.

VAGGIONE, Juan Marco. A restauração legal: o neoconservadorismo e o direito na América Latina. In: BIROLI, Flávia; MACHADO, Maria das Dores Campos; VAGGIONE, Juan Marco. Gênero, neoconservadorismo e democracia: disputas e retrocessos na América Latina. Boitempo, São Paulo: 2020. p. 41-82.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Preventing unsafe abortion. 25 set. 2020. [online]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/preventing-unsafe-abortion. Acesso em: 27 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2022-10-18

Como Citar

NOGUEZ, camila maggi rech; GOLDMEIER, P. PANDEMIA E TRAUMA - DESTINOS E DISSILÊNCIOS DE ABORTOS E PSICANÁLISES. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.45176. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/45176. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Ensaios