Ação protetora de enxaguatórios fluoretados sobre o esmalte: estudo in vitro

Autores

  • Myria Conceição Cerqueira Félix Universidade Federal da Bahia
  • Roberto Paulo Correia de Araújo Universidade Federal da Bahia
  • Maria Thereza Barral Araújo Universidade Federal da Bahia
  • Max José Pimenta Lima Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.9771/cmbio.v3i2.4426

Palavras-chave:

Enxaguatórios fluoretados, Cárie dental, Prevenção, Fosfato.

Resumo

O íon fluoreto administrado em humanos através de diferentes veículos, é um elemento químico que se incorpora à rede cristalina do esmalte, tornando-se importante na manutenção da saúde dental. Esta afirmação está fundamentada na possibilidade deste fármaco, particularmente, na forma de fluoreto de sódio - NaF, intervir na dissolução desta estrutura biológica, reduzindo de forma satisfatória a perda de minerais e, conseqüentemente, contribuir para prevenir e controlar a cárie dental. Enquanto recurso preventivo, o flúor é uma alternativa farmacológica empregada em programas de saúde pública, dada à sua significativa eficácia e o baixo custo de aplicação. Visando subsidiar a literatura que trata da eficácia do fluoreto de sódio - NaF, veiculado através de colutórios, o presente estudo teve por objetivo determinar, in vitro, o grau de proteção do esmalte pelo íon fluoreto contido em seis enxaguatórios utilizados como recurso terapêutico de aplicação tópica, de uso freqüente e baixa concentração, após exposição experimental aos valores de pH 6.8, 6.5, 6.0m, 5.5, 5.0 e 4.5. As taxas do fosfato liberado do esmalte previamente tratado, expressas em mg/dL/20', foram determinadas através de espectrofotometria, com base na técnica preconizada por Gomori e Baginski modificado (Doles Reagentes e Equipamentos para Laboratório Ltda.). Os resultados obtidos revelaram o poder protetor do fluoreto presente nos enxaguatórios avaliados. Os produtos industrializados, Refrescante Bucal Sorriso Herbal com Flúor (E1) e Plax Enxaguante Bucal com Flúor (E2), apresentaram os melhores resultados, cuja justificativa está na concentração do íon fluoreto presente, ou seja: 228 ppmF- e 227 ppmF-, respectivamente. Os demais colutórios com concentração de 226 ppmF-, revelaram semelhante poder protetor, muito embora apresentassem diferenças estatísticas significantes em relação aos produtos E1 e E2. Esta constatação deveu-se, provavelmente, à concentração mais baixa do fluoreto. Frente ao desafio desmineralizante imposto pelo pH crítico - 5.5, o produto Oral B Enxaguatório com Flúor (E6 = 226 ppmF-) teve o desempenho mais próximo dos produtos E1 e E2, muito embora apresentasse trajetória menos homogênea frente aos demais níveis de pH. É possível, a partir destes resultados, se afirmar que os enxaguatórios testados tiveram controle de qualidade adequado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Félix, M. C. C., Araújo, R. P. C. de, Araújo, M. T. B., & Lima, M. J. P. (2004). Ação protetora de enxaguatórios fluoretados sobre o esmalte: estudo in vitro. Revista De Ciências Médicas E Biológicas, 3(2), 201–217. https://doi.org/10.9771/cmbio.v3i2.4426

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>