Interacionismo simbólico nos cenários de inteligência computacional por meio da curadoria digital de dados em saúde

Autores

Palavras-chave:

Ciência da informação, Informação e saúde, Psicologia social, Inteligência computacional, Curadoria digital

Resumo

Compartilha-se uma reflexão sobre o papel dos profissionais do campo da Ciência da Informação na curadoria de dados em saúde. Metodologicamente adotou-se a lógica indutiva como parte de um estudo descritivo com base em uma abordagem qualitativa sob a perspectiva de um estudo teórico. Nos resultados apresenta-se funções que suscitamo diálogo multidisciplinar na estruturação de dados em saúde ante o contexto de curadoria para promover aspectos de interacionismo simbólico a partir da inteligência computacional. Concluímos que profissionais da Ciência da Informação são imprescindíveis na formulação de interfaces humanizadas de dados em saúde por meio do trabalho com sistemas que agem de forma inteligente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ismaelly Batista dos Santos Silva, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestra em Ciência da
Informação e Bacharela em Arquivologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Orcid: https://orcid.org/0000-0002-9055-671X

Hildenise Ferreira Novo, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutora em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestra em Ciência da
Informação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Bacharela em Biblioteconomia e Documentação pela UFF. Professora do Instituto de Ciência da Informação da UFBA. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0986-7164

Guilherme de Ataíde Dias, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Doutor em Ciência da Informação (Ciências da Comunicação) pela Universidade de São Paulo (USP).
Mestre em Organization & Management pela Central Connecticut State University (CCSU). Professor
da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6576-0017

Referências

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O que é ciência da informação. Belo Horizonte: KMA, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BLUMER, Herbert. Symbolic Interactionism: Perspective and Method, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1969.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso: 28 jun. 2020.

BRASIL. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). LEI Nº 13.709. 2018.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13709.htm. Acesso: 23 set. 2020.

BRASIL. Digitalização e Utilização de sistemas para guarda, o armazenamento e o manuseio de prontuário de paciente. Lei nº 13.787. Presidênciada República Secretaria -Geral. 2018a. Diário Oficial da União. Brasília. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13787.htm. Acesso: 28 jun. 2020.

BRASIL. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação daComissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Resolução Nº 1.638. Conselho Federal de Medicina -CFM. Diário Oficial da União. Seção I:184-5. Brasília 2002b. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2002/1638_2002.htm. Acesso: 28 jun. 2020.

BRASIL. Código de Ética Médica. Resolução CFM Nº. 1931. Diário Oficial da União. Conselho Federal de Medicina –CFM. Brasília 2009c. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/novocodigo/campanha.asp. Acesso: 28 jun. 2020.

BRASIL. Código de Ética Médica. Resolução CFM Nº 1931. Diário Oficial da União -Seção I:90 (Retificação publicada no D.O.U. de 13 de outubro de 2009, Seção I:173). Conselho Federal de Medicina –CFM. Brasília. 2009d. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2009/1931_2009.htm. Acesso: 28 jun. 2020.

BRASIL. Código de Ética Médica.Resolução CFM Nº 1.246. Diário Oficial da União. Conselho Federal de Medicina –CFM. Brasília. 1988e. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/include/codigo_etica/codigo_etica2.asp. Acesso em maio 2020.

BRASIL. Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal. Prontuário médico do paciente: guia para uso prático. Ed.: CRM-DF, Brasília. 2006f.

FACELI, Katti.; et al.Inteligência Artificial: uma abordagem de aprendizado de Máquina. Editora LTC. 1º Ed. 2011.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Editora 34; 2º Ed. 2010.

MINAYO, Maria Cecília. S.; SANCHES, Odécio, O. Métodos Qualitativos e Quantitativos: oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993.

PINTO, Bentes Pinto.; SOARES, Maria Elias. Informação para a área de saúde: prontuário do paciente, ontologia de imagem, terminologia, legislação e gerenciamento eletrônico de documentos. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

PINTO, Virgínia Bentes.; CAMPOS, Henry de Holanda. Diálogos paradigmáticos sobre informação para área de saúde. Fortaleza: Edições UFC, 2013.

RODRIGUES, Adriana Alves.; DIAS, Guilherme Ataíde. Estudos sobre visualização de dados científicos no contexto da data science e da big data. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação. João Pessoa, v. 12, n. 1,p. 219-228, 2017.

ROTTA, Newra Tellechea; et al. Transtornos de Aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. ArtMed. 2a edição. 2016.

RUBEN, Brent D. En la Era de Información: información, tecnología y estudio del comportamiento. Documentación en Ciencias de la Información, v.13, p.53-72, 1990.

RUSSELL, Stuart Jonathan. .; et al. Inteligência artificial. Rio de Janeiro: Elsevier. 2013.

SARACEVIC, Tefko. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspectiva em Ciência da Informação,Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996.

SILVA, Jonathas Luiz Carvalho. Fundamentos da informação I. Perspectivas em Ciência da Informação. São Paulo: ABECIN Editora, 2017. v.1; 271p.

SILVA, I. B. S. Diálogos sobre preservação documental e Ciência da Informação. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Universidade Federal da Paraíba. - UFPB. 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/8298/2/arquivototal.pdf. Acesso: 29 jun. 2020.

STANTON, Jeffrey M. An Introduction data science. Syracuse Universit’ys School of Information Studies, 2012.

VOLPATO, Gilson Luiz; et al.Dicionário crítico para redação científica. Botucatu: Best Writing. 2013.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SILVA, I. B. dos S.; NOVO, H. F.; DIAS, G. de A. Interacionismo simbólico nos cenários de inteligência computacional por meio da curadoria digital de dados em saúde. Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 3, n. Ed. Especial, p. 329–338, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57795. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

COMUNICAÇÕES: Comunicação, informação em rede e humanização: novas perspectivas